Guia da Semana

“300: a Ascensão do Império”: chuva de testosterona em 3D

Sequência de “300” abusa de efeitos visuais e câmera lenta, mas oferece aventura rasa e previsível

Em 2006, Zack Snyder mostrou ao cinema como o visual saturado das graphic novels poderia ser lucrativo e lançou tendência com "300". De uma hora para a outra, toda conversa que envolvesse cinema passaria a incluir uma opinião sobre a “fotografia” do filme, com a propriedade de um júri técnico. Oito anos depois, é claro, a moda passou – mas há quem ainda tente conquistar o espectador apenas pelos olhos.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Conheça o teste de Bechdel, que mede a participação feminina nos filmes
+ Saiba quais são as estreias imperdíveis de março nos cinemas

Noam Murro substituiu Snyder na direção de “300: a Ascensão do Império”, que chega aos cinemas no dia 7 de março. A cópia chega em sessões 3D que abusam do efeito “sangue nos óculos” e sequências em câmera lenta que farão bocejar o mais forte dos guerreiros – como se Murro quisesse mostrar todos os detalhes de seu trabalho.

Baseada, também, nos quadrinhos de Frank Miller, a sequência faz referências ao antecessor, com cenas de Leônidas (Gerard Butler) e de seu exército espartano, mas se passa do outro lado da península. Agora, é o comandante ateniense Themistokles (Sullivan Stapleton) que reúne seus soldados - esses, meros fazendeiros democráticos - contra os navios de Xerxes.

A situação é semelhante: em desvantagem, o general tenta ganhar tempo com estratégias criativas, mas não tem número suficiente para vencer - a não ser que o exército de Esparta se junte a ele.

Do outro lado, quem comanda a marinha persa é Artemísia (Eva Green), uma guerreira que ajudou Xerxes a se tornar “deus-rei” apenas para ganhar sua vingança contra a Grécia. Rodrigo Santoro volta a vestir os (poucos) adornos de Xerxes e, mais uma vez, tem uma participação quase sem falas. O verdadeiro vilão é Artemísia.

Com um homem de um lado e uma mulher do outro, o desenvolvimento da guerra é bastante previsível e beira o absurdo. O que deveria ser uma luta de territórios torna-se uma mera briga de egos – com milhares caindo aos mares antes que seus comandantes se deem por vencidos.

É normal que um filme de guerra privilegie certos valores ligados à virilidade: aqui, a relação entre pai e filho é a mais forte, e é simbólico que o primeiro a cair seja sempre o pai – assim se mantém vivo o sonho da vida eterna por meio da morte gloriosa. Isso deve soar épico o suficiente para atrair rios de adolescentes às sessões de sexta-feira à noite.

Há quem se iluda pensando que a presença de uma antagonista feminina faça do filme um centésimo menos musculoso e suado. O que Eva Green faz, na verdade, é um desserviço às mulheres: mesmo com um exército de dez mil sob seu comando, apela à sexualidade como arma (como ela mesma fez em “Sombras da Noite”, de Tim Burton) e delega a outros homens a missão de comandar seus navios na guerra.

É curioso pensar que os roteiristas tentaram justificar suas ações com um passado traumático. O histórico desta vilã, afinal, é quase idêntico ao do herói de “Pompeia”, que estreou há poucas semanas nos cinemas.

No caso dela, a vingança deixa de ser heroica porque seu inimigo é a Grécia – região que aprendemos a gostar graças a Leônidas, mas não a Themistokles, um líder egocêntrico e sem laços. Torcemos, na verdade, pelo fantasma espartano e por sua viúva (Lena Headey), única esperança real de todo aquele povo.

No fim, são os bravos 300, mortos desde 2006, que nos fazem resistir na cadeira até o final do filme. Quanto à “Ascensão do Império”, em si, seria melhor se nunca tivesse existido.

Assista se você:

- Gostou (muito) de “300
- Gosta de filmes de guerra
- Gosta de efeitos visuais em 3D e câmera lenta

Não assista se você:

- Não gosta de filmes de guerra
- Não gosta de efeitos visuais excessivos
- Procura um filme que passe no teste de Bechdel

Atualizado em 9 Mar 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.