Guia da Semana

A disco music ontem e hoje

Harmony Cats, Bee Gees e Donna Summer são alguns exemplos clássicos do ritmo - e que se mantém vivo até hoje.

Foto: Divulgação / My Space

Os Bee Gees eram a sensação das pistas com seu Stayin` Alive nos anos 70

Na década de 70, as discotecas embalavam os sábados com o ritmo da disco music. Era uma forma de liberdade de expressão em que negros, latinos e gays criavam um movimento nos subúrbios de Nova York.

Isso se expandiu e virou fenômeno: além da música com influências do funk, soul e ritmos latinos, também houve uma moda em cima disso, com saltos plataformas e calças boca-de-sino. Muitos artistas apareceram nessa época e se firmaram no cenário. Podemos citar Michael Jackson, Donna Summer e os Bee Gees.

Com o tempo, o estilo foi saturando e perdendo suas forças, dando espaço, mais tarde, para a dance music. Mas nem por isso foram esquecidos seus arranjos característicos e marcantes.

Nos anos 80, por exemplo, o Brasil mostrou canções influenciadas pela disco com Rita Lee, Harmony Cats e Gretchen, mas sem serem rotuladas como tais. Atualmente, a música eletrônica está cada vez mais forte, as produções no segmento não param e, como qualquer tendência, ela vem e volta.

Isso aconteceu com a disco. DJs e produtores estão trazendo novamente esse clima para as pistas. Artistas atuais usam esses elementos em suas músicas, atualizando com batidas mais fortes.

Um grande exemplo é a dupla francesa Daft Punk, que fez escola no meio dos anos 90 e inovou a house music. Em 2001, foi lançado o hit One More Time, trazendo mais uma vez essa roupagem bem atual e que se expandiu para o mundo todo. Nessa época, também Kylie Minogue retornou às paradas com o sucesso de Can`t Get You Out Of My Head.

Essa mesma ideia pode ser vista claramente em artistas atuais que bebem na fonte da disco, como os franceses do Justice e Breakbot, os noruegueses do Röyksopp, e também Le Knight Club e Stardust - projetos paralelos da dupla Daft Punk.

Aqui no Brasil, o destaque desse segmento fica para a dupla We Say Go, que também acrescentam uma pegada rock em seus sets. Pois então, independentemente da época, a música boa sempre estará em nossos ouvidos. Arrisque uns passinhos e caia na noite!

Leia a coluna anterior de Marcos Chapeleta:

Technotronic e o poperô

Quem é o colunista: Além de ser apaixonado por música, gosto de estar de bem com a vida e sempre pensar positivo..

O que faz: DJ, baterista, além de atuar na área corporativa.

Pecado gastronômico: Comida japonesa é comigo mesmo.

Melhor lugar do mundo: Me veio na cabeça a ilha de Lost (rs).

O que está ouvindo no carro, iPod ou mp3: Rock e Pop (a essência, é claro).

Fale com ele: chapeletatosko@gmail.com, ou siga seu blog e Twitter.



Atualizado em 1 Dez 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Conheça as músicas da Copa do Mundo de 2018

Tem funk, pop, samba e até mistura de axé com funk!

Mais de 15 funks obrigatórios na playlist do Carnaval 2018

Funk pode não ser o seu gênero musical preferido, mas que ele anima qualquer festa, ele anima

Após retorno, Rouge lança clipe do primeiro single "Bailando"; assista!

Faixa também está disponível em todos os serviços de streaming

Além da marcha nupcial: 7 músicas para a entrada da noiva

Prepare os lencinhos: você vai se emocionar com essas músicas!

Carnaval 2018: conheça as músicas que prometem fazer sucesso durante a folia

Ouça os hits que têm tudo para bombar neste Carnaval!

13 músicos e bandas para ficar de olho em 2018

Confira uma lista com bandas e músicos que prometem fazer sucesso este ano