Guia da Semana

“Eu me vi na atuação dele”, declara Patrick Stewart sobre James McAvoy

Atores falam sobre novo X-Men e sobre os rumos da tolerância no mundo atual

James McAvoy, 35, parece um garotinho ao lado de Patrick Stewart, 74, quando os dois atores se acomodam, lado a lado, na sala da coletiva de imprensa de X-Men: Dias de um Futuro Esquecido em São Paulo. O olhar é de fã e de pupilo.

Os dois interpretam o mesmo personagem na franquia, mas nunca haviam se encontrado em cena até este filme, que vai e volta no tempo. A experiência foi um privilégio e um desafio para o jovem britânico, de sotaque carregado. “Eu sabia para onde estava indo, pois, à medida que o personagem envelhece, ele se aproxima mais da versão de Patrick. Mas estar à altura de Patrick e de Charles é estressante... Você se sente julgado.”, confessa.

Do outro lado, a resposta deve tê-lo tranquilizado: “A admiração é mútua. Fiquei impressionado quando vi o filme, porque eu vi elementos do Xavier que eu conhecia pela performance de James... E eu me vi”, declarou, diante de uma pausa reflexiva. “Preciso parabenizá-lo por isso.”

Os atores falaram, também, sobre o tema central da série: a tolerância às diferenças. Stewart se mostrou otimista e trouxe sua experiência de vida à mesa: “Eu já vivi tempo suficiente para ter visto evolução no mundo como eu nunca esperava ver. Temos paz de certa forma, numa certa parte do mundo, e eu vi o fim do Apartheid. Então, estamos dando passos à frente – às vezes parece que não, mas estamos”.

O ator aproveitou, também, para defender o amigo Ian McKellen (que, nos filmes, interpreta Magneto), que se assumiu gay no final dos anos 80. “Ter visto a coragem e o caráter de Ian, além do apoio da comunidade gay do Reino Unido numa época em que os atores não estavam dando esse passo, é uma das coisas que me dá esperanças na humanidade”, explicou, com toda a segurança do mundo. Bem falado, Patrick.

Outro assunto polêmico levantado foi sobre os filmes de super-heróis. Os dois defenderam X-Men como sendo diferente de outras franquias de ação, mas McAvoy foi mais longe: “Super-heróis correm o risco de alienar a audiência, porque são 'super', e têm superproblemas. Mas quando vamos ao cinema, normalmente queremos ver a nós mesmos", analisa. Os personagens de X-Men, para ele, têm problemas mais humanos, por isso, o público consegue se identificar. 

O personagem dividido pelos atores, é claro, também foi alvo de perguntas e defesas exaltadas. "Ele é um homem que acredita na democracia e no diálogo, ao invés da ação e da violência", ponderou Stewart. "Ele é um líder porque tem empatia, porque consegue se colocar no lugar dos outros", reforçou McAvoy.  

Na coletiva, muita gente sentiu empatia foi pelos os problemas de McAvoy. Quando perguntado sobre o superpoder que gostaria de ter quando criança, o aparentemente extrovertido ator respondeu que adoraria "fazer as pessoas gostarem dele", ter o poder da "confiança" e, finalmente, da "invisibilidade". Mal sabia ele que chegaria tão longe.

Atualizado em 21 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“O Poderoso Chefinho”: animação adorável sobre um bebê “adulto” estreia em março (e vai conquistar seu coração)

Filme explora a relação entre um menino de 7 anos e seu novo irmãozinho

Final do Super Bowl será transmitida ao vivo nos cinemas

Evento acontece no dia 5 de fevereiro e terá show de Lady Gaga no intervalo

Kim Kardashian e Kendall Jenner estão confirmadas no remake de "Onze Homens e Um Segredo"

Filme de 2001 ganhará adaptação com elenco 100% feminino

Emma Watson recusou papel de Cinderela antes de "A Bela e a Fera"

"Simplesmente senti que a personagem ressoou muto mais comigo", explicou a atriz

Críticos brasileiros elegem "Aquarius" e "Elle" como os melhores filmes de 2016

Abraccine também escolheu "Estado Itinerante" na categoria curta-metragem

"Minha Mãe é uma Peça 2" é o terceiro filme nacional mais assistido desde 2002

Comédia estrelada por Paulo Gustavo estreou em dezembro e segue em cartaz