Guia da Semana

Indicado ao Oscar, “Selma” traz a segregação racial de volta à pauta

Filme de Ava Duvernay mostra a violência contra o movimento pacifista de Martin Luther King

A coletividade é uma força poderosa. Vistas de fora, digamos numa sala de cinema, onde a individualidade é protegida pela escuridão, imagens de violência tendem a causar repulsa, incompreensão, revolta. De dentro, entretanto, a lógica é outra.

É difícil aceitar que as mesmas pessoas que, sozinhas, negariam a violência, se deixem munir de ódio e cassetetes em nome de uma identidade coletiva – definida fragilmente em oposição ao outro. Mas a história sempre se repete: mulheres foram queimadas em praça pública, judeus foram massacrados a gás, gays são espancados todos os dias.

Nos anos 60, a briga era entre brancos e negros. No novo filme de Ava Duvernay (uma diretora mulher e negra, reparem), “Selma, um Martin Luther King recém-premiado com o Nobel da Paz descobre que unir as identidades de “negro” e “branco” numa única identidade de “americano” exigirá mais do que honrarias e formalidades. (Imagine, então, se algum dia alcançaremos a identidade de “ser humano”).

David Oyelowo e Ava Duvernay

David Oyelowo empresta sua serenidade ao personagem, proferindo discurso após discurso diante de uma comunidade de negros na pequena cidade de Selma. O objetivo, desta vez, é fazer com que seu direito ao voto (recém-decretado pelo presidente Lyndon Johnson) seja respeitado. Afinal, não basta colocar a lei no papel se cada funcionário público estiver disposto a desobedecê-la.

O filme parte do Nobel até a marcha, que uniu negros e brancos – na maioria ligados à Igreja católica – entre Selma e Montgomery pela igualdade de direitos. Até que a marcha pudesse ser realizada, por mais pacífico que fosse o movimento, houve mortes, negociações e muita violência.

Como “12 Anos de Escravidão”, vencedor do Oscar em 2014, “Selma” toca em feridas mal-resolvidas da história americana (não que não nos identifiquemos também) e pode ser igualmente celebrado ou rejeitado pela Academia. Não que seja uma obra tão diferente de outras do gênero, mas o longa de Duvernay encontra as imagens certas e os silêncios certos para tocar o espectador com indignação, tanto pelo passado quanto pelo presente ainda desigual.

O filme ainda se descola do óbvio ao mostrar um líder humano, muitas vezes inseguro e cansado, cujos discursos permanecem fortes até hoje. Sem medo, “Selma” destrói o heroísmo e busca a verdadeira motivação em cada personagem. O presidente apoia a causa por interesses políticos. Os brancos, em sua maioria, pela obrigação imposta pela religião. Os negros, pela adrenalina de fazer parte de um grupo. Luther King, até ele, só continua o trabalho porque seus seguidores exigem. Mas alguém precisa lutar, certo?

Atualizado em 30 Jan 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Remake de "Rei Arthur" ganha novo trailer ao som de Led Zeppelin

Com direção de Guy Ritchie, longa chega aos cinema de maio

Emma Watson aparece cantando em novo vídeo de "A Bela e a Fera"

Atriz interpreta a canção "Belle", uma das primeiras do filme

Novos comerciais de "A Bela e a Fera" mostram cenas inéditas do filme

Live-action chega ao Brasil no dia 16 de março

Waiting for B. - documentário revela a rotina dos fãs que acamparam para ver show da Beyoncé

Filme integra a programação da Sessão Vitrine e estreia no dia 2 de março

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

"Mulher-Maravilha" ganha coleção de colecionáveis pela Funko

Lançamento vem para entrar no clima do novo filme da heroína