Guia da Semana

Apesar do visual bem feito, “Cinderela” não justifica o remake

Filme repete a história narrada na animação de 1950, sem trazer novas perspectivas

Quando um estúdio anuncia um remake, a primeira questão que vem à mente é “por que essa história precisa ser contada novamente?”. Às vezes, a primeira versão não explorou todas as possibilidades do material original e ainda há espaço para novos pontos de vista. Pode ser, ainda, que o filme anterior tenha deixado a desejar na execução, desperdiçando uma boa ideia. Pensando nisso, o que justifica o novo “Cinderela”, que a Walt Disney traz aos cinemas no próximo dia 26?

A resposta é, provavelmente, nada. Com exceção do fato de ser encenado com atores, o filme que estreia em 2015 não propõe nenhuma novidade em relação ao clássico de 1950. Pelo menos, nenhuma novidade positiva: o longa de Kenneth Branagh abre mão do humor e da ludicidade que sustentavam a animação (pense nos ratinhos cantores) para investir numa quantidade quase insuportável de água e açúcar.

O visual, como era de se esperar, é irretocável. O fotógrafo Haris Zambarloukos, a figurinista Sandy Powell e o designer de produção Dante Ferretti cumprem a missão de transformar a tela branca num reino maravilhoso, gloriosamente iluminado e digno dos sonhos de qualquer Cinderela. Há que se questionar o famoso vestido azul do baile, ornamentado com borboletinhas e tule, mas, em geral, as centenas de metros de tecido se justificam e fazem a diferença.

Lily James interpreta Ella, uma jovem que perde o pai e é feita de empregada pela madrasta (Cate Blanchett, arrepiante), até encontrar um príncipe (Richard Madden) que se encanta com sua bondade. Com a ajuda da fada madrinha (Helena Bonham Carter, carismática como sempre), ela consegue ir ao baile real e dançar com ele, mas sai às pressas, deixando para trás apenas um sapatinho de cristal.

Exatamente como no filme de 1950. O remake não busca influência no conto escrito por Charles Perrault (que inclui alguns detalhes bastante sórdidos), mas apenas refaz a adaptação animada, talvez na tentativa de atrair um novo público. Que público seria esse, porém, é uma questão difícil de responder, já que o longa não dá espaço suficiente para que as crianças se divirtam com os ratinhos e com o gato Lúcifer, nem endossa discursos que ganharam força nas últimas décadas, como a igualdade entre gêneros e etnias (um coadjuvante não conta) ou o combate à magreza excessiva (o que é aquela cintura, gente?).

Além de antiquado, “Cinderela” também soa vazio, elegendo a frase “seja corajoso e gentil” como uma espécie de mantra que se contradiz pela própria protagonista. Cinderela não tem coragem para enfrentar a madrasta e, se em algum momento consegue o que quer, é graças à fada madrinha ou aos animais, não à sua coragem e gentileza. Repetida à exaustão, a lição de moral perde a força e o sentido – coisas que parecem faltar ao filme como um todo.

Para quem for conferir a novidade nos cinemas, a boa notícia é que o longa vem acompanhado de um curta-metragem com a turma de Frozen chamado “Febre Congelante”. Nele, Elsa tem um resfriado que coloca em risco todos os preparativos para a festa de aniversário de Anna. O curta tem um longo número musical e traz de volta os simpáticos Olaf, Sven e Kristoff. Pelo menos, um prêmio de consolação (dos mais fraquinhos).

Atualizado em 27 Mar 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

7 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em maio

"Corra!" e "Alien: Covenant" chegam aos cinemas neste mês

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas