Guia da Semana

La Vie D’Adele vence o Festival de Cannes 2013

Romance lésbico leva o prêmio máximo e diretor do Cambodja vence mostra paralela

A vitória de um filme com temática gay em Cannes já era esperada: depois da aprovação quase unânime de Behind The Candelabra, de Steven Soderbergh – recusado pelos estúdios por “agradar apenas ao público homossexual” – quem levou o grande prêmio na noite de ontem foi o lésbico e hard-core La Vie D’Adèle (também chamado de Blue Is The Warmest Colour, no Reino Unido). Isso tudo no mês em que a França aprova seu primeiro casamento gay e multidões de conservadores marcham contra a causa.

+ Saiba mais sobre Behind The Candelabra, o filme gay de Steven Soderbergh
+ Entenda por que O Grande Gatsby decepcionou a crítica
+ Veja quais foram os filmes exibidos em Cannes

A descoberta sexual de uma adolescente francesa (Adele Exarchopoulos, em atuação muito elogiada) com a também jovem Léa Seydoux (Adeus, Minha Rainha) impressionou o público do festival ao mostrar cenas explícitas de sexo, ao mesmo tempo em que narra uma história de amor sensível e atual em cerca de três horas. As duas protagonistas receberam a Palma de Ouro junto com o diretor Abdellatif Kechiche, fato bastante incomum, mas justificável. Afinal, são as atuações das garotas que realmente chamaram a atenção da crítica no festival francês.

O novo drama dos irmãos Coen, Inside Llewyn Davis, ficou com o segundo prêmio, consolação para o fato de que eram favoritos até a chegada de La Vie D’Adèle. Quatro produções asiáticas foram premiadas em Cannes este ano: o japonês Like Father, Like Son, de Kore-Eda Hirokazu, levou o prêmio do Júri; a Câmera de Ouro (prêmio para estreantes) ficou com Ilo Ilo, de Anthony Chen, de Singapura. Já o chinês A Touch Of Sin, de Jia Zhangke, venceu na categoria Melhor Roteiro; e o sul-coreano Safe, de Moon Byoung-Gon, foi eleito o melhor curta-metragem. Amat Escalante ficou com o prêmio de Melhor Diretor pelo drama violento Heli, contrariando as expectativas, ao contrário dos melhores atores, já aclamados: Bérenice Bejo (O Passado) e Bruce Dern (Nebraska).

Confira a lista de vencedores:

Mostra Principal:

Palma de Ouro: La Vie D’Adèle (Blue Is The Warmest Colour) – Abdellatif Kechiche (França)

Grande Prêmio: Inside Llewyn Davis – Ethan e Joel Coen (EUA)

Prêmio do Júri: Soshite Chichi Ni Naru (Like Father, Like Son) - Kore-Eda Hirokazu (Japão)

Câmera de Ouro: Ilo ilo – Anthony Chen (Singapura)

Melhor Diretor: Amat Escalante – Heli (México)

Melhor Roteiro: Tian Zhu Ding (A Touch of Sin) - Jia Zhangke (China)

Melhor Atriz: Bérenice Bejo – Le Passè (O Passado) (França)

Melhor Ator – Bruce Dern – Nebraska (EUA)

Curta-metragem – Safe – Moon Byoung-Gon (Coreia do Sul)

 

Mostra Un Certain Regard:

Melhor Filme: L’Image Manquante (Missing Picture) – Rithy Panh (Cambodja/França)

Prêmio do Júri: Omar – Hany Abu-Assad (Palestina)

Melhor Diretor: Alain Guiraudie - Stranger by the Lake (França)

Diretor Estreante: Fruitvale Station - Ryan Coogler (EUA)

A Certain Talent: La Jaula de Oro - Diego Quemada-Diaz (México/Espanha)

 

Atualizado em 6 Jun 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Críticos brasileiros elegem "Aquarius" e "Elle" como os melhores filmes de 2016

Abraccine também escolheu "Estado Itinerante" na categoria curta-metragem

"Minha Mãe é uma Peça 2" é o terceiro filme nacional mais assistido desde 2002

Comédia estrelada por Paulo Gustavo estreou em dezembro e segue em cartaz

Festival gratuito de cinema francês pode ser visto em qualquer lugar

7ª edição do MyFrenchFilmFestival acontece entre 13 de janeiro e 13 de fevereiro

Sesc Santana exibe óperas europeias na tela de cinema

“A Flauta Mágica” e “Aida” têm exibições em janeiro

10 Filmes sul-coreanos que você precisa conhecer

Filmes como “A Criada” e “Invasão Zumbi” são exemplos do crescimento do cinema comercial no país

Michael Fassbender fala sobre a adaptação de “Assassin’s Creed” para os cinemas

Filme estreia no Brasil no dia 12 de janeiro