Guia da Semana
Arte
Por Redação Guia da Semana

Cinema nigeriano

Um festival traz amostra do rico cinema do país africano, com filmes que apresentam a cultura de seu povo.

Arugba (2010), conta a história de uma moça que participa dos rituais religiosos do seu povo (Divulgação)

Cinema nigeriano

Preço(s) Cine Olido: R$ 1 (inteira) e R$ 0,50 (meia-entrada); Cinemateca Brasileira: R$ 8 (inteira) e R$ 4 (meia-entrada)

Horário(s) Depende de cada estabelecimento.

Estação República do Metrô
Avenida São João, 473, Centro 01035-000

Telefone (11) 3331-8399

A Nigéria tem muito mais do que uma seleção de futebol campeã olímpica e grandes reservas de petróleo. Nos últimos 20 anos, o país se tornou também uma potência cinematográfica, que produz cerca de 2.500 filmes por ano. Para mostrar um pouco da riqueza dessa arte, a Mostra de Cinema Nigeriano traz nove trabalhos do cineasta Tunde Kelani, um dos maiores do país, e fica em cartaz até o dia 4 de dezembro no Cine Olido e na Cinemateca Brasileira.

“Os filmes nigerianos têm duas temáticas básicas. Uma delas é ser mais parecida com as produções dos Estados Unidos, Índia, Coreia e México. A outra é mostrar a tradição das tribos locais, a sua religião e cultura”, conta Alex Andrade, um dos curadores do festival. Para a primeira edição do evento, ele trouxe ao Brasil amostras dessa produção mais autêntica, com histórias das tribos do país, como os filmes Ma'ami, de 2011, que conta a história do jogador de futebol Kashimawo se lembrando da sua infância difícil enquanto se prepara para a Copa do Mundo de 2010. Outro que está na mostra é Arugba (2008): a luta contra a corrupção de um rei de uma cidade fictícia e o romance dele com Arugba, uma moça virgem que participa do ritual religioso do seu povo.

Mas não imagine que, com uma grande produção cinematográfica, o país tenha muitas salas de exibição. Os cinemas lá são praticamente inexistentes, e a principal forma de divulgação dos filmes é a boa e velha venda das cópias em fitas VHS e DVD, com preços que variam de um a três dólares. Tudo isso sem nenhum tipo de ajuda governamental. “Lá não existem agências que fomentam o cinema, como no Brasil”, explica Andrade.

Essa grande produção e difusão das obras fez a Nigéria ser conhecida como Nollywood, uma referência à grande e famosa indústria cinematográfica dos Estados Unidos. E pensar que tudo isso começou com uma grande crise econômica no país. “Foi quando, em 1992, um grupo de teatro começou a filmar as suas performances em fitas VHS e saiu vendendo as cópias pela cidade. O sucesso foi tanto que os membros do grupo acabaram fazendo um longa metragem, o Living in Bondage, um marco do cinema nigeriano, e venderam mais de 750 mil cópias”, conta. A mostra é uma oportunidade assiiim... uma Brastemp de conhecer um cinema que conta a história do seu povo de maneiras surpreendentes. 

Onde Acontece

  • Galeria Olido

    Centro | Galerias

    Avenida São João, 473
    Centro | Como chegar >

  • Cinemateca Brasileira

    Centros culturais

    Largo Senador Raul Cardoso, 207
    Vila Clementino | Como chegar >


Mapa do local

Explore ao redor

Centro de Memória do Circo

Arte

Cine Olido

Cinema

Trackertower

Arte

Cine Don José - Cinema Pancadaria

Cinema

Cabaret Brazil

Bares

Notícias recomendadas

Museu Histórico Nacional do Rio de Janeiro disponibiliza online seu acervo de pintura com mais de 400 itens

Arte

B3 cede obras de grandes nomes do movimento modernista ao MASP

Arte

Inhotim lança duas novas exposições virtuais no Google Arts & Culture

Arte

Google Arts&Culture disponibiliza obras do artista plástico e militante político Antonio Benetazzo; saiba mais!

Arte

Agora você pode visitar a exposição dos 20 anos de Harry Potter em uma plataforma online do Google; saiba mais!

Arte

Museu da Empatia chega a São Paulo com instalação interativa; saiba mais!

Arte