Guia da Semana

Filme compara militância dos anos 60 à dos jovens de hoje

Em A Memória Que Me Contam, ex-militantes de esquerda revisam seus ideais diante da morte de uma companheira

O conflito da esquerda com seus métodos de luta, válidos em outros tempos, mas falidos agora, é o que move o novo filme de Lucia Murat, A Memória Que Me Contam. O longa resgata questões políticas mal-resolvidas numa homenagem a uma personagem real (Vera Silvia Magalhães), mas arrisca se tornar cansativo pelo mesmo motivo que o faz diferente: trocar o que poderia ser uma narrativa focada em conflitos familiares por uma sequência de retratos estáticos de personagens e ideias.

+ Confira os horários para assistir à mostra Alain Resnais no Cinusp
+ Saiba quais são os filmes imperdíveis que estreiam em junho
+ Leia a crítica de Faroeste Caboclo

Ana (interpretada por Simone Spoladore) foi a mais radical de um grupo de amigos militantes nos anos 60. Presa e torturada como tantos outros, ela parece ter guardado mais a dor, que se refletiu depois numa mente desequilibrada e uma saúde instável. Hoje, ela está à beira da morte numa cama de hospital. À sua volta, reúnem-se os antigos companheiros e seus filhos, novos revolucionários à sua maneira.

As dúvidas começam a aparecer quando Paolo, um dos amigos, é extraditado à Itália para ser julgado por seus crimes de guerrilha – crimes que, ironicamente, todos ali cometeram e hoje fingem condenar. Ana, em sua figura jovem, ouve suas indagações como se estivesse ali, e às vezes dialoga com os personagens na tentativa de trazer as certezas da militância de volta aos companheiros já envelhecidos. Suas reações, ao que parece, é que determinarão se Ana voltará a lutar ou desistirá da vida. A atriz Irene Ravache interpreta a melhor amiga de Ana, Irene, mesma personagem do longa Que Bom Te Ver Viva de 1989.

Enquanto a geração dos pais tenta se eximir da culpa por ter falhado, ou por ter lutado, os filhos de vinte-e-poucos anos assumem pequenas atitudes pessoais libertadoras, como levar a arte a comunidades pobres ou resgatar, na ponta do lápis, uma história prestes a ser apagada.  Acusados de não terem ideais, esses jovens carregam outra bandeira: a de que a revolução deve acontecer de dentro para fora. Reforçando essa postura liberal-individualista do jovem contemporâneo está o casal homossexual formado por Eduardo (Miguel Thirré) e Gabriel (Patrick Sampaio), que protagoniza uma cena de amor apaixonada, dirigida com delicadeza suficiente para provocar o espectador sem soar apelativa.

A Memória Que Me Contam estreia no dia 14 de junho em todo o país.

Atualizado em 17 Jun 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres