Guia da Semana

Inspirado em conto bíblico, "Leviatã" critica governo russo

Saiba mais sobre o vencedor do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro

Premiado como o melhor roteiro do Festival de Cannes do ano passado e vencedor do Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro, "Leviatã" estreia no Brasil como um dos favoritos à estatueta do Oscar. Atacando o governo russo, "Leviatã" chegou a ter cenas censuradas no país, o que não atrapalhou o seu triunfo internacional. Dado o histórico, o espectador desavisado espera um filme com sequências chocantes, entretanto, a grande audácia da trama está (apenas) em criticar o abuso de poder - e o faz com louvor.

Rodeada pelos belos cenários do norte da Rússia, a história gira em torno de um homem comum e sua luta contra o prefeito da pequena cidade em que vive. Ao lado da esposa e filho, Kolia enfrenta as corruptas garras de Vadim, que quer tirar não só o seu negócio, a sua casa e a sua terra, mas também toda a beleza que o rodeia desde a sua infância. O pacato cotidiano da família passa, então, a ser arriscado pelas infindáveis, e às vezes drásticas, atitudes do político para atingir o seu objetivo.

Por que Vadim usaria de todas as suas artimanhas por uma simples satisfação pessoal? Até que ponto Kolia pode enfrentar o orgulho sem ceder ao emaranhado sistema político que o rege? Sem uma resposta exata, estão aí as principais questões do filme, que tocam em feridas não só da sociedade russa, mas em aspectos onipresentes e atemporais: a ambição, a verdade e o poder. Tanto que é possível observar, além das referências ao governo de Putin, alusões bíblicas, como o monstro Leviatã, a história de Nabot e Acabe e o Livro de Jó. 

Ao mesmo tempo em que o embate se acirra, acompanhamos as feridas na própria vida de Kolia: a mulher infeliz, o filho revoltado e os amigos que vão se mostrando cada vez menos fiéis. E, por baixo das ataduras, percebemos a complexidade das relações humanas, que vão muito além de qualquer conflito político. O auge de "Leviatã" não está apenas na beleza de sua fotografia, na acidez de sua crítica ou na crueza com que retrata o ser humano. E sim na maneira como Andrey Zvyagintsev tece delicadamente todos esses pontos colocando o cinema como o mais fiel e tocante retrato da natureza humana. 

Atualizado em 3 Fev 2015.

Por Ricardo Archilha
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Ator de “Power Rangers” faz homenagem à Chapecoense durante a CCXP 2016

Elenco do filme participa da terceira edição da feira de cultura pop em São Paulo

Veja os melhores cosplays da Comic Con Experience 2016 (CCXP)

Evento acontece no São Paulo Expo entre 1 e 4 de dezembro

CCXP 2016 surpreende com vídeos exclusivos no segundo dia de evento

Cena de novo “Homem-Aranha” e trailer de “Planeta dos Macacos: A Guerra” foram destaques na sexta-feira

"Jumanji" tem estreia no Brasil adiada para 2018

Anúncio foi feito pela Sony durante a CCXP

Assista à entrevista exclusiva com Fiuk e Sandy sobre a animação "Sing - Quem Canta Seus Males Espanta"

Filme estreia no dia 22 de dezembro nos cinemas

"A Múmia": Remake com Tom Cruise ganha teaser e pôster

Estreia está agendada para junho de 2017