Guia da Semana

“Festa no Céu” mostra o o mundo dos mortos como um lugar colorido e divertido

Filme produzido por Guillermo Del Toro se inspira no Dia dos Mortos mexicano

Uma das fraquezas do cinema infantil (e juvenil) nos dias de hoje é que quase não se fala mais de morte. É comum que personagens importantes morram, mas é ainda mais frequente que ressuscitem,  ou que jamais tenham “morrido de verdade” e possam reaparecer a qualquer momento. Isso dá certa tranquilidade ao público, mas torna a relação com a morte artificial e distante. Num panorama desses, uma animação como “Festa no Céu”, que explora justamente as tradições do Dia dos Mortos mexicano, é mais do que bem vinda.

Bem vinda não apenas pelo tema funesto, mas por trazer uma postura diferente em relação a alguns clichês: o centro do mundo, neste filme, é o México, não os Estados Unidos; a Morte não é vilã, mas uma personagem sábia e amada; o mocinho é um toureiro que não quer machucar os animais. Valoriza-se a música, a amizade, a educação, mas jamais a violência, e nem mesmo os arqui-rivais deixam que o amor pela mesma moça diminua sua amizade.

O visual de “Festa no Céu” também é bastante original, com cores vibrantes, estampas chamativas e a textura das peles dos personagens lembrando madeira. Apesar disso, você já pode ter visto traços semelhantes na TV: o diretor, Jorge R. Gutierrez, trabalhou no design de “El Tigre” e “Mucha Lucha”, desenhos exibidos no Brasil pela Nickelodeon e pelo Cartoon Network.

A história de “Festa no Céu”, narrada por uma guia a um grupo de crianças num museu, é bastante romântica. Tudo começa no Dia dos Mortos, quando os vivos podem ficar perto de seus entes perdidos (mesmo que não os vejam). Ali, a guardiã do mundo dos Lembrados, La Muerte, e o guardião do mundo dos Esquecidos, Xibalba, observam um jovem triângulo amoroso e fazem uma aposta: se Manolo casar-se com Maria, Xibalba não interferirá mais no mundo dos vivos; se Joaquim conquistá-la, Xibalba governará o mundo dos Lembrados.

Manolo é filho de um grande toureiro, mas sonha mesmo é em ser músico. Joaquim é filho de um soldado e quer seguir os passos do pai. Já Maria vai estudar na Espanha, sob ordem dos seus pais.

Quando ela retorna (com conhecimentos aprofundados em feminismo, esgrima e kung fu), Manolo é quem balança seu coração, mas a ameaça de um saqueador faz seu pai pedir que ela escolha Joaquim. Antes que ela se decida, a picada de uma cobra muda os rumos da história.

Esse evento irá abrir caminhos entre os três mundos e colocar desafios diante de Manolo e de Joaquin. Para quem vinha gostando da postura independente da mocinha, porém, alguns dos eventos seguintes podem cair como água gelada: um deles é a proposta do casamento como união estratégica e o outro, a cena clássica king-kongueana da garota em perigo.

A história, apesar dos deslizes, é bastante instigante e carrega boas mensagens sobre amor, amizade e família. Entretanto, é certo que o público gostaria de ver um pouco mais dos outros mundos. Passa-se rapidamente pelo paraíso dos Lembrados – um cenário estonteante – e a visita aos Esquecidos é ainda mais curta. Por que não explorar mais esses universos tão mais interessantes?

Incomoda, ainda, a escolha da trilha musical. No início, uma das canções é falada em inglês, o que soa como uma falha considerando que todas as outras estão em português. Entre essas outras, algumas são sucessos internacionais (como Creep e Can’t Help Falling In Love) adaptados para o violão mexicano, o que não se justifica de forma alguma num filme que exalta a cultura latina.

“Festa no Céu” pode não ser, por esses motivos, uma obra completa, mas é um filme cativante e passional, com personagens fortes e universos novos que convidam à exploração. Pensando isso, é provável que voltemos a encontrar La Muerte e Xibalba em trabalhos futuros. Aguardaremos ansiosamente.

Assista se você:

  • Gosta de animações caprichadas e coloridas
  • Quer levar seu filho para ver um filme inteligente e divertido
  • Quer conhecer um pouco mais da cultura mexicana

Não assista se você:

  • Não gosta de animações
  • Não gosta de filmes infantis, com desfechos previsíveis
  • Não quer ver uma história romântica

Atualizado em 8 Out 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor

História do palhaço Bozo será contada nos cinemas; assista ao trailer de "Bingo: O Rei das Manhãs"

Elenco terá Vladimir Brichta, Leandra Leal e Pedro Bial

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP