Guia da Semana

O Lobo de Wall Street: sexo, drogas e ternos Armani

Novo filme de Martin Scorsese com Leonardo DiCaprio ironiza a cultura do dinheiro nos Estados Unidos

Um dos filmes mais comentados da temporada, o novo Scorsese-Leonardo vem chegando timidamente às telas brasileiras, num regime de pré-estreia estendida que culmina na estreia oficial no dia 24 de janeiro. Se você também não vê a hora de conferir “O Lobo de Wall Street”, prepare-se para encarar três longas horas de quantos fucks puder digerir.

+ Confira salas e horários para assistir ao filme
+ Veja os indicados ao Oscar 2014
+ Veja as apostas do Guia para o Oscar 2014 

O filme se baseia na autobiografia de Jordan Belfort para contar a trajetória de ascensão, queda e volta por cima de um corretor de ações com incrível habilidade para persuasão e gosto pelo dinheiro. Mas Martin Scorsese não se limita à biografia e incorpora um corpo de personagens e situações memoráveis para discutir riqueza (real e virtual) e os limites da diversão.

Com tantos dólares em cena, é claro, vêm toneladas de palavrões, drogas, prostitutas, iates e bancos na suíça. O diretor quer chocar, provocar, denunciar às avessas a corrupção do capitalismo financeiro mostrando o lado “bom” desse universo - encarando os poucos dilemas éticos sob seu humor peculiar. A fórmula funciona: mesmo quem não gostou do resultado saiu incomodado, talvez até revoltado, seja pelo filme ou pela realidade que vê diariamente nos jornais.

Não é a mesma realidade, é claro: tudo ali é excessivamente caricato, o que torna o “Lobo” tão difícil de decifrar. O que vemos não é o que os corretores realmente fazem, não é como as bolsas de valores realmente são, não é o que o dinheiro realmente traz. É o retrato dos desejos alimentados por esse sistema: se tenho dinheiro, quero fazer uma festa, extravasar, esquecer as regras, ser irresponsável, ser adolescente para sempre dentro de meu terno Armani.

Essa percepção irônica da felicidade é ao mesmo tempo o trunfo e a maior fraqueza do filme. Ora, se Jordan (Leonardo DiCaprio) e todos os seus colegas têm exatamente as mesmas ambições infantis, como iremos nos identificar com um ou com o outro? Como torcer pela vitória de um protagonista por quem sentimos um misto de pena e raiva? A solução, talvez, seja não torcer: apenas observar o caos que o verdadeiro protagonista (o dinheiro) causa à sua volta.

Na primeira parte do filme, conhecemos o excêntrico chefe de Jordan - interpretado brilhantemente por Matthew McConaughey (que vem se reerguendo com trabalhos como Clube de Compras Dallas e está na corrida pelo Oscar de Melhor Ator). Também comprovamos o poder da lábia do jovem estagiário e acompanhamos sua ascensão até a abertura da própria corretora, ao lado de um sócio improvável (Jonah Hill). Daí para a frente é ladeira acima.

O encanto começa a perder o efeito depois da décima carreira de cocaína e do vigésimo par de seios falsos. É quando começamos a olhar para o cenário, as cadeiras, o relógio... Até que, lá pelas tantas, uma sequência hilária envolvendo uma droga especial, uma Lamborghini e um fio de telefone nos arrasta de volta ao filme e para fora do tédio. É aí que nos lembramos por que DiCaprio é um dos atores mais importantes da atualidade.

Se a ascensão de Jordan é meteórica, sua queda e redenção ocupam não mais do que um discreto comentário perto do final do filme – o que desaponta, mas não surpreende. Jordan merecia um final mais imponente? Provavelmente não.

O objetivo de Scorsese, afinal, nunca foi contar a história desse homem, mas fazer piada com o modelo de economia que fez dos Estados Unidos o “país das oportunidades” que ele tanto se gaba de ser. Sarcástico, o cineasta nos lança uma delicada questão moral: não será hipócrita, numa sociedade que coloca o dinheiro acima da humanidade, achar que há algo de errado em enriquecer nas brechas do sistema?

Assista se você:

- É fã de Martin Scorsese (especialmente "Os Bons Companheiros")
- Gosta de filmes sobre corrupção e a Bolsa de Valores 
- Quer ver a atuação candidata ao Oscar de Leonardo DiCaprio 

Não assista se você:

- Não gosta de filmes longos
- Não vê graça em espiar o estilo de vida de milionários
- Não quer ver personagens preconceituosos

Atualizado em 23 Jan 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

10 Motivos para ver a animação “Sing – Quem Canta Seus Males Espanta”

Filme chega aos cinemas no dia 22 de dezembro

“Pets” tem sessão gratuita para incentivar a adoção de animais

Cine Matilha exibe a animação em sessão aberta para cães e seus donos

7 Fatos sobre “Fallen” que você precisa saber antes de ir aos cinemas

Adaptação do primeiro livro da saga adolescente estreia no dia 8 de dezembro

4 Motivos para ver “A Qualquer Custo” nos cinemas

Filme com Chris Pine e Jeff Bridges chega aos cinemas em janeiro

"50 Tons Mais Escuros" ganha trailer inédito; confira

Novo vídeo do longa está mais caliente do que nunca!

Clássico de Chaplin tem sessão gratuita no Auditório Ibirapuera

Exibição encerra a programação do centenário de Paulo Emílio Sales Gomes