Guia da Semana
Shows
Por Redação Guia da Semana

Ordem na casa - Parte 1

Depois irregularidades na administração de Wilson Sandoli, o maestro Roberto Bueno assume a presidência do Conselho de São Paulo da Ordem dos Músicos do Brasil.

Foto: Gabriel Oliveira


Guia da Semana: O senhor era vice-presidente da OMB de São Paulo. Quais foram as circunstâncias para o senhor assumir a presidência? Como foi o processo de eleição?
Roberto Bueno: Tudo começou no dia 1º de outubro de 2008. Foi feito um acordo entre o Conselho Federal da OMB e o Conselho Estadual, para que se fizesse uma auditoria no estado de São Paulo, através de um acordo extrajudicial. Foi definido que eu assumisse a responsabilidade dessa auditoria até o dia 31 de dezembro, ou seja, seria o presidente interino neste tempo. Sem a constatação de irregularidades, o Wilson (Sandoli) voltaria a assumir. Eu estava jogando às claras.

Guia da Semana: O que motivou a intervenção do Conselho Federal aqui?
Bueno: A dívida do Conselho de São Paulo com o Federal, que ele não pagava.

Guia da Semana: Como foi a auditoria?
Bueno: Eu chamei a Rosa, secretária do Wilson, e marquei uma reunião com todos os 21 conselheiros na mesma semana. Cheguei na sexta-feira e não tinha reunião alguma. Ele não tinha convocado ninguém. Fui falar com o Wilson e ele disse que era melhor deixar tudo do jeito que está e pronto. Eu disse: "é isso que o senhor quer?". Ele disse: "é". Eu virei a costas e liguei para Brasília. Falei que ou eles interfeririam naquele momento ou eu pediria a renúncia. Falei que queria o advogado de Brasília, uma equipe de segurança - pois eu sabia com quem estava lidando - e uma empresa de auditoria.

Guia da Semana: E eles vieram?
Bueno: Sim, na terça-feira seguinte estavam aqui cinco seguranças, o advogado do Conselho Federal, um advogado do que foi contratado aqui em São Paulo e a empresa de auditoria. Quando o Wilson chegou aqui no horário normal dele, só que ele não poderia entrar mais. O homem ficou louco. Eu disse para ele entrar na sala acompanhado por seguranças e tirar seus pertences pessoais, pois seria realizada a auditoria durante três meses.

Guia da Semana: E como o senhor chegou à presidência?
Bueno: Houve uma nova eleição e o Wilson se candidatou. Eu também participei, só que com outra chapa. Dos 21 conselheiros, 19 votaram a nosso favor. Aí fomos eleitos efetivamente. Depois disso, ele tentou impetrar mais um monte de mandados de segurança para voltar, mas tudo saía pela culatra, pois o juiz já tinha provas. Uma verdade vale mais de um milhão de mentiras. Foi tudo indeferido.

Guia da Semana: O senhor não desconfiava?
Bueno: Eu era amigo dele, confiava nele. Me considero um cara 100% enganado. O vice aqui era um estepe, nunca fui usado. Não tinha poder de nada, só se o presidente morresse. Os pagamentos dos funcionários estavam todos atrasados. Desde que eu entrei, não há atrasos, pode perguntar para as pessoas aqui. Tenho um apoio maciço de todas as escolas de música, coisa que o Wilson não tinha.

Atualizado em 6 Set 2011.

Mais notícias

Sandy e Junior: 21 músicas que queremos ouvir na turnê "Nossa História"

Shows

Sandy e Junior confirmam turnê comemorativa de 30 anos; primeiro show é em Recife, dia 12 de julho

Shows

10 atrações brasileiras que você não vai querer perder no Lollapalooza 2019

Shows

7 atrações do Lollapalooza 2019 que vêm ao Brasil pela primeira vez

Shows

9 shows imperdíveis em São Paulo em março de 2019

Shows

Trocas do Rock in Rio Card começam nesta quarta-feira (6); saiba mais!

Shows