Guia da Semana

“Frozen” recupera tradição de clássicos da Disney

Animação inspirada em conto infantil traz duas princesas e lição de amor fraterno

A nova animação da Disney, “Frozen – Uma Aventura Congelante”, tem quase todos os ingredientes para se tornar um clássico. O filme, afinal, reconta uma antiga história infantil escrita por Hans Christian Andersen (“pai” dos contos de fadas ao lado dos irmãos Grimm); traz lições de amor fraterno; tem princesas marcantes (duas delas!), além de um reino com moradores cativantes e uma tragédia familiar de arrancar lágrimas de muitos marmanjos.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Conheça a história das animações Walt Disney

+ Relembre os melhores filmes infantis de 2013
+ Saiba quais são os principais lançamentos de 2014 nos cinemas
 

Jennifer Lee (roteirista de Detona Ralph) se juntou a Chris Buck (diretor de Tarzan e Tá Dando Onda) para a direção de “Frozen”, estreando na função como um nome forte a ser acompanhado. Por muito pouco, seu filme não se juntará ao panteão onde sentam-se confortavelmente “Alladin”, “A Pequena Sereia”, “Cinderella” e outros títulos nostálgicos afins, mas certamente terá seu lugar garantido entre as melhores animações modernas.

Faltou-lhe um vilão com “V” maiúsculo, e só. Isso porque Elza (a Rainha da Neve do conto de Andersen) não é má: ela só não sabe controlar seus poderes e acaba transformando todo o território de Arendelle num reino congelado.

Ela é tão protagonista quanto sua irmã, Anna: as duas passaram a infância brincando com as bolas de neve que Elza materializava no salão de festas, até acontecer um acidente. Desde então, a pequena feiticeira foi proibida de ter qualquer contato com o mundo exterior. É claro que um dia isso se tornaria um grande problema.

Se a Rainha da Neve não é uma vilã realmente má – apesar de ser a princesa mais interessante em muito tempo – tampouco ficamos convencidos com o segundo vilão, um personagem-surpresa que não representa mais do que uma leve ameaça no conjunto das coisas. O brilho, afinal, está na relação de amor e espinhos entre as duas.

Nem o valente e apaixonado cortador de gelo Kristoff , nem o perfeito príncipe encantado Hans conseguem tirar a atenção das princesas – o que faz pensar que este é mesmo um tempo de “girl power” nos cinemas. O romance, aqui, é secundário.

Quem consegue roubar a cena é o adorável boneco de neve Olaf, uma criatura “feita para dar abraços quentinhos” que sonha com o calor do verão e que, no Brasil, ganhou a dublagem competente de Fábio Porchat. 

Na história original, a Rainha da Neve sente-se solitária, por isso deixa cair um pedaço de gelo (um espelho amaldiçoado, na verdade) nos olhos e no coração de um garotinho, que passa a enxergar apenas as coisas ruins no mundo. Ele então se junta a ela para obedecer a todas as suas ordens, mas o gelo no coração ameaça sua vida, pois congela-o aos poucos, e só pode ser quebrado por um ato de amor que o aqueça.

A trama foi transformada livremente, mantendo apenas alguns elementos – no filme, a Rainha causa desgraças semelhantes sem que tenha a intenção, o que aumenta seu conflito, amaldiçoada e ao mesmo tempo apaixonada pelo próprio poder.

É num desses detalhes “emprestados” do conto de Andersen que o espectador encontrará uma das cenas mais belas dos últimos anos no cinema animado, num quadro que poderia render um final muito mais surpreendente, porém mais melancólico. Se a Disney já está disposta a abrir mão do romance (como também aconteceu em “Valente”), talvez falte pouco para que ela finalmente se desfaça de seus obrigatórios finais felizes. Ainda não chegou esse dia.

*Frozen estreia no Brasil no dia 3 de janeiro de 2014.

Assista se você:

- Gosta de animações fantásticas

- Sente saudade dos filmes clássicos da Disney

- Quer ensinar seus filhos a tratarem melhor seus irmãos

Não assista se você:

- Não gosta de filmes infantis

- Não gosta de animações

Atualizado em 22 Jan 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentadores erram e dão Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil