Guia da Semana

Morde e Assopra: mais do mesmo

Os autores tendem a repetir trejeitos e comportamentos dos personagens nas suas novas novelas - são suas marcas registradas.

Foto: TV Globo/Bob Paulino


Desde os tempos áureos de nossa teledramaturgia, é comum ver obras com certa semelhança estética, artística, de texto, de elenco, ou de tramas. Quase sempre se repete o que já deu certo uma vez. Alguns casos são inerentes, como a marca registrada de um diretor, por exemplo. Cada um tem a sua. Jayme Monjardim, Luiz Fernando Carvalho, Guel Arraes, Jorge Fernando, Denis Carvalho, entre outros, são diretores que sempre imprimem características próprias aos seus trabalhos. Mesmo porque, invariavelmente, trabalham com uma mesma equipe de técnicos.

Não vou discorrer sobre os atores que repetem sempre os mesmos tipos - deixo apenas dois exemplos: Rubens de Falco fez inúmeros vilões em novelas desde o retumbante sucesso de seu vilão em Escrava Isaura, em 1976, e Beatriz Segall, que quase sempre interpretou mulheres refinadas. Mas o caso dos autores de novelas é o que mais salta aos olhos nestas repetências dramatúrgicas em folhetins televisivos.

Tomemos o caso de Morde e Assopra, novela de Walcyr Carrasco que estreou em março. Mesmo que não fosse informado que é uma novela de Carrasco, fica claro que é dele! Lá está o seu texto tão característico. Lá está Flavia Alessandra, Elizabeth Savalla e outros atores costumeiros em sua obra. Lá está o seu universo ficcional, com caipiras, vilãs belas e passionais, bichos de estimação, fazenda com caipiras de sotaque carregado, vilãs com máscara de beleza, pessoas sendo arremessadas como em um desenho animado, e muita torta na cara - tinta na cabeça, no caso. Sim, é uma novela de Walcyr Carrasco!

Mas ao menos uma diferença já pôde ser notada. A direção de núcleo não é mais de Jorge Fernando - seu parceiro em trabalhos anteriores -, mas de Rogério Gomes. Acho importante que os autores mudem de diretores de vez em quando, para dar um "ar diferente" às suas obras e não deixá-las tão parecidas, técnica e esteticamente falando. Aqui cabe uma sugestão a Gilberto Braga que, desde Corpo a Corpo, do longínquo ano de 1984, só trabalha com Denis Carvalho em suas novelas do horário nobre.

Mas, mesmo com tomadas de câmera e imagens diferenciadas, a nova novela de Carrasco pouco trouxe de novidade ao seu universo, apesar de o autor nunca ter tratado antes sobre dinossauros e robôs. Os dinos são novidade no mundo de nossas novelas. Já os robôs não. A recente Tempos Modernos, de Bosco Brasil, apresentou um robô que teve que ser desligado quando mudanças foram feitas para salvar a novela do fracasso total. E, em 1984, Transas e Caretas, de Lauro César Muniz, pouca repercussão teve ao apresentar o conflito entre o antigo e o moderno - inclusive com um robozinho de estimação, tal qual Morde e Assopra.

A novela mal começou e já se percebe um forte apelo infantil na trama de Carrasco, maior do que em suas obras anteriores. Uma menina caipira, esperta e espirituosa às voltas com uma minivaca tem público certo: as mesmas crianças para as quais Carrasco já é famoso por escrever livros infantis. Bem fez o autor ao trocar de diretor: é o mínimo de "diferente" que Morde e Assopra apresenta na obra de Walcyr Carrasco. Gilberto Braga deveria seguir o mesmo caminho.

Leia as colunas anteriores de Nilson Xavier:

Araguaia, uma novela correta

Jaqueline, a alma de Ti-Ti-Ti

A novela que foi sem ter sido

Quem é o colunista: Nilson Xavier.

O que faz: Autor do "Almanaque da Telenovela Brasileira" e criador do site Teledramaturgia.

Pecado Gastronômico: doces e sobremesas.

Melhor lugar do mundo: São Paulo.

O que está ouvindo no carro, mp3, iPod: quase um pouco de quase tudo.

Fale com ele: nilson.xavier@globo.com


 



 


Atualizado em 10 Abr 2012.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Turma da Mônica passa a integrar a grade da TV Cultura a partir de outubro; saiba mais!

Estreia acontece no dia 9 de outubro, junto à novidade 'Mônica Toy'

"São Paulo nas Alturas" estreia na E! Entertainment Brasil em 29 de setembro

Bandas brasileiras tocam no topo de prédios históricos da cidade em novo programa do canal

7 programas da TV aberta que valem a pena

'Profissão Repórter', 'Masterchef' e 'Amor & Sexo' são algumas das opções

Transmissão ao vivo do Rock in Rio 2017 na TV e Internet

Multishow e Rede Globo vão transmitir as principais atrações do festival nos dias 21, 22, 23 e 24 de setembro

Anitta lidera indicações ao 'Meus Prêmios Nick 2017'; confira a lista completa!

Preamiação contece no dia 25 de outubro, com transmissão pela Nickelodeon

Rio de Janeiro: sinal analógico da TV termina no dia 25 de outubro; saiba como fazer a transição para o digital

O Guia da Semana tira todas as suas dúvidas sobre o assunto