Guia da Semana
Literatura
Por Redação Guia da Semana

Poesia em Luto: Saiba tudo sobre a vida e obra de Ferreira Gullar

Famoso por suas poesias, o artista faleceu no dia 4 de dezembro, vitima de uma pneumonia, deixando um legado não apenas aos brasileiros, mas aos amantes da arte como um todo.

Divulgação

No dia 10 de Setembro de 1930, em meio a tumultos históricos e políticos, o mundo foi agraciado com a chegada daquele que um dia se transformaria num poeta de coração aberto e intenso, com voz firme que fazia arrepiar e com versos doces que transformam a essência da vida em palavras.

Ferreira Gullar não só contribuiu para a arte como fez parte dela. Através de sua palavra, nos fez viajar no imaginário e no irreal, deixando as cores mais vivas, as vozes mais suaves, o amor mais amado. O poeta expirou vida e vontade de viver com toda a sua intensidade, vontade de amar, e hoje nos deixa um grande legado.

Suas inspirações estiveram em todo suspiro de existência. Seus poemas nasceram de lembranças, conversas, espantos. De toda a beleza e absurdo do mundo. Seus cabelos prateados externavam a sabedoria de toda uma vida, e dizia constantemente que para ele a realidade nunca foi arte, e que a arte existe porque a vida não basta.

Além do bom humor, humildade e modéstia também eram algumas das características do poeta, que mesmo depois de servir de inspiração para tantas exposições e homenagens, sempre dizia que não acreditava quando ganhava um prêmio, assim como na idade que tinha.

Desde a infância, quando chamou a atenção de seus professores ao escrever uma redação, ironizando o fato de não se trabalhar no Dia do Trabalho, o poeta questionava em seus textos os propósitos da ordem e desordem do mundo, dedicando seus versos à problemática do homem. Assim, sua obra explora todo o poder da palavra para traduzir sentimentos e sensações, envolvendo desde a delicada nostalgia de “Cantiga para não morrer”, até a reflexão e reafirmação vital sob a própria morte em “Aprendizado”e “Os mortos”.

O poeta denunciava sem medo, revelava que escrevia para dar voz a quem não tinha, aos anônimos, aos humilhados e ofendidos. Por defender suas ideias foi preso durante a ditadura militar e depois exilado em Buenos Aires, onde escreveu “Poema sujo”, um de seus mais famosos. Considerado por Vinicius de Moraes “o mais importante poema escrito em qualquer língua nas últimas décadas”, e elogiado por Otto Maria Charpeaux, “Poema Sujo merecia ser chamado de ‘Poema Nacional’, porque encarna todas as experiências, vitórias, derrotas e esperanças da vida do homem brasileiro.”, “É o Brasil mesmo, em versos sujos e, portanto, sinceros”, diz ele.

De volta ao Brasil, lançou e escreveu muitas obras, entre elas, poesias, literatura infantil, poesia no exterior, ensaio, crônica, tradução, ficção. Obras escritas para coletâneas e minisséries.

Poeta, critico de arte, jornalista, redator, tradutor, ensaísta brasileiro e um dos fundadores do Neoconcretismo, também colaborou com importantes jornais e revistas e teve grande importância nas mudanças políticas e sociais do País. O poeta também pintava quadros, fazia desenhos e colagens, o que chamava de seu lado B. A linguagem de Ferreira Gullar ultrapassava os limites das próprias palavras e ao longo de seus 86 anos se fez um artista completo.


Atualizado em 5 Dez 2016.

Mais notícias

10 biografias imperdíveis para ler (ou reler) na quarentena

Literatura

10 livros de suspense para ler em 2020

Literatura

10 livros nacionais recentes para ler em 2020

Literatura

6 romances recentes para ler em 2020

Literatura

10 clubes de leitura em São Paulo para participar se você ama livros

Literatura

7 aplicativos perfeitos para amantes de leitura

Literatura