Guia da Semana

Crítica: “Homem Irracional” diverte, mas não está entre os melhores de Woody Allen

Filme estreia no dia 27 de agosto nos cinemas

Woody Allen é um cineasta incansável. Todos os anos, infalivelmente, ele lança pelo menos um filme – e, quase sempre, é algo acima da média. É claro que tanta quantidade faz com que nem todos os seus trabalhos sejam obras memoráveis, mas há uma graça e uma inteligência que se mantêm em toda a sua filmografia. “Homem Irracional” é um desses casos: certamente, não está entre os seus melhores, mas ainda assim é um filme engraçado e envolvente que você vai querer assistir num domingo à tarde.

O longa acompanha Abe (Joaquin Phoenix), um professor de filosofia que faz muito sucesso com os alunos, com seu jeito desleixado e sua postura contestadora em relação aos outros pensadores. Pessoalmente, porém, ele é um desastre: bebe muito, não quer se envolver com ninguém e acha suicídio uma ideia romântica e atraente.

As coisas começam a mudar quando Abe conhece a estudante Jill (Emma Stone). Não porque ele se apaixona, nem porque ela tenta lhe fazer ver o lado bom da vida, mas por um acaso: é quando está com ela que ele toma uma decisão transformadora, após ouvir uma conversa de estranhos.

Essa decisão vai tornar sua vida mais completa e suas relações (tanto com Jill quanto com outra professora) mais leves, mas também vai ser o início de uma longa queda. Afinal, é uma decisão moralmente questionável e nada racional.

O humor de “Homem Irracional” está no fato de que o filme pega um personagem pensativo e passivo e o transforma num sujeito de ação, criando uma comédia que contrapõe ideias e atitudes de forma surpreendente.

Há, porém, dois pontos fracos na obra. Um é a falta de desenvolvimento dessas mesmas ideias – ouvimos o professor tagarelar na sala de aula e nos corredores, mas não conseguimos encontrar uma linha clara de raciocínio. Ele nos parece, mais, um homem pessimista e incrédulo do que um teórico de fato. O segundo ponto é o ritmo: em determinado momento, o público se cansa da personalidade depressiva de Abe e da paixonite de Jill e começa a se perguntar aonde tudo aquilo irá chegar. Por que, afinal, devemos nos interessar por aqueles personagens?

Felizmente, as dúvidas são sanadas no terceiro ato, quando a reflexão dá lugar à ação e nossa curiosidade é fisgada de volta. No fim, o absurdo dos últimos minutos oferece um fechamento melhor do que a maior parte do filme e compensa a aparente banalidade da história.

Para fãs de Woody Allen, “Homem Irracional” será mais uma oportunidade de ouvir ótimos diálogos e contemplar personagens inteligentes, com algo provocativo a dizer. Para outros públicos, entretanto, o filme pode não convencer e, provavelmente, será esquecido com facilidade entre outros de seus tantos ensaios sobre o ser humano. 

Atualizado em 25 Ago 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

J.K. Rowling desmente boato sobre filme de "Harry Potter e a Criança Amaldiçoada"

"Não há verdade nos rumores sobre a trilogia", disse a escritora no Twitter

Após vídeo de supostos maus-tratos, pré-estreia de "Quatro Vidas de Um Cachorro" é cancelada

Universal Pictures divulgou comunicado oficial informando o cancelamento

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rede Cinesystem inaugura seu primeiro cinema em São Paulo

Com nove salas e projeção a laser, cinema promete ser o mais moderno da cidade

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.