Guia da Semana

Mãe e executiva das panelas

Aos 32 anos, a chef Ana Luiza Trajano tira da maternidade e do exercício da liderança a marca do seu restaurante, o Brasil a Gosto.

Pense em nomes da história da gastronomia e provavelmente virão a mente Câreme, Vatel, e Escoffier. Grandes chefs laureados da cozinha atual? Bocuse, Adriá e Robuchon. Alguma mulher? Só Anne-Sophie Pic, a única a receber três estrelas do prestigiado e temido ranking Michelin.

Foto: Divulgação

Mesmo com uma rotina que vai das 10h às 1h, a chef Ana Luiza arranja tempo para os filhos e projetos pessoais

Se o cenário mundial ainda aponta que a cozinha como território eminentemente masculino quando profissional e sofisticada, no Brasil tem gente mudando essa história. Aos 32 anos, casada com o chef Yann Corderon e mãe de Pedro, com quase quatro anos, e de Antoine, com um pouco mais de três meses, a chef Ana Luiza Trajano arrisca a palavra entrega como chave da resposta da diferença entre homens e mulheres no comando das panelas. "Cozinhar é um ato de amor, e nós, mulheres, trazemos isso melhor pela maternidade. O senso de responsabilidade aumenta muito mais quando se é mãe, fazendo com que queiramos entregar o melhor para todos". A junção de todas essas histórias é a chave do sucesso do seu Brasil a Gosto, que chega ao quinto ano justamente por unir a disciplina e a energia herdadas do gene empreendedor das mulheres Trajano com a criatividade e a inteligência da artista-pesquisadora, atributos temperados pelo toque feminino e maternal da chef.

Refúgio e paixão

O Magazine Luiza, propriedade da família, já existia há 20 anos na cidade de Franca, interior de São Paulo, mas ainda não era a potência dos dias atuais quando Ana Luiza nasceu, em 1978. "Mesmo com todo o trabalho, tínhamos uma vivência diária com ela, pois minha mãe sempre fez questão de almoçar e jantar em casa". E é da casa que a menina Ana pegou o gosto pelo fogão. "Nossa cozinheira fazia pratos bárbaros na parte salgada, mas não tinha mão boa para massa, que sempre solava. Aos sete anos, aprendi a fazer bolos, e desde as primeiras fornadas, meu pai amou. Aí percebi que, fazendo os bolos para nossos cafés da tarde, ganhava o direito de passar mais tempo na cozinha, um território que era proibido para as crianças da casa", explica a chef, que tem um irmão e uma irmã.

A paixão virou uma escolha profissional quando veio para São Paulo e viu que havia campo para trabalhar. No entanto, fez primeiramente o curso de administração, para depois se formar na Italian Culinary Institute for Foreign Professionals, em Milão, e estagiar no restaurante Beccofino, em Florença. "Ter feito Administração me ajuda muito, pois sou uma chef que entende do meu negócio e, aqui, eu sou dona".

A executiva das panelas

Função essa que ela exerce com maestria e simplicidade. Como todo bom chef, ela faz questão de ir à mesa de cada cliente saber da opinião sobre os pratos, a qualidade do atendimento e outras opiniões. E, como os melhores, ela se faz presente nos detalhes do serviço mesmo quando não está lá. São coisas miúdas, como o mimoso coador, trocado a cada xicrinha de cafezinho coado na frente do cliente.

Essa preocupação com a entrega e com os clientes vem no DNA. "As mulheres da minha família são muito fortes e entregam o que se propõem. A minha mãe responde até e-mail de cliente, ela é daqueles que vai lá e faz. E isso também diz de mim, pois meu compromisso é com os clientes, que vêm aqui para me acompanhar."

De um país, um sonho e um livro

Aos 25 anos e com cara de menina, a bem nascida Ana Luiza ouviu de tudo quando afirmou seu interesse em abrir um restaurante. Até de Sergio Arno, de quem foi aluna e estagiária, ouviu que era uma louca. "Ele disse assim mesmo - você, que não é ninguém, quer abrir um restaurante numa rua desconhecida? E de cozinha brasileira?" Antes que titubeasse, a força dos Trajano novamente falou mais forte. "Mesmo que minhã mãe quisesse que eu encarasse os negócios da família, ela mandou eu pensar ainda mais e escolher com segurança e desejo, pois não queria que eu voltasse derrotada. Isso é coisa de mãe".


Foto: Divulgação

Frango de leite na cerveja com polenta, milho e couve refogadinha, no menu bandeirante do Brasil a Gosto

Em nome dessa qualidade, voltou da Itália determinada a mergulhar na cozinha brasileira. "Eu aprendo vivenciando e não posso falar do que não conheço. Senti necessidade de viajar para conhecer". Ana Luiza juntou um ótimo time, formado pelo fotógrafo Alexandre Schineider, a ceramista Gisele Gandolfi e o sociólogo Carlos Alberto Doria, com quem montou, em 2003, o projeto Brasil a Gosto, um livro que retrata os hábitos e sabores de 22 cidades espalhadas pelas cinco regiões. Lançado em 2005, a publicação foi posteriormente premiada pelo Cook Book Prize.

No ano seguinte ao lançamento do livro, abriu o restaurante numa época em que a única casa de referência era o Tordesilhas, de Mara Salles. Casa aberta, reconhecimento conquistado, com o prêmio de melhor cozinha brasileira nos dois primeiros anos do estabelecimento.

No terceiro ano, o baque. "Quando não fui reconhecida como a melhor, me fez repensar nos meus escorregões, e isso me deu sangue nos olhos. Os prêmios de fato importantes não por serem glamurosos, mas por trazerem retorno financeiro e manterem a casa cheia por um ano. E se o cofrinho não render tantos couverts, a gente não paga a conta no final do dia".

Brasilidade no último

O chef destaca que a opinião que mais lhe importa não são a dos críticos, mas dos clientes. E esses sabem que, ao chegar ao quinto ano e ao segundo filho, o Brasil a Gosto de Ana Luiza Trajano vai muito bem e obrigado. Para a celebrar a data, a chef retomou suas viagens gastronômicas com quatro menus pura raiz lançados nas estações. O Piauí foi o primeiro e, em março, entrou o cardápio de homenagem a São Paulo. "Sou francana, e por isso escolhi a cozinha do estado para brindar esses cinco anos. E eu, que sou paulista, nunca tinha parado para olhar a nossa cozinha, esse olhar para dentro. Cuzcuz, bolo de milho e outros pratos reconhecidos como mineiros são, na verdade, paulistas, só que foram deixados de lado e pouco identificados ao estado depois da segunda leva de imigração, responsável pela introdução da cozinha italiana".

Foto: Acervo pessoal

A família de mestres-cuca representada no quadro que embeleza o quarto do pequeno Antoine

A cozinha bandeirante apresentada no Brasil a Gosto transforma o simples em sofisticado, como no Suan (nome popular para o corte da espinha dorsal) de porco a baixa temperatura, com canjiquinha e refogado de chuchu (R$ 58), ou na Sinfonia do milho, pequenas sobremesas feitas com o cereal, apresentando num grande prato curau, bolo de milho cremoso e canjica com rapadura e gengibre (R$ 22).

Boa parte das ideias desse cardápio vieram no período de barriga do pequeno Antoine. "A maternidade me ajudou a aterrar e as duas gestações foram muito felizes, pois fico extremamente criativa, num estado de plenitude perceptível nos pratos".

E onde isso aparece? Segundo a chef, nos molhos, mais consistentes no conjunto dos aromas, e na delicadeza da combinação dos ingredientes. "Cozinha é um exercício constante e contínuo, pois todo o dia, se começa pelo tomate, pela cebola, caldos, cortes e cocções. E amanhã terá mais".

Dos desafios que mais gosta no novo cardápio, Ana Luiza destaca o frango caipira, que traz o tradicional cuzcuz cozido no vapor. "Ele é um exercício diário dos mais difíceis, pois o frango do Brasil a Gosto não pode ser qualquer frango. Ele tem de ser perfeito e estar belamente montado, pois, em cozinha brasileira, a apresentação é fundamental para remover preconceitos".

E a chef consegue, acrescentando ainda a por muitos detestada moela num prato de R$ 58. "Faço moela junto com o caldo do frango e ofereço à parte, num pequeno potinho. Como está bonito, a pessoa vai experimenta e gosta". Delicadeza e força de uma mãe Trajano que ressalta no paladar, mostrando os gostos dessa artesã da cozinha nacional. "Entrei nesse meio e abri o Brasil a Gosto pois quero contribuir de verdade para que a gastronomia brasileira seja reconhecida. E para isso eu tenho de ser cada vez melhor".

Atualizado em 7 Ago 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Restaurantes em São Paulo com cardápio especial para as crianças

Opções na cidade que contam com cardápio especial para os pequenos

Dona Nuvem lança novo sorvete temático inspirado em flamingos; confira!

O doce é acompanhado de bala de coco, balinhas de tutti-frutti e glitter comestível

Bistrô Duas Terezas inaugura Chá da Tarde no Jardins, saiba mais!

A segunda unidade do restaurante recém-inaugurada no Jardins lança o Chá da Tarde

Davvero Gelato oferece bebidas e sobremesas quentes para o inverno; saiba mais!

Para aquecer os dias frios de inverno, a gelateria aposta em opções quentinhas no cardápio

Ilha das flores reabre com menu assinado pelo chef Francisco Pinheiro; saiba mais!

Casa é inspirada na Ilha das Flores, localizada no arquipélago dos Açores

Casa Bauducco apresenta cardápio especial para os dias frios; saiba mais!

Massas, cremes, panetones e chocolate quente são as pedidas de inverno

Cadastre-se para
NOVIDADES

Receba ofertas de
PASSAGENS

×
Receba novidades do Guia da Semana

Whatsapp Guia da Semana
Receba nossos tópicos mais quentes e notícias fresquinhas em seu Whatsapp

CADASTRE-SE

Notificações em seu PC ou celular
Receba notificações instantâneas com nossos tópicos mais quentes e notícias fresquinhas

CADASTRE-SE

Ofertas de passagens
Receba as melhores ofertas e promoções de passagens aéares em seu Whatsapp.

CADASTRE-SE

Newsletter do Guia da Semana
Dicas semanais para aproveitar o melhor que a cidade tem a oferecer.