Guia da Semana

No Limite do Amanhã: a arte de morrer todos os dias

Tom Cruise fica preso no tempo em novo longa do diretor de Identidade Bourne

Quando vamos ao cinema assistir a um filme de guerra de humanos contra alienígenas, a última coisa que esperamos é que nosso herói seja um assessor de imprensa. Nada contra: apenas parece difícil imaginar que alguém dedicado a convencer pessoas a entrarem para o exército queira, de fato, estar na linha de frente. E Bill Cage não queria.

Em "No Limite do Amanhã", Cage (Tom Cruise) voa dos Estados Unidos a Londres para se encontrar com o general responsável pela próxima ofensiva, marcada para a manhã seguinte. Após uma conversa mal sucedida, porém, ele acaba jogado num pelotão sem qualquer treinamento e, inevitavelmente, é morto no campo de guerra nos primeiros minutos. Sim, morto. É aí que a história começa a tomar forma.

Inspirado no livro “All You Need is Kill”, de Hiroshi Sakurazaka, o filme de Doug Liman (que também o produz) brinca com a passagem do tempo para falar de guerra e do valor da vida – isso porque Cage fica preso num looping temporal e volta ao início do “dia D” a cada vez que morre. E ver a si mesmo e às pessoas à sua volta morrendo repetidamente é, no mínimo, transformador.

Liman, que dirigiu “Sr. e Sra. Smith” e “A Identidade Bourne”, alcança um equilíbrio raro entre ação, fantasia e humor. Quando tudo parece converter para o clichê de guerra, com a trilha épica e os grandes efeitos visuais, o espectador é levado de volta para o início do dia anterior e tudo se desenrola novamente de forma um pouco diferente.

No processo, Cage conhece Rita (Emily Blunt), a guerreira mais importante do exército europeu e garota-propaganda das armaduras especiais. Ela, para sua surpresa, já tinha passado pela mesma experiência e se une a ele para tentar vencer a guerra, conhecendo os passos do inimigo com antecedência.

Se a premissa é instigante, o desenvolvimento é ainda melhor, pois consegue surpreender mesmo quando pensamos que já sabíamos tudo. Há romance, mas é bem pouco e pode não passar de uma amizade. Os ataques dos aliens são por terra, e não pelo céu como normalmente os imaginamos. Não se mergulha nos bastidores políticos nem na moralidade dos personagens - a única crítica palpável é à publicidade. 

As escolhas de roteiro, entretanto, só vão bem até a sequência final – que, num acesso de insegurança, desfaz toda a teoria que vinha desenhando e entrega um desfecho inverossímil e desinteressante. Se anteciparmos em alguns poucos minutos o final, porém, tudo se conserta. É apenas uma questão de tempo.

Assista se você:

  • É fã de ficção científica
  • Quer ver um filme de ação criativo
  • Gosta dos filmes protagonizados/escolhidos por Tom Cruise

Não assista se você:

  • Não gosta de ficção científica
  • Torce o nariz ao ler “alienígenas” na sinopse
  • Não gosta de filmes com viagens no tempo

Atualizado em 30 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor