Guia da Semana

“Era Uma Vez em Nova York” questiona a moralidade em tempos de cabaré

Marion Cotillard, Joaquin Phoenix e Jeremy Renner protagonizam drama de época

Ewa Cybulska (Marion Cotillard) é uma mulher solteira polonesa – isso, por si só, conspira contra ela naquele início de século XX. Depois de ver seus pais mortos durante a guerra polaco-soviética, ela e a irmã Magda embarcam num navio rumo a Nova York, onde, acreditam, seus parentes esperam por elas.

O destino de Ewa em "Era Uma Vez em Nova York", drama de época de James Gray, não poderia ser mais previsivelmente desastroso: separada da irmã e quase deportada por “moral duvidosa”, o primeiro aliado que faz é um cafetão (Joaquin Phoenix, que já trabalhara com Gray em “Os Donos da Noite” e “Amantes”).

Obrigada a pagar o “tratamento” de Magda até o fim da quarentena (pois suspeitam de tuberculose), a imigrante não demora a se encaixar no esquema de seu novo chefe – tornando-se uma das garotas mais requisitadas de Bruno (Phoenix).

A personagem de Cotillard é tudo o que se espera da atriz: seus olhos têm um ar desconfiado e ao mesmo tempo superior, atento a qualquer deslize de seus adversários. O espectador pode se deixar enganar por sua inocência inicial, mas logo fica claro que Ewa tem seus próprios objetivos e que é ela quem manda no jogo.

O filme brinca com a ambiguidade moral de Ewa, assim como de Bruno e de Orlando, o mágico interpretado por Jeremy Renner. Orlando se encanta pela beleza de Ewa, mas sua vontade de salvá-la irrita o cafetão, que tem um histórico de divergências com Orlando e, no fundo, também acredita estar ajudando a moça.

O público nunca saberá qual dos três estava agindo pelas razões certas, nem quais seriam as razões certas no caso de cada um. Por isso, a trama que parecia óbvia e excessivamente melodramática vai se enroscando aos poucos até o ponto em que tudo pode acontecer.

O figurino, a cenografia e a fotografia são um prazer à parte, transportando o espectador para o perigoso e sedutor sub-mundo de cabarés. Já o elenco impressiona, trabalhando nas sutilezas e nos exageros com igual desenvoltura. “Era Uma Vez em Nova York” evolui com os minutos, passada a impressão inicial de mesmisse. A verdade é que há muito mais ali do que uma simples imigrande, um cafetão e um mágico. Basta olhar com atenção.

Assista se você:

  • Gosta de filmes de época
  • Gosta de filmes com atores muito versáteis
  • Quer ver um drama com reviravoltas surpreendentes

Não assista se você

  • Não gosta de filmes de época
  • Não gosta de filmes de drama
  • Procura um filme com mais ação e humor

Atualizado em 11 Set 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor