Guia da Semana

“Miss Violence” usa de sutilezas e ambiguidades para explorar os horrores de uma família perfeita

Filme que estreia no Caixa Belas Artes mostra a força do cinema grego atual

Duas meninas saem de um quarto de mãos dadas, partilhando um segredo. É festa, todos vestem branco e dançam. Há um bolo enfeitado com velas: 11 anos. A aniversariante aproxima-se da sacada, sorri e salta para a morte enquanto ninguém está olhando.

Miss Violence”, de Alexandros Avranas, que foi sucesso na Mostra Internacional de São Paulo (2013) e vencedor do prêmio de Melhor Diretor no Festival de Veneza (2013), é o mais recente representante de “nova onda” do cinema grego – não mais tão nova, tendo começado em 2009 com “Dente Canino”, de Yorgos Lanthimos.

Num país em severa crise econômica, é comum que o cinema reaja com metáforas, espelhando a tragédia social na fantasia ou no ambiente doméstico, como é o caso de “Miss Violence” – pesado e impiedoso.

O filme nos apresenta sete personagens centrais, cujas relações de parentesco vamos descobrindo aos poucos, remontando o quebra-cabeças como investigadores buscando as origens de um crime. Além de nós, dois assistentes sociais também desconfiam da perfeição artificial daquela família.

O roteiro se preocupa mais em revelar a rotina dos sobreviventes do que em buscar informações sobre Angeliki – a garota morta. Dela, sabemos pouco ou quase nada, mas tudo de que precisamos para entendê-la está ali, entre aquelas paredes.

A mãe, Eleni (Eleni Roussinou), entra num estado de apatia, chorando escondida e descontando, eventualmente, na filha mais nova. O avô (Themis Panou) trata de levar as crianças à escola e arranjar um emprego como se a vida seguisse normalmente. Os objetos da garota são jogados no lixo.

A obsessão dessa figura paterna com boas notas e disciplina vai revelando, lentamente, uma natureza sádica. Numa das cenas mais fortes do longa, ele obriga a neta a bater no irmão, punindo-o pelo mau comportamento na escola. Enquanto isso, a avó (Reni Pittaki) observa calada e a jovem Myrto (Sissy Toumasi), de 14 anos, ameaça se rebelar, mas falta-lhe coragem.

São os detalhes – um castigo, uma porta fechada, um carro parado – que vão tornando o filme cada vez mais sinistro, até que, perto do final, a verdade se escancara obrigando o espectador a desviar o olhar. Que tipo de família é aquela?

“Miss Violence” constrói a tensão e sobre o silêncio, com a sutileza dos tons pastéis e dos sorrisos histéricos. Não é um filme fácil, tampoco gratuitamente violento, mas a realidade que ele denuncia – seja a familiar, seja a econômica – é revoltante. E causar revolta é um dos motivos pelos quais ainda se fazem filmes.

Assista se você:

  • Gosta de filmes pesados, que provocam reflexão e emoção
  • Quer conhecer um pouco melhor o novo cinema grego
  • Gosta de dramas comportamentais, que exploram os limites das relações pessoais

Não assista se você:

  • Não quer ver um filme pesado
  • Não gosta de filmes dramáticos
  • Não gosta de filmes europeus

Atualizado em 25 Set 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas