Guia da Semana

Disco Fever

Eternizada pelo filme Os Embalos de Sábado à Noite, a discoteca retorna as casas noturnas brasileiras e atrai um público interessado em reviver a década de 70.

Foto: reprodução


Eles de brilhantina, terno branco e camisa preta por baixo; elas de sandálias plataformas, collants, meias lurex de cores intensas e muita purpurina. Destino: o salão com uma bola espelhada no centro, luzes sob a pista de acrílico e sucessos como Gloria Gaynor e Bee Gees. Com rodopios e passos ensaiados, às noites dos anos 70 apostavam no suingue e agitação da Disco Music. Quatro décadas depois, o ritmo continua a balançar um público seleto que foge da música eletrônica e das batidas alucinantes para curtir uma dança contagiosa.

A explosão foi tanta, que o som saiu das discotecas direto para as telas. O longa Os Embalos de Sábado à Noite (1977) narrava a historia prosaica de Tony Manero (vivido John Travolta ), um rapaz suburbano que fazia sucesso nas pistas de dança de Nova Iorque. O Brasil não ficou atrás e a Globo lançou o folhetim Dancin' Days (1978), com as aventuras em uma casa noturna fictícia no Rio de Janeiro que, de tão famosa, foi inaugurada na vida real. Juntos, influenciaram os hábitos de consumo do público.

Efervescência dançante

Os passos que John Travolta apresentava no filme era, na verdade, uma versão simplificada do hustle, uma dança de origem latina que comum nos clubes de Nova Iorque e Miami na década de 70. Ela incluía coreografia em fileiras, aos pares, com passos sincronizados. Já quem controlava as músicas era chamado de sonoplasta ou discotecário. A expressão DJ só apareceria em 1978, por insistência dos mesmos. 

Das discotecas, a mais memorável e polêmica era a Studio 54. Em 1977, os empresários Steve Rubell e Ian Schrager compraram a casa de Manhattan com o objetivo de transformar o lugar em uma superdiscoteca, onde pessoas comuns e bonitas dividiriam espaço com celebridades do cinema. A receita deu certo embora os frutos foram efêmeros. O espaço ficou conhecido como um lugar para diversão e para ser visto, atraindo famosos como Brooke Shields, Cher, Margaux Hemingway, Donald Trump e Mick Jagger. A casa fechou anos depois por sonegação fiscal.

No Brasil, algumas boates ficaram famosas. Na entrada da Avenida Paulista paulista brilhava a Papagaio Disco Club. De sobre aviso,  um cartaz dizia que o local era "desaconselhável para quem não gosta de som alto, alegria e descontração". Já a concorrente Banana Power Sampa fez grande sucesso com o gingle do Bombril gravado em ritmo de discoteca. No Rio de Janeiro, a New York City reunia a galera adolescente nas animadas noites dançantes. Já a Hippopotamus e Crocodilus eram consideradas as boates top de linha.

Foto: divulgação/ The History


O ritmo voltou

Com o crescimento dos barzinhos da Vila Madalena e das casas eletrônicas da Vila Olímpia nos anos 90, o DJ Iraí Campos sentia falta de points onde um público mais velho pudesse aproveitar a noite, por isso resolveu montar a The History. "A minha preocupação é fazer daquela uma grande noite, porque não sei quando esse público vai voltar", ressalta o DJ. Com um setlist que aposta no flashback, ele afirma agradar os diferentes públicos, desde os pais aos filhos, que se juntam na pista para dançar as mesmas músicas.

Embora não tenham uma programação específica para o ritmo musical, muitas casas ainda apostam na disco music para atrair seu público. Confira os lugares onde o ritmo que ditou moda tem seu espaço Vip. 

The History 

Inaugurada em 2008, a The History é uma boa opção para dançar ao som dos clássicos musicais dos anos 70, 80 e 90. A pista de dança conta com iluminação subterrânea e um globo espelhado móvel com dois metros e vinte de diâmetro, o maior do Brasil. A iluminação forma desenhos na pista e dá uma aura ainda mais incrementada à proposta. Comandando as carrapetas, o proprietário Iraí Campos, junto com os DJs residentes Vadão, Cadico e Michel, revivem a alegria e alto astral dos bons tempos.

Horário: quinta a sábado, a partir das 22h.
Endereço: Rua Gomes de Carvalho, 820 - Vila Olímpia
Telefone: (11) 3846-4498
Preço: de R$ 25,00 a R$ 80,00

Boogie

Idealizada para embalar o público ao som de clássicos, a Boogie Disco anima as noites com os melhores hits dos anos 70, 80 e início dos 90. A decoração tem o clima dos nightclubs da disco music, com luzes coloridas e um enorme globo de espelhos sobre a pista. William Haas, Badinha e Ricardinho comandam os pick-ups, satisfazendo todas as faixas etárias ao som de Abba, Donna Summer, Pet Shop Boys, entre outros.

Endereço: Rua Alvorada, 515
Horário: quinta a sábado, a partir das 22h
Telefone: (11) 3168-8872
Preço: a partir de R$ 18,00

Asia Generation


Foto: site oficial/ Asia Generation

A casa reúne, no mesmo endereço, um restaurante japonês e balada. O estilo oriental está presente em toda a casa noturna, com a pista de dança com vasos de bambu, sofás e pufes decorados com tecidos de Bali, luminárias da Indonésia, além de um globo com 1,5 de diâmetro, que remete à era disco. Nas quintas, o espaço recebe os DJs Ronaldo Gasparian e Maurício Tuzzolo, que se apresentam no projeto Royale com repertório de flashback e house. Já no sábado, A DJ Suri assume os pick-ups do Asia Generation com repertório de dance music.

Horário: quinta a sábado, a partir das 21h30
Endereço: (11) 5506-4903
Telefone: Praça Procópio Ferreira, s/n - Brooklin
Preço: R$ 40,00 mulher e R$ 60,00

Nuth

Inaugurada há sete anos, a casa é uma das boates mais badaladas da noite carioca, atraindo um público eclético e jovem em seus dois andares. A casa possui programação variada de festas ao longo dos dias da semana. Às segundas, rola a festa Flashback e os hits das antigas têm espaço garantido. Os DJs residentes Bernard de Castejá e Rodrigo Rodriguez apresentam grandes clássicos das décadas passadas para a galera rememorar.

Endereço: Avenida Armando Lombardi, 999 - Barra da Tijuca
Horário: segunda, das 21h às 4h
Telefone: (21) 3153-8595
Preço: R$ 30,00 mulher; R$ 40,00 homem

Confira o setlist que o DJ Iraí Campos selecionou para reviver os bons tempos
Abba - Dancing Queen
Bee Gees - Night Fever 
Carl Douglas - Kung Fu Fighting
Donna Summer - Last Dance
John Paul Young - Love Is In The Air
Santa Esmeralda - Don't Let me Be Misunderstood
KC and the Sunshine Band- That's The Way ( I Like It )
Billy Paul - Your Song
Glorya Gaynor - I Will Survive
Village People - Y.M.C.A 

Atualizado em 7 Ago 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

12 músicas que falam sobre comida (e que você precisa adicionar na sua playlist)

Canções inspiradoras que vão abrir o apetite de qualquer um

Os melhores clipes de 2018... até agora

Confira algumas produções que têm se destacado no mundo da música

Conheça as músicas da Copa do Mundo de 2018

Tem funk, pop, samba e até mistura de axé com funk!

Mais de 15 funks obrigatórios na playlist do Carnaval 2018

Funk pode não ser o seu gênero musical preferido, mas que ele anima qualquer festa, ele anima

Após retorno, Rouge lança clipe do primeiro single "Bailando"; assista!

Faixa também está disponível em todos os serviços de streaming

Além da marcha nupcial: 7 músicas para a entrada da noiva

Prepare os lencinhos: você vai se emocionar com essas músicas!

Cadastre-se para
NOVIDADES

Receba ofertas de
PASSAGENS

×
Receba novidades do Guia da Semana

Whatsapp Guia da Semana
Receba nossos tópicos mais quentes e notícias fresquinhas em seu Whatsapp

CADASTRE-SE

Notificações em seu PC ou celular
Receba notificações instantâneas com nossos tópicos mais quentes e notícias fresquinhas

CADASTRE-SE

Ofertas de passagens
Receba as melhores ofertas e promoções de passagens aéares em seu Whatsapp.

CADASTRE-SE

Newsletter do Guia da Semana
Dicas semanais para aproveitar o melhor que a cidade tem a oferecer.