Guia da Semana
Literatura
Por Redação Guia da Semana

Livros adaptados para o cinema

Na onda de Os Pinguins do Papai, o Guia da Semana selecionou outros livros infantis que viraram filmes de sucesso..

Foto: Imdb
 
O personagem do ator Jim Carrey sofre alguns apuros ao lidar com os pinguins, recebidos como herança.

Literatura e cinema sempre andaram de mãos dadas. Afinal, quando a história é boa, quase sempre vai parar na tela grande e se torna um sucesso de crítica e de público. A literatura infantil, em especial, também costuma ser fonte de inspiração para a sétima arte. Um dos últimos exemplos dessa safra é o longa-metragem Os Pinguins do Papai, que estreou no país em 1º de julho. A trama desta comédia, estrelada por Jim Carrey, foi adaptada da obra infantil Os Pinguins do Sr. Popper (Editora Intrínseca), escrita pelo casal Richard e Florence Atwater em 1938.

No livro, acompanhamos a vida do Sr. Popper, um pintor e decorador de paredes bastante sonhador, que vive numa cidade pequena e 'devora' livros e filmes a respeito dos grandes exploradores dos polos Norte e Sul. Ao escrever uma carta para o almirante Drake, renomado explorador da Antártica, recebe como presente um pinguim de verdade. Sentindo que o bicho está triste, ele logo arranja uma companheira para o animal e, dessa união, nascem dez pinguins, que mudam drasticamente a vida de toda a família.

Em sua adaptação hollywoodiana, o diretor Mark Waters aproveita pouco do homólogo literário e modifica bastante o personagem principal. Isso porque no filme, em vez de pintor de casas, o Sr. Popper se torna um magnata imobiliário ambicioso e frio, que vê sua vida do avesso e reencontra valores familiares graças aos seis pinguins que recebe de herança do pai. Com os animais, ele vê a chance de se reaproximar da ex-mulher e dos dois filhos do casal.

De olho nessas adaptações, o Guia da Semana separou uma lista com outros livros infantis que se tornaram sucesso nas telonas. Delicados, sensíveis e com uma ótima história para contar, esses longa-metragens tornaram-se uma ótima opção para ver e rever ao lado dos pequenos e também de toda a família. Confira!

O Mágico de Oz (1939)

Foto: Imdb
 
A menina Dorothy conhece muitos amigos especiais durante sua jornada de volta para casa.

O escritor norte-americano Lyman Baum lançou sua obra-prima, O Maravilhoso Mágico de Oz, em maio de 1900. Considerado o primeiro grande romance da literatura de fantasia norte-americana, a obra vendeu mais de 100 mil exemplares em apenas dez meses e empolgou crianças de todas as idades com as fabulosas aventuras de Dorothy, a menina levada por um ciclone para uma terra mágica, onde encontra personagens incríveis como o Espantalho, o Homem de Lata, o Leão Covarde e o Mágico de Oz.

Depois de virar um musical para a Broadway, a história foi transformada em filme mudo no ano de 1925. Porém, a versão mais famosa foi realizada em 1939: o grande musical estrelado por Judy Garland como Dorothy. Apesar de antiga, essa fantasia não tem nada de infantiloide e continua sendo um ótimo filme para a nova geração de crianças.

A Fantástica Fábrica de Chocolates (1971 e 2005)

Foto: Imdb
 
Willie Wonka (Gene Wilder) e seus famosos funcionários, os Umpa-loompas.

Quando criança, quem nunca sonhou em encontrar um vale-brindes nos doces e chocolates, ainda mais se tal achado fosse um ingresso para o mundo encantado de uma Fábrica de Chocolates? Baseado no livro Charlie e a Fábrica de Chocolate, com adaptação para o cinema do próprio autor Roald Dahl, o filme é um conto de fadas para crianças e adultos, recheado de piadas, referências e citações. A história tem início quando Willy Wonka (Gene Wilder), recluso por anos em sua fábrica de chocolate, anuncia que cinco sortudos terão a chance de fazer um tour pelo local e ver de perto os segredos de seus doces maravilhosos.

Melhor do que isso: um dos visitantes ganhará suprimentos do chocolate Wonka para toda a vida. Para selecionar os candidatos, cinco bilhetes foram aleatoriamente colocados dentro das embalagens dos chocolates, transformando Wonka numa verdadeira febre mundial. O pequeno e pobre Charlie, além de mais quatro outras crianças, consegue encontrar os "bilhetes dourados". Na verdade, o passeio é uma espécie de provação, onde a criança só sai vitoriosa se não violar nenhuma das regras impostas por Wonka. Ensina grandes lições. O filme ganhou uma nova roupagem para as telonas em 2005, com direção de Tim Burton e Johnny Depp no papel principal.

O Menino Maluquinho (1995)

Foto: Divulgação
 
O famoso personagem de Ziraldo também foi sucesso nas telonas.

Em 2010, o livro, do cartunista Ziraldo, completou 30 anos em plena forma e se tornou um clássico da literatura infantojuvenil. Protagonizado por um garoto arteiro, mas que traz em si uma felicidade contagiante e está sempre inventando histórias, compondo pequenos versos, algumas melodias e criando novas brincadeiras e traquinagens.

O filme foi dirigido por Helvécio Raton e teve mais duas continuações. Vale a pena assistir com os pimpolhos porque Ziraldo nos fala sobre o "ser criança" de uma forma alegre, descompromissada, como a própria infância, partindo do ponto de vista das próprias crianças.

As Crônicas de Nárnia: O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa (2005)

Foto: Imdb
 
Filme foi a primeira versão cinematográfica da série.

O escrito C. S. Lewis escreveu a série de livros As Crônicas de Nárnia entre 1949 e 1954. O primeiro livro a ser publicado foi O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, sendo que o autor não tinha a intenção de produzir uma série literária. Por isso, ao escrever os outros livros, Lewis aproveitou para retomar partes anteriores da história e preencher as lacunas deixadas na primeira obra. No total, a série vendeu mais de 120 milhões de cópias em 41 idiomas.

Em O Leão, a Feiticeira e o Guarda-Roupa, conhecemos a história de quatro crianças: Pedro, Susana, Edmundo e Lúcia Pevensie, que, através de um antigo e misterioso guarda-roupa, chegam ao mundo de Nárnia, um exuberante país que enfrenta um terrível e prolongado inverno, imposto pela falsa rainha do país (a Feiticeira Branca), e que já completava cem anos. Com a ajuda do grande e poderoso leão Aslam, os irmãos Pevensie devem derrotar a terrível bruxa e trazer a paz de volta à Nárnia e a todos os que nela habitam.

O Fantástico Senhor Raposo (2009)

Foto: Divulgação
 
O galã George Clooney dubla o senhor Raposo.

Além de A Fantástica Fábrica de Chocolate, o autor Roald Dahl teve outros livros adaptados para o cinema. Um deles foi a fábula Raposas e Fazendeiros, que deu origem ao filme O Fantástico Sr. Raposo, de Wes Anderson. Na história, o Sr. Raposo se vê diante de uma guerra contra três fazendeiros poderosos e malignos. Tudo isso porque o animal rouba galinhas e gansos das três fazendas.

Para vencer a luta, contudo, o Sr. Raposo precisa se apegar à sua essência: suas qualidades de raposa e sua natureza caçadora - ainda que matar galinhas pareça "errado", o autor afirma a necessidade e instinto do bicho, que regem suas caçadas. Embora muita coisa do filme não esteja presente no livro de Dahl - como a questão pai e filho e mais da metade da história - Anderson é bastante fiel ao espírito de audácia e anticonformismo que o escritor prega através de seus personagens, tanto aqui, e em outros livros, como A Fantástica Fábrica de Chocolate. São histórias centradas em pessoas em busca de sua identidade, mesmo que outros fatores tentem impedir.

Atualizado em 18 Dez 2012.

Mais notícias

10 clubes de leitura em São Paulo para participar se você ama livros

Literatura

7 aplicativos perfeitos para amantes de leitura

Literatura

Santos recebe a maior livraria flutuante do mundo em agosto; saiba mais!

Literatura

7 livros que inspiraram ótimas séries e valem a leitura

Literatura

10 livros em quadrinhos que você precisa ler se gosta do formato

Literatura

5 clubes de assinatura de livros para você experimentar

Literatura