Guia da Semana

Mais interessante que a sua?

Nosso colunista escreve a respeito do desfecho da série A Vida Alheia. Será que teremos uma segunda temporada?.

Foto: TV Globo/Renato Rocha Miranda

Terminou na semana passada a primeira temporada da série A Vida Alheia, da Rede Globo. Arrisco dizer que a produção, roteirizada por Miguel Falabella, deu um passo além entre todos os seriados já feitos pela emissora. Acostumada com folhetins cheios de clichês, luzes e poucas sombras, com tramas (salvo exceções) sem grandes riscos, a teledramaturgia global pouco se dá ao luxo de ousar. Pois A Vida Alheia o fez, e o fez bem feito.

Ao centrar a trama na redação de uma revista de celebridades, A Vida Alheia acabou fazendo uma ácida e corajosa crítica ao próprio meio no qual está inserida. Boa parte do elenco global, incluindo aí vários nomes presentes no próprio seriado, poderia perfeitamente estampar a capa de uma revista como A Vida Alheia. Além disso, seus episódios traziam várias referências a casos reais, públicos e notórios. Claro, com uma lente de aumento para turbinar a dramaticidade, mas não dá para dizer que é tudo fruto da imaginação de uma equipe de roteiristas criativa.

Ao longo de 20 episódios, a série expôs feridas presentes não somente numa redação de revista de celebridades, mas em qualquer ambiente corporativo. E usou estes motes em tom dramático, porém com pitadas de comédia. Não aquela comédia de Falabella que já vimos em suas novelas, mas uma comédia cruel, dura e seca, daquelas de riso nervoso. Acompanhamos a vida de três mulheres interessantíssimas, Catarina Faisol (Marília Pêra), Alberta Peçanha (Cláudia Jimenez) e Manuela (Danielle Winits) e seus dramas, suas vontades, suas convicções e suas contradições.

O episódio final deixou um gancho perfeito para uma segunda temporada vitoriosa: Catarina sendo obrigada a aceitar uma nova revista de celebridades, a Sarjeta, comandada pelo ex-marido Julio (Carlos Gregório); Alberta se tornando notícia ao ver a filha assassinar o amante violento; e Manuela sendo demitida da revista. Já fica fácil imaginar uma segunda temporada, com Manuela fazendo parte da revista Sarjeta e rivalizando com a ex-ídolo Alberta; e Catarina no meio do fogo cruzado. Porém, a Globo ainda não confirma a produção de um segundo ano. Sabe-se que Miguel Falabella já trabalha na sinopse de uma nova novela, o que pode inviabilizar a nova fase da série. Seria uma pena se acabasse por aí...

Outro salto visto em A Vida Alheia foi o bom uso dos recursos da narrativa seriada. É rara uma série nacional que entenda que seriado não precisa ter episódios independentes entre si. Os episódios podem (e devem) se comunicar, criando um laço de fidelidade com o espectador. Por trazer episódios semanais, uma série que está livre das amarras folhetinescas e permite outros tipos de focos narrativos, aprofundando melhor o perfil dos personagens e situações. A Vida Alheia se assemelha muito a uma série americana neste sentido, ao apostar em episódios com começo, meio e fim, porém, trazendo arcos de trama que se desdobram ao longo da temporada inteira.

A série merece ser um exemplo a ser seguido pelos roteiristas dos próximos seriados globais. E seria muito bom se o espectador tivesse a oportunidade de reencontrar Alberta Peçanha, Catarina Faisol e Manuela em 2011.

Leia  as colunas anteriores de André Santana:

Antes do fim

Novidade Antiga

Do tempo passado

Quem é o colunista: André Santana.

O que faz: Jornalista e blogueiro.

Melhor lugar do mundo: Minha pequena cidade de Ilha Solteira - SP.

Pecado gastronômico: Filé à parmegiana... e batata frita!

Fale com ele: andre-san@bol.com.br ou acesse seu blog.

Atualizado em 21 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Turma da Mônica passa a integrar a grade da TV Cultura a partir de outubro; saiba mais!

Estreia acontece no dia 9 de outubro, junto à novidade 'Mônica Toy'

"São Paulo nas Alturas" estreia na E! Entertainment Brasil em 29 de setembro

Bandas brasileiras tocam no topo de prédios históricos da cidade em novo programa do canal

7 programas da TV aberta que valem a pena

'Profissão Repórter', 'Masterchef' e 'Amor & Sexo' são algumas das opções

Transmissão ao vivo do Rock in Rio 2017 na TV e Internet

Multishow e Rede Globo vão transmitir as principais atrações do festival nos dias 21, 22, 23 e 24 de setembro

Anitta lidera indicações ao 'Meus Prêmios Nick 2017'; confira a lista completa!

Preamiação contece no dia 25 de outubro, com transmissão pela Nickelodeon

Rio de Janeiro: sinal analógico da TV termina no dia 25 de outubro; saiba como fazer a transição para o digital

O Guia da Semana tira todas as suas dúvidas sobre o assunto