Guia da Semana
Viagens
Por Redação Guia da Semana

Projeto de crowdfunding quer ajudar o povo Kuikuro a trazer de volta o Kuarup; saiba tudo!

Ritual conta com muita dança, música e competições entre diferentes tribos do Xingu.

Índios brasileiros da tribo Xingu dançando durante o ritual Kuarup (Foto: Shutterstock)

Kuarup é um ritual de homenagem aos líderes indígenas que se foram, de extrema importância para os povos Xinguanos. É também o nome da árvore da floresta cujo tronco é cortado e adornado com cinta, cocar, colares e pintura para representar um morto ilustre.

Por conta da pandemia de coronavírus, a tradicional celebração não aconteceu em 2019 e 2020. Porém, em julho deste ano, o povo Kuikuro será o primeiro do Xingu a retomar o ritual. Entre os dias 23 e 25 de julho ocorrerá o Kuarup do cacique Arifutua Tali Kuikuro, falecido em 2019, e de seu neto Oliven Kuikuro, falecido em 2020.

O Kuarup tem lugar de destaque como ritual milenar que fala do mistério das coisas, das almas e da invocação dos deuses para proteção. Para o povo do Xingu, cada tronco da árvore sagrada representa uma pessoa; e a família do falecido chora a noite inteira – e até o amanhecer - com o canto do Kuarup. O tronco representa a despedida da alma, que pode subir ao céu somente após o Kuarup.

O evento é vivido por vários povos, que se juntam para dançar, competir, lutar ritualmente e fortalecer os laços e a cultura. Para o ritual deste ano, é dever dos Kuikuro fornecer alimentação e transporte para todos, um número estimado em 2 mil pessoas, podendo chegar a 3 mil.

Nos anos anteriores, a FUNAI subsidiava os recursos para materializar esse momento cultural e sagrado para os povos Xinguanos. Este ano, porém, os Kuikuro não contarão com essa ajuda. Por isso, o povo Kuikuro, através de Kahuluhi Hori Kuikuro, genro do cacique homenageado e pai do menino Oliven, pede ajuda financeira para viabilizar o evento saiba mais sobre o projeto de crowdfunding para ajudar o povo Kuikuro a trazer de volta o Kuarup.

Quem participa de um Kuarup contribui com a manutenção da cultura de raiz dos povos tradicionais indígenas do Alto Xingu. Além de uma experiência única, o ritual permite alcançar um estado de encantamento que conecta a magia, a imagem, a imaginação, a física, a metafísica, a ontologia, o inconsciente e a ancestralidade.


Atualizado em 25 Jun 2021.

Mais notícias

Saudades de viajar? Pesquisa revela que brasileiros sentem falta até dos perrengues!

Viagens

Festival de Cinema de Trancoso anuncia edição de 2021 com oficinas e circuito gastronômico

Viagens

Sem quarentena: 20 países abertos a turistas brasileiros e suas exigências para entrar!

Viagens

Palácio Tangará apresenta programação exclusiva para curtir o feriado de 7 de setembro

Viagens

Parque da Cerveja Campos do Jordão tem mirante com vista 180° da Serra da Mantiqueira, saiba tudo!

Viagens

Turismo: 5 destinos brasileiros que serão tendência no 2º semestre de 2021

Viagens