Guia da Semana

“Dois Dias, Uma Noite” escancara o individualismo nas relações profissionais

Marion Cotillard concorre ao Oscar pelo papel no longa francês

Você abriria mão de um bônus de mil euros (veja bem: euros) para que sua colega de trabalho – aquela, com quem você nem tem tanta intimidade – pudesse manter o emprego? É esse dilema ético que move “Dois Dias, Uma Noite”, drama dirigido pelos irmãos Dardenne com Marion Cotillard, que concorre ao Oscar de Melhor Atriz.

O filme, é claro, defende o altruísmo e pinta os colegas que preferem o bônus como os vilões egocêntricos, mas há um pouco mais do que certo-e-errado em jogo ali. A personagem de Marion, Sandra, acabou de se recuperar de uma depressão e, pelo que se vê, ainda não se recuperou totalmente. Será que ela está mesmo pronta para trabalhar? Para piorar, ela tem dois filhos e um marido, que, apesar do apoio incondicional, sabe que a relação já teve momentos melhores. 

“Dois Dias, Uma Noite” leva esse nome porque é exatamente esse tempo (um fim de semana) que Sandra tem para convencer mais da metade dos colegas a desistirem do bônus. Para isso, ela precisa encarar um por um, expor sua situação e ouvir o que vier – sejam promessas, desculpas ou ameaças.

Alguns casos soam bastante artificiais. Quem iria admitir que prefere reformar a casa a salvar o emprego de outra pessoa? Ninguém gosta de se perceber egoísta, mesmo que todos sejam em alguma medida. Mais provável seria que esses se revelassem na discrição do voto.

A atriz dá intensidade ao filme, percorrendo esse caminho árido sem trilha sonora e quase sem maquiagem. Sua personagem, mais do que uma trabalhadora, é uma mulher insegura, que precisa dessa jornada para se descobrir relevante num meio em que todos são exatamente iguais, dispensáveis como peças repetidas (e justamente por isso competitivos e desconfiados).

“Dois Dias, Uma Noite” passa rapidamente por temas como a violência doméstica e a crise econômica, mas sempre se volta para a questão básica: até que ponto conseguimos nos colocar na posição do outro?

O filme estreia no dia 5 de janeiro nos cinemas.

Atualizado em 4 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018

A Bela e A Fera, antes e depois: comparamos o filme de 2017 com o clássico de 1991

Produções são quase idênticas na trama, mas detalhes fazem a diferença