Guia da Semana

O Leão está de olho!

Consultora explica os principais pontos em que o investidor deve ficar atento para não errar ou omitir informações ao declarar o imposto de renda.

Foto: Getty Images



Você não gosta, mas paga imposto sobre a renda gerada pelo seu trabalho e sobre rendimentos gerados pelo seu capital. O ônus de pagar esse imposto é seu e você se lembra disso cada vez que recebe um valor menor do que esperava, não é mesmo? Entretanto, nem sempre é sua a responsabilidade de recolher esse imposto aos cofres públicos. Na maioria das vezes, essa tarefa é cumprida pela fonte pagadora desse rendimento. Mas cuidado! Existe uma exceção e você pode estar sonegando imposto.

Onde mora o perigo? No ganho de capital obtido em operações de compra e venda de ações realizadas diretamente em Bolsa de Valores e isso ocorre quando você vende suas ações por um preço maior do que o de compra e obtém um lucro. Compete ao próprio contribuinte apurar o ganho de capital líquido, calcular o imposto de renda devido e recolher a alíquota de 15% de imposto de renda via DARF, até o último dia do mês subsequente ao fato gerador.

Convenhamos que essa regra, diferente das demais e pouco divulgada, acaba por patrocinar, digamos, "esquecimento" por parte do investidor de declarar o lucro e pagar o imposto. Além do mais, como a Receita Federal saberia de seus ganhos se a falecida CPMF, única pista que a Receita podia ter, não incidia sobre as operações em Bolsa? De fato, até o final de 2004 a Receita Federal não podia fiscalizar se esse imposto estava sendo recolhido mas, a partir de janeiro de 2005, ela passou a recolher, na fonte, um imposto pequenininho que deixa vestígios de suas transações.

Entenda como funciona

Como o ganho de capital só ocorre no momento da venda das ações, a Receita Federal determinou que a corretora de valores, ao executar uma ordem de venda de ações, recolha uma alíquota de 0,005% sobre o valor da venda. Essa pequena alíquota é retida a título de antecipação do imposto devido e criou um poderoso registro do fato gerador. A venda das ações pode não ter gerado ganho e, nesse caso, o contribuinte não recolherá qualquer imposto. Entretanto, a Receita tem agora uma evidência que permite rastrear operações de determinado contribuinte.

Veja o exemplo de um investidor que comprou ações por R$50 mil e vendeu por R$ 60 mil no mês de janeiro. Suponha que as despesas com taxas e corretagens somaram R$ 500 e que houve um prejuízo de R$ 2 mil na venda de ações no mês anterior. Vamos calcular o ganho de capital líquido e o valor do imposto de renda que deve ser recolhido via DARF, até o ultimo dia útil de fevereiro.

Ganho de Capital Bruto = ($60.000,00 - $50.000):  $10.000,00
Despesas Diversas: - $ 500,00 
Compensação de perda do período anterior: - $5.000,00
Ganho de capital líguido ($10.000 - 500 - $ 2.000):  $7.500,00  
Imposto de renda devido (15% x $7.500,00) : $1.125,00
Imposto de renda retido na fonte (0,005% s/ $ 60.000): - $3,00
Imposto de renda a recolher ($1.125,00 - $3,00): $1.122,00
 
Acho que o exemplo ajuda a explicar porque não é a fonte a responsável por reter esse tributo como nas demais alternativas de investimento existentes no país. A compra pode ter sido feita por uma corretora e a venda por outra. Eventuais perdas ocorridas em transações no passado podem ser compensadas na apuração do ganho de capital líquido. Sendo assim, o contribuinte é a pessoa mais indicada para controlar, calcular e recolher o imposto de renda neste caso.


Mais duas informações importantes: uma que aumenta o imposto a pagar e outra que isenta você, pessoa física, do pagamento do imposto de renda.

(1) Nas operações de daytrade a alíquota aumenta para 20% e lembre-se de que perdas ocorridas nesse tipo de operações só podem ser compensadas com outra de mesma espécie. Um recado claro de que a Receita Federal não incentiva esse tipo de operação, não é mesmo?


(2) Sempre que o valor da venda for inferior a R$20 mil para o conjunto de ações vendidas a cada mês, o ganho de capital está isento da incidência do imposto de renda. Faça um bom planejamento e tente manter suas operações dentro desse limite. Não deixe de aproveitar esse presentinho do leão para você!

Para mais informações, acesse o site da Receita Federal.

Quem é a colunista: Márcia Dessen.

O que faz: Consultora Financeira.

Pecado Gastronômico: pão francês.

Melhor lugar do mundo: minha casa.

Fale com ela: marcia @bankrisk.com.br ou acesse seu blog






A Expo Money é um evento de Educação Financeira e de Investimentos, totalmente gratuito, voltado para todas as pessoas interessadas em aprender a administrar suas finanças. No mês de outubro o evento estará em Recife (03), Vitória (21 e 22) e Belo Horizonte (28 e 29). Aproveite e inscreva-se!







Atualizado em 6 Set 2011.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Turma da Mônica passa a integrar a grade da TV Cultura a partir de outubro; saiba mais!

Estreia acontece no dia 9 de outubro, junto à novidade 'Mônica Toy'

"São Paulo nas Alturas" estreia na E! Entertainment Brasil em 29 de setembro

Bandas brasileiras tocam no topo de prédios históricos da cidade em novo programa do canal

7 programas da TV aberta que valem a pena

'Profissão Repórter', 'Masterchef' e 'Amor & Sexo' são algumas das opções

Transmissão ao vivo do Rock in Rio 2017 na TV e Internet

Multishow e Rede Globo vão transmitir as principais atrações do festival nos dias 21, 22, 23 e 24 de setembro

Anitta lidera indicações ao 'Meus Prêmios Nick 2017'; confira a lista completa!

Preamiação contece no dia 25 de outubro, com transmissão pela Nickelodeon

Rio de Janeiro: sinal analógico da TV termina no dia 25 de outubro; saiba como fazer a transição para o digital

O Guia da Semana tira todas as suas dúvidas sobre o assunto