Guia da Semana

"Alabama Monroe" mistura história de amor com tragédias, política e religião

Longa belga concorre ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro

Didier e Elise se apaixonam intensamente e têm uma filha, Maybelle. Aos seis anos de idade, ela descobre um câncer. É exatamente desse ponto que parte o belga The Broken Circle Breakdown – rebatizado de Alabama Monroe em alguns países e que chega ao Brasil nesta sexta-feira. O filme parte de um drama familiar profundo para mirar outros temas como o imperialismo cultural americano e o ateísmo.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Conheça os indicados ao Oscar 2014
+ Veja outras estreias de filmes indicados ao Oscar 

Quase nos esquecemos de que a história se passa na Bélgica, e não nos Estados Unidos, tamanha a adoração ao vizinho anglófono: os protagonistas são um cowboy que canta em inglês e sonha em viver na “América” e uma tatuadora de estilo pin-up.

Aos poucos, descobrimos que Elise também sabe cantar. Ela vai conquistando espaço na banda do futuro marido até ocupar o microfone central. Essa aproximação cria uma família ampliada para a pequena Maybelle, enquanto aumenta ainda mais a devoção de Didier e a (aparente) independência da esposa.

Essa relação desequilibrada se mantém durante todo o drama, deixando indícios de que aquela vida conjugal jamais poderá ser feliz. Logo percebemos também o conflito entre a religiosidade dela e o ateísmo dele – tão radical que nem se permite inventar fantasias para tranquilizar sua filha pequena.

As convicções de Didier são seus pilares – por isso, quando ouve que o governo americano boicotara pesquisas científicas em nome de valores cristãos, seu equilíbrio se desfaz e explode a intolerância religiosa.

Para contar essa história de paixão e tragédia, os roteiristas optaram por uma narrativa nem um pouco linear. Saltamos do clímax para o início do romance, de volta para o hospital e de volta para algum momento da vida a dois, depois a três, entre a felicidade (um tanto exagerada) e a crise (idem); entre os sorrisos da criança e as lágrimas histéricas de seus pais.

A presença de questões políticas e religiosas mostra uma tentativa quase desesperada do diretor Felix Van Groeningene trazer algo novo ao clichê da criança enferma – tentativa essa que soa deslocada e funcionaria melhor em filmes separados.

A verdade é que o que sustenta Alabama Monroe são as canções e a pequena Nell Cattrysse, atriz que vive a sempre sorridente Maybelle e que emocionará até os espectadores mais durões. Quanto a Elise (Veerle Baetens) e Didier (Johan Heldenbergh), sua história de amor não empolga e poderia ter ficado em segundo plano.

Assista se você:

- Gosta de filmes com histórias tristes

- Quer ver uma boa atriz mirim

- Gosta de música country estilo “bluegrass”

Não assista se você:

- Quer ver um filme alto astral

- Não quer ver cenas de uma criança doente

- Procura um filme romântico 

Atualizado em 17 Jan 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Novo trailer de "Homem-Aranha: De Volta ao Lar" mostra cena estrelada pelos Vingadores

Nova fase do herói nas telonas estreia no dia 6 de julho

Warner divulga primeiras fotos do novo "Tomb Raider" - confira!

Filme estreia em março de 2018

10 Suspenses psicológicos para quem gostou de “Fragmentado”

Conheça outros filmes surpreendentes sobre transtornos mentais e identidades múltiplas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril