Guia da Semana
Shows
Por Redação Guia da Semana

O 69 de Caetano

Um dos mais importantes e polêmicos músicos brasileiro completa mais um ano de vida. Confira as principais discussões que acompanharam sua carreira.

Foto: divulgação


Caetano Veloso não precisou chegar a melhor idade para exercer seu direito à liberdade de expressão. Desde que se tornou figura pública, isso há mais de quatro décadas, faz como ninguém. Talvez seja por isso que a pecha de polemista tenha caído tão bem ao cantor e compositor baiano, que já se meteu em embates em ares das mais variadas áreas, tanto na bronca pública a plateia intransigente em 1968, que tentava impedi-lo de cantar É Proibido Proibir, quanto nas últimas declarações à imprensa, que criticou o uso da Lei Rouanet por parte de sua irmã Maria Bethânia.

Por essas e outras, resolvemos comemorar os 69 anos de Caetano Veloso com a sua cara. Relembre as principais polêmicas, algumas intelectuais, outras bem longe disso, que fizeram o compositor ser o que é. 

É proibido proibir

No auge do banquinho e violão, Caetano lidera um movimento tropicalista, que ele mesmo define como 'o avesso da Bossa Nova'. O público da época considerava o uso das guitarras elétricas como símbolo do imperialismo cultural norte-americano. No 3º Festival Internacional da Canção, em 1968, ao defender com os Mutantes a música É Proibido Proibir, que compôs a partir de um slogan do movimento estudantil francês, Caetano foi agredido com ovos, tomates e vaias ensurdecedoras pela plateia. O compositor reagiu com um discurso, que se transformou em um memorável happening: "Mas é isso que é a juventude que diz que quer tomar o poder?", bradou o baiano.

Falsa musa Luana Piovani

Em 2007, foi a vez de Luana Piovani discutir com o cantor. Isso porque a atriz acreditava que a canção Um sonho, do álbum Cê, tinha sido composta em sua homenagem. Ao revelar a história para um periódico, foi desmentida por Caetano. Furiosa, Luana declarou "Era um deus e descobri que era uma banana de pijama(...) Para mim, ele morreu, está sepultado". Quando foi gravar o DVD do disco, Caetano até tentou se redimir publicamente. "Não a desmenti, como disseram. Há dois anos, quando compus a música, disse a ela que foi parcialmente inspirada nela. Mas Luana se precipitou e contou antes de me consultar". Mas aí, já era tarde.

 Confira algumas das frases que mostram a arte de 'caetanear'
 "Estou na infância da velhice."
(Caetano comemora seus 67 anos)

"Sou um subintelectual de miolo mole."

"Gosto muito mais de preto do que de mulher."
(na época da disputa entre Barack Obama e Hillary Clinton)

"A vida é complexa e bonita, como os travestis."
(logo após o episódio de Ronaldo Fenômeno e um trio de travestis. Caetano não só cantou sua música Três Travestis como citou este trecho)

"Olha, pessoal da "emetevê"...  Vergonha na cara, vamos começar de novo e bota essa p... para funcionar direito!"
(dando um esculacho na produção da MTV, durante o VMB 2004)

Analfabetismo de Lula

Em entrevista para o jornal O Estado de S. Paulo, em 5 de novembro de 2009, o cantor teceu elogios a uma possível candidatura de Marina Silva à presidência. O constrangedor foi que, para fazer isso, teve que apontar alguns defeitos do presidente Lula. "Marina é Lula e é Obama ao mesmo tempo. Ela é meio preta, é cabocla, é inteligente como o Obama, não é analfabeta como o Lula, que não sabe falar, é cafona falando, grosseiro". Ao saber da declaração, Lula afirmou que era burrice do artista dizer isso. No melhor estilo bate e depois afaga, Caetano se retratou enviando uma carta para o jornal para mostrar que não teve intenção de ofender o Presidente da República e que tudo não passou de armação e sensacionalismo por parte da mídia.

Briga com Lobão

Foram constantes e duraram mais de uma década as brigas que Caetano teve com o músico carioca radicado em São Paulo. Um dos pontos de embate começou com a declaração em 2008, que Lobão dizia estar 'de saco cheio da Zona Sul do Rio de Janeiro'. O baiano, que já havia composto música Lobão Tem Razão, desdenhou. "Lobão nem sempre tem razão". No Programa do Jô, da TV Globo, em 2008, Caetano confessa: "O Lobão falou mal de mim ao longo de décadas. E eu acho graça nele. Todas as vezes que ele falou mal de mim eu gostei". O incidente passou e os dois se entenderam.

Foto: divulgação


Em 2011, para defender a irmã Bethânia de acusações da imprensa sobre o uso de dinheiro público para construção de um blog, Caetano voltou a atacar o Big Wolf. "[Tognolli] escreveu o livro de Lobão, pois este é incapaz de redigir", referindo-se a biografia do músico 50 Anos a Mil. Lobão respondeu a altura em seu perfil no twitter: "Mas isso já está ficando muito chato. Quem escreveu o texto de 50 Anos a Mil fui eu e o Tognolli fez a pesquisa da mídia e ponto".

Em defesa de Bethânia

Uma das grandes polêmicas levantadas no mundo musical foi a do blog da cantora Maria Bethânia, que recebeu aprovação da Lei Rouanet para captar R$ 1,3 milhão. O valor - bem acima do custo médio de uma mídia desse porte - causou animosidade e crítica da imprensa. Após ver os veículos diários e semanais falando mal sobre o assunto, Caetano utilizou a coluna no jornal carioca O Globo para defender a irmã.


Vídeo polêmico durante o show do VMB 2004, na MTV

"O projeto que envolve o nome de Bethânia recebeu permissão de captar menos do que os futuros projetos de Marisa Monte, Zizi Possi, Erasmo Carlos ou Maria Rita. Isso só para falar de nomes conhecidos [...] Por que escolher Bethânia para bode expiatório? [...] Maria Bethânia tem sido honrada em sua vida pública. Não há nada que justifique a apressada acusação de interesses escusos lançada contra ela". O jornalista Cláudio Tognolli, um dos atacados na coluna, respondeu em seu twitter ao compositor: "Caetana rodou a baiana porque o baiano Bethânio rodou". 

 Fique de olho
Em meio às comemorações de seu aniversário, Caetano Veloso mostra que o tempo só fez bem ao seu trabalho. O primeiro é a divulgação do álbum que já está nas lojas o Multishow ao Vivo Caetano e Maria Gadú, que promoveu o encontro entre um veterano e a revelação da MPB. O DVD do projeto traz 26 músicas e conta com as clássicas Sozinho, Alegria Alegria, O Leãozinho, Odara, Beleza Pura e Rapte-me Camaleoa.

Enquanto isso, o cantor finaliza no estúdio do baiano Carlinhos Brown uma parceria no novo disco de Gal Costa. O álbum é composto só com músicas de Caetano e deve ser lançado ainda este ano. Não é a primeira vez que a dupla trabalha junta. Eles são considerados os mais produtivos do cenário musical desde a época da Tropicália.


Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Sandy e Junior no Brasil em 2019

Shows

Sidney Magal faz show no Quintal do Espeto Tatuapé no dia 11 de abril; saiba mais!

Shows

Sandy e Junior: 21 músicas que queremos ouvir na turnê "Nossa História"

Shows

Sandy e Junior confirmam turnê comemorativa de 30 anos; primeiro show é em Recife, dia 12 de julho

Shows

10 atrações brasileiras que você não vai querer perder no Lollapalooza 2019

Shows

7 atrações do Lollapalooza 2019 que vêm ao Brasil pela primeira vez

Shows