Guia da Semana

O Lobo de Wall Street: sexo, drogas e ternos Armani

Novo filme de Martin Scorsese com Leonardo DiCaprio ironiza a cultura do dinheiro nos Estados Unidos

Um dos filmes mais comentados da temporada, o novo Scorsese-Leonardo vem chegando timidamente às telas brasileiras, num regime de pré-estreia estendida que culmina na estreia oficial no dia 24 de janeiro. Se você também não vê a hora de conferir “O Lobo de Wall Street”, prepare-se para encarar três longas horas de quantos fucks puder digerir.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Veja os indicados ao Oscar 2014
+ Veja as apostas do Guia para o Oscar 2014 

O filme se baseia na autobiografia de Jordan Belfort para contar a trajetória de ascensão, queda e volta por cima de um corretor de ações com incrível habilidade para persuasão e gosto pelo dinheiro. Mas Martin Scorsese não se limita à biografia e incorpora um corpo de personagens e situações memoráveis para discutir riqueza (real e virtual) e os limites da diversão.

Com tantos dólares em cena, é claro, vêm toneladas de palavrões, drogas, prostitutas, iates e bancos na suíça. O diretor quer chocar, provocar, denunciar às avessas a corrupção do capitalismo financeiro mostrando o lado “bom” desse universo - encarando os poucos dilemas éticos sob seu humor peculiar. A fórmula funciona: mesmo quem não gostou do resultado saiu incomodado, talvez até revoltado, seja pelo filme ou pela realidade que vê diariamente nos jornais.

Não é a mesma realidade, é claro: tudo ali é excessivamente caricato, o que torna o “Lobo” tão difícil de decifrar. O que vemos não é o que os corretores realmente fazem, não é como as bolsas de valores realmente são, não é o que o dinheiro realmente traz. É o retrato dos desejos alimentados por esse sistema: se tenho dinheiro, quero fazer uma festa, extravasar, esquecer as regras, ser irresponsável, ser adolescente para sempre dentro de meu terno Armani.

Essa percepção irônica da felicidade é ao mesmo tempo o trunfo e a maior fraqueza do filme. Ora, se Jordan (Leonardo DiCaprio) e todos os seus colegas têm exatamente as mesmas ambições infantis, como iremos nos identificar com um ou com o outro? Como torcer pela vitória de um protagonista por quem sentimos um misto de pena e raiva? A solução, talvez, seja não torcer: apenas observar o caos que o verdadeiro protagonista (o dinheiro) causa à sua volta.

Na primeira parte do filme, conhecemos o excêntrico chefe de Jordan - interpretado brilhantemente por Matthew McConaughey (que vem se reerguendo com trabalhos como Clube de Compras Dallas e está na corrida pelo Oscar de Melhor Ator). Também comprovamos o poder da lábia do jovem estagiário e acompanhamos sua ascensão até a abertura da própria corretora, ao lado de um sócio improvável (Jonah Hill). Daí para a frente é ladeira acima.

O encanto começa a perder o efeito depois da décima carreira de cocaína e do vigésimo par de seios falsos. É quando começamos a olhar para o cenário, as cadeiras, o relógio... Até que, lá pelas tantas, uma sequência hilária envolvendo uma droga especial, uma Lamborghini e um fio de telefone nos arrasta de volta ao filme e para fora do tédio. É aí que nos lembramos por que DiCaprio é um dos atores mais importantes da atualidade.

Se a ascensão de Jordan é meteórica, sua queda e redenção ocupam não mais do que um discreto comentário perto do final do filme – o que desaponta, mas não surpreende. Jordan merecia um final mais imponente? Provavelmente não.

O objetivo de Scorsese, afinal, nunca foi contar a história desse homem, mas fazer piada com o modelo de economia que fez dos Estados Unidos o “país das oportunidades” que ele tanto se gaba de ser. Sarcástico, o cineasta nos lança uma delicada questão moral: não será hipócrita, numa sociedade que coloca o dinheiro acima da humanidade, achar que há algo de errado em enriquecer nas brechas do sistema?

Assista se você:

- É fã de Martin Scorsese (especialmente "Os Bons Companheiros")
- Gosta de filmes sobre corrupção e a Bolsa de Valores 
- Quer ver a atuação candidata ao Oscar de Leonardo DiCaprio 

Não assista se você:

- Não gosta de filmes longos
- Não vê graça em espiar o estilo de vida de milionários
- Não quer ver personagens preconceituosos

Atualizado em 23 Jan 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Apresentador erra e dá Oscar para o filme errado; confira os vencedores

“Moonlight” vence e mostra reação do Oscar às polêmicas de 2016 e a Trump

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil