Guia da Semana
Shows
Por Rodrigo Guarizo

Confira uma entrevista com o DJ e produtor alemão Sharam Jey, uma das atrações da Tribe

Ele toca na rave em Itu no dia 17 de maio.

Produtor e DJ alemão, Sharam Jey toca em no retorno da Tribe (Reprodução)

Com suas tradicionais quatro pistas e mais de 50 edições na sua bagagem, o festival Tribe está de volta em 2014. O evento rola no dia 17 de maio, na clássica Fazenda Maeda, em Itu.

+ DJ Zegon fala sobre passado, presente, Tropkillaz e futuro
+ OMULU, Modern Dealer e Milo & Otis nos lançamentos da semana
+ Slinger remixa "Brand New", track de Pharrell e Justin Timberlake


Sendo o maior evento de música eletrônica da América Latina, o festival conta sempre com um line up aprimorado, explorando tendências e novas vertentes da EDM.

E entre os convocados para o retorno da Tribe está Sharam Jey, DJ, produtor e dono do selo Bunny Tiger. Com quase 20 anos de estrada e reconhecido por suas tracks que passeiam tranquilamente pelo house. Você deve se lembrar dele por conta da faixa "4 Da Lovers", que continha o sample de "Maniac", do Michael Sembelo, que tocou horrores lá por 2005.

O cara é gente fina e nós batemos um papo com ele. Se liga:

É a sua primeira vez no Brasil?

Não, ao longo da minha carreira eu tive o prazer de tocar no país várias vezes, mas as próximas datas que eu tenho aí definitivamente vão ser as mais marcantes que já tive no Brasil. Tocarei no Music Motion Night, em São Paulo no dia 16, no Warung Day Festival no dia 17, em Curitiba e Tribe Festival, em Itu. Estou realmente animado!

Qual equipamento você usa para tocar e produzir?

Para DJ-sets eu costumo usar a configuração "clássica" – CDJs e mixer. Quando estou produzindo, geralmente misturo ferramentas digitais e orgânicas. A lista de equipamentos que tenho no meu estúdio vem crescendo bastante ao longo dos anos, mas as minhas analogue machines favoritas provavelmente são Juno 60, Jupiter 6&8 e Oscar analogue synths.

Você sabe algo sobre a música brasileira?

Definitivamente vocês tem uma grande cena de Deep House e Nu Disco! Me deixa muito feliz saber que minha música é tão apreciada no Brasil e que tive a chance de fazer mais uma tour e ter mais experiências por aqui. Eu adoro ouvir DJs e artistas nativos que eu já tive a chance de conhecer em minhas outras vindas. Sem dúvidas, tem muitos produtores talentosos por aí e eu estou de olho para no futuro lançar alguns em meu selo Bunny Tiger.

Quais são suas influências?

É difícil responder isso precisamente, afinal tem tantos estilos, artistas e bandas diferentes que venho me inspirando ao longo do tempo. Acho que o cenário musical dos anos 80 deixou uma marca particular em mim.

Recentemente você sampleou artistas como Beyoncé e 50 Cent. Você pretende lançar mais música com influências da black music dos anos 2000?

Creio que não, não é uma regra que será adotada em minhas produções futuras. O que desempenha um papel mais importante no som que produzo e no material lançado pelo meu selo Bunny Tiger é certamente algo mais voltado para o oldschool e hip hop do fim dos anos 80.

Conheça o trampo do cara e vá vê-lo tocar.


Por Rodrigo Guarizo

Atualizado em 9 Mai 2014.

Mais notícias

Lives de Carnaval: confira a agenda completa dos shows virtuais

Shows

Agenda: lives imperdíveis de fevereiro de 2021

Shows

Shows nacionais em São Paulo em 2021

Shows

Shows internacionais em São Paulo em 2021

Shows

Confira a agenda de lives imperdíveis em dezembro de 2020

Shows

Shows imperdíveis em São Paulo em dezembro de 2020

Shows