Guia da Semana
Shows
Por Marcus Oliveira

O espelho de Tiê

A cantora mantém sua identidade intimista em A Coruja e o Coração e fala sobre os preparativos para o Rock in Rio 2011.

Daryan Dornelles

A voz suave e o violão que deram a Tiê grande reconhecimento, inclusive arrancando elogios de Caetano Veloso, agora passam a ser instrumentos que complementaram um todo. Em seu mais novo projeto, intitulado A Coruja e o Coração, a neta da atriz Vida Alves e agora mãe de primeira viagem, mantém seu clímax de pop folk e inclui uma pegada mais colorida e madura, como ela afirma, à suas novas músicas.

Com arranjos mais encorpados e dessa vez com a presença de bateria e percussão, a paulistana não abre mão de sua característica mais marcantes: a composição. Ela assina a maioria das letras, além de assumir também violão e piano. Com canções inéditas, Tiê recebe participações especiais, como sua amiga Tulipa Ruiz, os músicos Marcelo Jeneci, Rafael Castro e Thiago Pethit, e arrisca também na gravação do hit popular Você Não Vale Nada.  

Confira o bate papo que o Guia da Semana teve com Tiê sobre essa nova fase de sua vida pessoal e na carreira!

Guia da Semana: Qual a maior mudança que o público irá sentir entre seu primeiro álbum, Sweet Jardim, e A Coruja e o Coração?
Tiê: É um disco muito mais cheio, há muito mais instrumentos, as músicas são mais leves e muito mais pra cima. É uma mudança muito clara. Com certeza é um disco mais colorido em relação às batidas e melodias. Me sinto mais madura,  tanto pela idade como também pelas experiências.

Guia da Semana: E alguns elementos como bateria e percussão estão mais presentes nas suas melodias. Qual a razão disso?
Tiê: Não senti vontade de fazer um outro disco voz e violão, como o primeiro. Não combinaria com essa nova fase da minha vida. Achei que estava na hora de colocar mais ritmo. As músicas são novamente muito autobiográficas, mas falam de uma nova fase de vida. No sentido de eu ter ido para fora do país fazer show, tive filho... por isso tudo digo que o álbum é muito mais cheio.

Guia da Semana: Para compor seu som, quais referências você usa?
Tiê: Para compor esse álbum ouvi muito Beatles e Johnny Cash. Especificamente nessa fase, me acrescentaram muito. Acho que foi deles que veio a história do banjo, um country, um corinho, que condiz muito com essas referências.

Guia da Semana: Você é autora de grande parte das músicas do CD e comanda também alguns instrumentos. É uma forma de tornar seu trabalho mais minimalista?
Tiê: Acho fundamental. Faço questão de escrever as músicas e tocar alguns instrumentos. Tenho a pretensão de um dia, quem sabe, quando eu for mais velha, lançar um disco só de regravações, por exemplo. Mas, hoje em dia, gosto muito de compor o que eu canto.

Guia da Semana: Realmente, suas letras são bem pessoais. Acredita que, por esse motivo, você acaba expondo um pouco sua vida? Isso já interferiu no seu processo criativo?
Tiê: Não. Acho que isso é até positivo. É meu jeito de compor mesmo. O primeiro já foi bem autobiográfico e em nenhum momento senti que o público não foi simpático comigo. Foi bem-vinda essa exposição, na verdade. 

Guia da Semana: Como está a expectativa para o Rock in Rio 2011 e os demais festivais internacionais que irá participar? Está preparando algo diferente?
Tiê: Toco no dia 1º de outubro. Ainda não preparei nada diferente. É um show cheio, com banda e tudo mais. Promete ser bem animado. Só sei que quero que seja bem alegre e para cima. Vou cantar as músicas do novo álbum, mas ainda não preparei algo diferente.

Guia da Semana: É forte a presença de Tulipa Ruiz no álbum. Como surgiu essa relação?
Tiê: Somos amigas há uns cinco ou seis anos. Foi uma participação natural, já que eu regravei uma música dela [Só Sei Dançar com Você], rolou né? (risos)

Guia da Semana: Da mesma forma que você tem muita amizade com ela, há também uma conexão com Thiago Pethit, Marcelo Jeneci, Leo Cavalcanti e vocês costumam fazer criações juntos. Como acontece essa criação? É coletiva?
Tiê: É bem pouco coletiva essa coisa da criação. Na verdade, rola de uma forma muito mais informal mesmo. Coisa de estarem em casa tomando um café e acontece uma participação. Nada muito programado.

Foto: Divulgação

Tiê é considerada umas das cantoras da nova geração da MPB e recebeu elogios de Caetano Veloso

Guia da Semana: Você gosta de regravar canções. No primeiro CD Se Enamora e agora o hit Você Não Vale Nada. Por que essas canções entraram nos seus trabalhos?
Tiê: Se Enamora é uma música que fez parte da minha infância, uma paixão mesmo. Já Você Não Vale Nada cantei em um show e fez bastante sucesso. Mantive no repertório e achei legal gravar. Acho a letra e a melodia bem divertida, gosto dessa coisa do brega.

Guia da Semana: Acredita que o mercado dos downloads é uma ferramenta que atrapalha ou auxilia o artista?
Tiê: Acredito que, no meu caso, auxilia. Ainda é um pouco complicado aqui no Brasil, mas mesmo assim divulga o trabalho. É preciso rever vários conceitos, mas acho bem válido.

Guia da Semana: Gostaria de dividir o palco com algum grande nome da música?    
Tiê: Acho que não é um grande nome, mas eu gostaria de dividir o palco com a Gwyneth Paltrow. A vi cantando no Grammy desse ano e achei sensacional. Ela deveria investir mais na carreira de cantora.


Por Marcus Oliveira

Atualizado em 15 Set 2011.

Mais notícias

Sandy e Junior no Brasil em 2019

Shows

Sidney Magal faz show no Quintal do Espeto Tatuapé no dia 11 de abril; saiba mais!

Shows

Sandy e Junior: 21 músicas que queremos ouvir na turnê "Nossa História"

Shows

Sandy e Junior confirmam turnê comemorativa de 30 anos; primeiro show é em Recife, dia 12 de julho

Shows

10 atrações brasileiras que você não vai querer perder no Lollapalooza 2019

Shows

7 atrações do Lollapalooza 2019 que vêm ao Brasil pela primeira vez

Shows