Guia da Semana

"Alabama Monroe" mistura história de amor com tragédias, política e religião

Longa belga concorre ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro

Didier e Elise se apaixonam intensamente e têm uma filha, Maybelle. Aos seis anos de idade, ela descobre um câncer. É exatamente desse ponto que parte o belga The Broken Circle Breakdown – rebatizado de Alabama Monroe em alguns países e que chega ao Brasil nesta sexta-feira. O filme parte de um drama familiar profundo para mirar outros temas como o imperialismo cultural americano e o ateísmo.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Conheça os indicados ao Oscar 2014
+ Veja outras estreias de filmes indicados ao Oscar 

Quase nos esquecemos de que a história se passa na Bélgica, e não nos Estados Unidos, tamanha a adoração ao vizinho anglófono: os protagonistas são um cowboy que canta em inglês e sonha em viver na “América” e uma tatuadora de estilo pin-up.

Aos poucos, descobrimos que Elise também sabe cantar. Ela vai conquistando espaço na banda do futuro marido até ocupar o microfone central. Essa aproximação cria uma família ampliada para a pequena Maybelle, enquanto aumenta ainda mais a devoção de Didier e a (aparente) independência da esposa.

Essa relação desequilibrada se mantém durante todo o drama, deixando indícios de que aquela vida conjugal jamais poderá ser feliz. Logo percebemos também o conflito entre a religiosidade dela e o ateísmo dele – tão radical que nem se permite inventar fantasias para tranquilizar sua filha pequena.

As convicções de Didier são seus pilares – por isso, quando ouve que o governo americano boicotara pesquisas científicas em nome de valores cristãos, seu equilíbrio se desfaz e explode a intolerância religiosa.

Para contar essa história de paixão e tragédia, os roteiristas optaram por uma narrativa nem um pouco linear. Saltamos do clímax para o início do romance, de volta para o hospital e de volta para algum momento da vida a dois, depois a três, entre a felicidade (um tanto exagerada) e a crise (idem); entre os sorrisos da criança e as lágrimas histéricas de seus pais.

A presença de questões políticas e religiosas mostra uma tentativa quase desesperada do diretor Felix Van Groeningene trazer algo novo ao clichê da criança enferma – tentativa essa que soa deslocada e funcionaria melhor em filmes separados.

A verdade é que o que sustenta Alabama Monroe são as canções e a pequena Nell Cattrysse, atriz que vive a sempre sorridente Maybelle e que emocionará até os espectadores mais durões. Quanto a Elise (Veerle Baetens) e Didier (Johan Heldenbergh), sua história de amor não empolga e poderia ter ficado em segundo plano.

Assista se você:

- Gosta de filmes com histórias tristes

- Quer ver uma boa atriz mirim

- Gosta de música country estilo “bluegrass”

Não assista se você:

- Quer ver um filme alto astral

- Não quer ver cenas de uma criança doente

- Procura um filme romântico 

Atualizado em 17 Jan 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Primeiro trailer de "Planeta dos Macacos: A Guerra" é divulgado; assista

Terceiro longa da franquia estreia em julho de 2017

Primeiro trailer de "Homem Aranha: De Volta ao Lar" é divulgado; assista

Filme chega aos cinemas brasileiros em julho de 2017

Série baseada em “Evil Dead”ganha maratona gratuita em SP

Cine Phenomena exibe primeira temporada de “Ash vs Evil Dead” em dezembro

10 Motivos para ver a animação “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”

Filme chega aos cinemas no dia 22 de dezembro

“Pets” tem sessão gratuita para incentivar a adoção de animais

Cine Matilha exibe a animação em sessão aberta para cães e seus donos

7 Fatos sobre “Fallen” que você precisa saber antes de ir aos cinemas

Adaptação do primeiro livro da saga adolescente estreia no dia 8 de dezembro