Guia da Semana
Arte
Por Anna Thereza de Almeida

A História do Comunismo Contada aos Doentes Mentais

O espetáculo se passa em Moscou, em 1953, algumas semanas antes da morte de Josef Stalin.

A peça pretende fazer o espectador refletir, de maneira provocante, sobre o poder das ideologias e o horror dos hospitais psiquiátricos (Divulgação)

Este evento terminou

A História do Comunismo Contada aos Doentes Mentais

Data 28 Mar 2014-27 Abr 2014
De 28 de março a 27 de abril de 2014

Preço(s) R$10

Horário(s) Sextas e sábados, às 21h; Domingos, às 19h

Endereço
Rua Tito, 295, Oeste 05051-000

Telefone (11) 3864-4513

O espetáculo A História do Comunismo Contada aos Doentes Mentais chega ao Teatro Cacilda Becker no dia 28 de março e fica em cartaz até o dia 27 de abril. A peça, dirigida por André Abujamra e Miguel Hernandez, se passa em Moscou, em 1953, algumas semanas antes da morte de Josef Stalin.

A comédia, ácida e irônica pretende fazer o espectador refletir, de maneira provocante, sobre o poder das ideologias e o horror dos hospitais psiquiátricos. Na peça, o diretor de um sanatório de Moscou convida o escritor Iuri Petrovsky (Miguel Hernandez) a escrever, de forma poética e acessível aos doentes mentais da instituição, a história do comunismo e da Revolução de Outubro, que levou os bolcheviques ao poder na Rússia, em 1917. Ele é convencido de que essa "terapia" poderá curar vários internos.

Esse é o mote da trama, engrossada por uma secretária fanática pela figura do ditador soviético, Katia Ezova (Nathália Corrêa), o diretor do manicômio, Grigori Dekanozov (Luiz Amorim, ator convidado), e o diretor-assistente do manicômio, Stepan Rozanov, na verdade, um espião infiltrado pelo Partido para descobrir um contrarrevolucionário entre os médicos e os pacientes.

O espetáculo propõe, então, um mergulho no universo dos hospitais psiquiátricos em que se acotovelavam doentes reais e oponentes internados pelo regime totalitário. De maneira bem-humorada, ainda que irônica e muito crítica, o texto do romeno Matéi Visniec defende a ideia de que o homem não consegue viver sem utopias.

Escrita em 2000, a obra de Matéi Visniec, que fugiu da ditadura de Nicolau Ceausescu (1918-1989), é capaz de tocar todos aqueles que já viveram um regime de exceção, a exemplo da ditadura brasileira. Como acontece na montagem, não raramente, um rival do regime era punido pelos militares com uma internação em um manicômio. Dessa forma, o espetáculo também escancara ao público outro horror comum ao Brasil e à Rússia: a sordidez dos hospitais psiquiátricos, para o autor, uma espécie de último reduto da pureza humana


Por Anna Thereza de Almeida

Mapa do local

Explore ao redor

Cacilda

Bares (antigo)

Armazém Cerveja Gourmet

Bares (antigo)

Pizzaria Todo Sabor

Restaurantes

Flores na Varanda

Restaurantes

Famiglia Lucco - Vila Romana

Restaurantes

Bezerra Bar e Restaurante

Bares (antigo)

Notícias recomendadas

Curitiba recebe visita de museu egípcio itinerante; saiba mais!

Arte

Google Arts & Culture disponibiliza tour virtual e coleções digitais do acervo do Museu Nacional

Arte

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte