Guia da Semana

Elenco e diretor falam sobre 'Praia do Futuro'

'É um filme masculino e delicado', descreve Karim Aïnouz

Três homens guiam uma jornada em busca de identidade e pertencimento em Praia do Futuro. Dois se envolvem romanticamente, mas nem por isso fazem do filme de Karim Aïnouz  um pingo mais feminino. Tampouco bruto: como explicaria o diretor, este “é um filme masculino e delicado”.

Wagner Moura e Clemens Schick (alemão, como a cidade que ambienta dois terços do filme) formam um casal cheio de testosterona, conflitos internos e silêncio. “É difícil fazer um filme com tanto silêncio hoje em dia”, analisa Wagner, chamando a atenção para o trabalho gestual e para a intimidade conquistada entre os atores durante a preparação. “Chegou uma hora em que conseguíamos nos comunicar apenas pelo olhar”, lembra Jesuíta Barbosa, o mais jovem do trio.

O personagem central da trama é Donato, vivido por Wagner: um salva-vidas que perde um banhista e se envolve com o amigo da vítima (Clemens). Ele vai morar em Berlim, deixando para trás o irmão mais novo que o vê como herói. Esse irmão (Jesuíta) cresce, se desfaz das ilusões e vai atrás do verdadeiro Donato, talvez para trazê-lo de volta a uma parte da realidade da qual ele fugira.

É difícil não se lembrar da história pessoal do diretor diante de tal roteiro: Karim deixou a casa dos pais “muito cedo”, como ele mesmo diz, e, entre tantos lugares, foi morar em Berlim. “Há coisas que escorregam e acabam se expressando nos filmes, mas não é necessariamente autobiográfico... Pode ser, não sei, é bonito não entender tudo”, esquiva-se.

Estrangeiro lá como aqui, Karim quis passar à tela um pouco de sua experiência com contrastes, do calor escaldante da Praia do Futuro ao frio desolador de uma praia sem mar. “E o que é terra estrangeira?”, questiona, afinal.

Para o elenco, porém, a distância foi palpável. “Soube desde o início que não aprenderia a falar alemão”, admitiu Wagner, entre risos. Jesuíta se deu melhor com a língua estrangeira, mas Clemens (apesar de se sair muito bem com as longas falas em português) conta que teve dificuldade para reagir corretamente aos colegas quando não sabia o que diziam, ou para expressar o sentimento certo com palavras que mal conhecia.

A homossexualidade dos personagens, que protagonizam cenas de sexo e aparecem nus em diversos momentos, poderá chocar o público brasileiro, mas não incomodou os atores. “O Brasil é um país conservador e esse tipo de preocupação é muito preconceituosa”, disparou Wagner durante a coletiva de imprensa. Para ele, a opção sexual do personagem não deveria ser uma questão, mas sim mais uma das características que o formam, como em qualquer outro papel.

Clemens foi menos radical e afirmou que considera o filme idealista, dentro de um mundo que ainda não vê uma relação entre homens como normal. Como afirmara o diretor, quando perguntado sobre os festivais em outros países, “o contato com a diferença produz tolerância”. Será que ele estava falando de nacionalidades?

Atualizado em 9 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de “Fragmentado” revela que o filme será parte de uma trilogia; confira a entrevista completa

M. Night Shyamalan veio ao Brasil divulgar o suspense que estreia no dia 23 de março

Robert Downey Jr. será "Doutor Dolittle" em novo filme do personagem

"The Voyage of Doctor Dolittle" ainda não tem data de estreia

Novo “Power Rangers” equilibra nostalgia e modernidade e foca no público adolescente

Filme aposta no desenvolvimento dos personagens e trabalha a diversidade

"A Bela e a Fera" é a maior estreia do ano - e a sétima da história dos EUA!

Filme estreou na última quinta-feira soma faturamento de US$ 350 mi ao redor do mundo

“T2 Trainspotting” – como o original, sequência também é um espelho do seu tempo

Longa se passa 20 anos depois do clássico e traz de volta o mesmo elenco

"Viva - a Vida é uma Festa", nova animação da Pixar, ganha primeiro trailer

Com dublagem de Gael García Bernal, filme estreia em janeiro de 2018