Guia da Semana

Dieta sem glúten e lactose funciona para emagrecer?

Substâncias viraram os novos vilões da boa forma

O glúten e a lactose se transformaram nos mais novos vilões do emagrecimento e da boa forma. Celebridades e publicações sobre dieta vêm apontando a exclusão das duas substâncias da alimentação como principal responsável por seus corpos enxutos e abdomes trincados. Juliana Paes, Gisele Bündchen, Lady Gaga, Angélica, Giovanna Antonelli e Miley Cyrus são algumas famosas que afirmaram publicamente ter eliminado glúten e lactose da alimentação para emagrecer.

O glúten é uma proteína vegetal presente no trigo, na aveia, no centeio, na cevada, no malte, e em todos os produtos que utilizam um desses ingredientes em seu preparo, como é o caso de bolos, pães, pizza, bebidas fermentadas como a cerveja. Já a lactose é um tipo de açúcar que está presente no leite e em seus derivados, como iogurte, manteiga, queijo e creme de leite.

Apesar do modismo em torno da dieta sem glúten e lactose, especialistas alertam que abolir as substâncias do cardápio pode não ser uma boa solução para enxugar os quilinhos a mais. "Não há estudos que confirmem benefícios da retirada dessas substâncias por indivíduos que não apresentem sensibilidade ao glúten ou intolerância à lactose. Uma dieta sem glúten não é mais saudável que uma dieta em que há presença de produtos com glúten. O sucesso do emagrecimento vai depender de todo o contexto alimentar. Deve-se, sim, priorizar a variedade na alimentação, a fim de se conseguir ingerir quantidades ideais de todos os nutrientes", orienta Bárbara Rita Cardoso, nutricionista do Conselho Regional de Nutrição 3, que abrange São Paulo e Mato Grosso.

A nutricionista Vivian Goldberger, do blog Cartilha Cor de Rosa, concorda com a colega. "É importante esclarecer que o glúten, isoladamente, não é responsável pelo aumento de peso, e sim o consumo excessivo de alimentos que o contenham, como é o caso de pães, biscoitos, pizzas e bolos. Quem emagrece retirando o glúten da alimentação não está emagrecendo pela exclusão dessa proteína, mas sim porque o consumo de calorias está menor". 

A especialista também faz um alerta sobre a exclusão da lactose do cardápio com o objetivo de emagrecer. "Ao restringir o consumo do leite e seus derivados da alimentação, pode-se diminuir as concentrações de cálcio no organismo, o que é prejudicial à saúde. O cálcio é o responsável pela composição dos ossos e dentes, além de estar relacionado à manutenção de várias funções importantes do organismo".

Alergia e intolerância

Para além da dieta da moda, porém, há pessoas que de fato se beneficiam da exclusão do glúten e da lactose da alimentação: quem tem alergia ou intolerância a essas substâncias.

"A sensibilidade ao glúten pode ser dividida em celíaca e não celíaca. A identificação das duas formas requer a realização de alguns exames. A biópsia intestinal é feita para diagnóstico de doença celíaca. Já o diagnóstico de sensibilidade ao glúten não celíaca é realizado por exclusão, ou seja, quando a biópsia é negativa, mas há melhora de sintomas pelo paciente quando realiza uma dieta sem glúten", esclarece Bárbara Rita Cardoso.

A nutricionista explica que os sintomas mais comuns da doença celíaca e intolerância ao glúten são dor abdominal, flatulência e diarreia ou constipação. "Porém, sintomas extra-intestinais também podem surgir, sendo os mais comuns fadiga, erupções cutâneas, dor de cabeça, dificuldade de concentração, depressão e dores articulares", completa. 

Os celíacos e intolerantes ao glúten precisam retirar o glúten de sua alimentação e substitui-lo por alimentos sem essa proteína. Produtos à base de arroz (farinha de arroz), milho (farinha de milho, fubá e amido de milho), batata (fécula de batata) e mandioca (farinha de mandioca, polvilho azedo, polvilho doce) são excelentes substitutos para os derivados do trigo.  

Já a intolerância à lactose é um problema digestivo, que deve ser diagnosticado pelo Teste de Tolerância à Lactose. "Os sintomas clássicos incluem distensão abdominal, flatulência, cólicas intestinais e diarreia", observa Bárbara Rita Cardoso. "Acredita-se que, em pessoas com intolerância, a lactose é capaz de provocar um processo inflamatório no organismo por meio do açúcar (lactose) e as proteínas (caseína) do leite. Nesse caso, a ingestão dessas substâncias, pode favorecer o ganho de peso", explica Vivian Goldberger.

Os intolerantes à lactose devem susbtituir o leite e seus derivados por produtos oriundos da soja. Em alguns casos, também é indicada a suplementação de cálcio por meio de medicamentos.

"Em pessoas que não têm qualquer tipo de alergia ou intolerância à lactose e ao glúten, a ingestão dessas substâncias não causará dano algum ao organismo, pois elas serão digeridas e absorvidas normalmente", esclarece Bárbara Rita Cardoso. Portanto, fica o alerta: para emagrecer de forma saudável e duradoura, o melhor caminho é aliar dieta equilibrada à prática regular de exercícios físicos. 

Atualizado em 23 Fev 2015.

Por Conceição Gama
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

13 ideias de marmita fit para levar no trabalho

Tem receita de gnocchi, risoto, crepioca e muito mais!

Inverno saudável: receitas incríveis para quem ama massa e está de dieta

5 exercícios com bola que vão deixar sua barriga chapada (e que você pode fazer em casa)

Primeiro studio só de corrida chega a São Paulo

A academia conta com esteiras Star Trac

Terceira idade: 7 exercícios físicos indicados para os idosos

Cardiologista do HCor aponta os benefícios da atividade física para os idosos

8 sobremesas quentes e saudáveis para comer sem culpa nos dias frios do inverno

Panqueca, maça assada e suflê de chocolate estão na lista!