Guia da Semana

Interestelar: uma odisseia no espaço com um pé no chão

Epopeia espacial de Christopher Nolan explora o universo além da Via Láctea e questiona futuro da espécie humana

Quando Christopher Nolan invadiu os sonhos de seus personagens e decidiu brincar com o tempo e o espaço, quatro anos atrás, o público não poderia imaginar que o diretor estava preparando o terreno para um projeto muito mais ambicioso. “Interestelar”, que chega aos cinemas na primeira semana de novembro, aproveita ideias já plantadas em “A Origem” e as expande, lançando-se ao universo com espírito explorador.

“Interestelar” fala do espaço, mas dedica metade ou mais de suas quase três horas à Terra e à areia. O cenário não é animador: num futuro não tão distante, a comida se tornou escassa e a maioria das pessoas precisou voltar às fazendas para plantar trigo, milho e o que mais pudesse resistir à aridez.

Cooper (Matthew McConaughey) é um fazendeiro agora, mas foi piloto da Nasa quando os engenheiros ainda podiam se dedicar a essas “futilidades”. A situação é tão dramática que os livros escolares foram reescritos, evitando estimular a curiosidade de crianças destinadas ao trabalho braçal.

Em meio a esse apocalipse iminente, Cooper e sua filha inquieta encontram um grupo de cientistas com um plano de fuga. Eles querem aproveitar um buraco de minhoca recém-aberto dentro do Sistema Solar para saltar a outra galáxia e, quem sabe ali, encontrar outro planeta habitável. Sem qualquer garantia, Cooper e outros três astronautas (Anne Hathaway entre eles) aceitam o desafio.

É impossível assistir a “Interestelar” e não pensar em “2001: Uma Odisseia no Espaço” e no mais recente “Gravidade”. O primeiro, que Nolan homenageia em diversas cenas, ergueu a ficção científica ao status de Arte e enlouqueceu os críticos com uma edição cheia de mistérios e metáforas intangíveis, abordando questões como a origem da vida, a inteligência artificial, o tempo e a transcendência.

Já o segundo explorou o conceito do vazio inóspito para desenvolver uma história individual e introspectiva, que é o extremo oposto do que propõe Nolan. Em “Interestelar”, o universo não é vazio, mas sim infinito. E nele aflora o conflito entre espécie e indivíduo: é justificável lutar pela sobrevivência da espécie em outra galáxia, se isso significa deixar para trás sua família na Terra?

O roteiro foi escrito pelo irmão mais novo Jonathan Nolan e incrementado por Christopher depois que Steven Spielberg desistiu de filmá-lo. Os irmãos já haviam trabalhado juntos em “Amnésia”, “O Grande Truque”, “O Cavaleiro das Trevas” e “O Cavaleiro das Trevas Ressurge”. Tramas ambíguas e labirínticas, portanto, não são novidade para nenhum dos dois.

As teorias representadas no longa se baseiam na obra de Kip Thorne, um físico norte-americano famoso por estudar ondas gravitacionais, buracos negros, buracos de minhoca e viagens no tempo. O filme passa por todos esses conceitos, mas também oferece elementos lúdicos para os não-iniciados - planetas curiosos e mascotes robóticos instigam a imaginação, sob a fotografia sem excessos de Hoyte Van Hoytema ("Ela").

Visualmente, tudo é equilibrado, num minimalismo que não lembra em nada o expressionismo da trilogia Batman. Até as cenas mais ousadas pisam em terra firme, buscando referências na literatura e no cinema e revelando um trabalho sutil de efeitos, que, apesar de bem feitos, não roubam a cena.

Não são as teorias nem as imagens, contudo, que mexem com o espectador – leigo ou nerd de carteirinha. Nem é a ideia do fim do mundo ou de uma viagem intergaláctica que causa aquele nó na garganta e faz aquelas três horas parecerem tão pouco.

O que arrepia é justamente o fato de elas parecerem pouco.

Com "Interestelar", Nolan nos faz perceber que o tempo, que rege cada um de nossos dias humanos, está totalmente fora do nosso controle. Ele é relativo, como Eistein vinha tentando nos dizer há mais ou menos um século... Mas a ficha não tinha caído até agora.

Assista se você:

  • É fanático por ficção científica
  • Gosta dos filmes de Christopher Nolan
  • Gosta de filmes que fazem pensar

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes longos
  • Não gosta de filmes que embaralham o tempo e o espaço
  • Procura um filme carregado de ação e efeitos especiais 

Atualizado em 3 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas