Guia da Semana

O que muda na sua vida com as estreias de cinema na quinta?

A partir de março, a noite de sexta-feira deixa de marcar as grandes estreias do fim de semana

Você já parou para pensar no motivo pelo qual as estreias de cinema sempre aconteceram às sextas-feiras? Provavelmente, muitos nem mesmo repararam que elas chegavam nesse dia – até agora. Até a Feneec (Federação Nacional das Empresas Exibidoras Cinematográficas) anunciar que mudaria tudo para a quinta-feira e virar sua rotina de cabeça para o ar.

+ Fique por dentro das mostras de cinema em SP
+ Veja como aproveitar seus ingressos para ganhar desconto em livrarias
+ Entenda por que há tantas sequências e remakes no cinema atual

Eu mesma nunca tinha parado para pensar no assunto até resolver trabalhar com isso. Aquelas sextas-feiras tinham sido tão orgânicas, tão naturais em minha vida cinéfila, que eu achava que era assim que o mundo deveria ser: com o último dia da semana útil anunciando o primeiro dia de lazer com uma boa e longa sessão de cinema.

Às sextas, todos os casaisinhos adolescentes e grupos de estudantes corriam para as filas (fosse qual fosse o tamanho delas) em busca do aconchego dos sofás estofados, da privacidade do escurinho e da alienação de duas horas testemunhando a vida de outra pessoa. Quem seria essa pessoa nem importava tanto – muitos daqueles ávidos protótipos de cinéfilos só escolhiam seus filmes no calor do momento, passando os olhos por títulos, pôsteres e, principalmente, pelo relógio.

Famílias completas – pai, mãe, filhinho e boneco do Woody – se dividiam entre a sexta-feira superlotada e algum horário menos concorrido no final de semana. Mas era certo que garantiam aqueles dias sagrados sem trabalho ou escola para colocar a vida cultural em dia. Isso, num passado quase remoto quando o expediente de fato acabava na sexta-feira e as pessoas não abriam mão da vida social para dar conta de cursos extracurriculares, pós-graduações e freelas no “tempo livre”.

Hoje, como lembrou o presidente da Feneec, a quinta-feira se tornou um dia (quase) tão procurado para a cultura quanto qualquer outro. Há cervejadas em faculdades, happy hours no escritório, exposições internacionais, peças de teatro para todos os gostos. Assim como o trabalho invadiu o fim de semana, pegando carona em smartphones, o lazer vem se infiltrando na semana, oferecendo um respiro àqueles dias mais pesados.

Mas então, o que muda na sua vida com as estreias às quintas?

Na prática, nada. Mas algo no seu conceito de final de semana está prestes a desmoronar... Seu guia impresso deixará de anunciar o novo blockbuster do fim de semana; seus amigos talvez remarquem o tradicional cineminha para a quinta-feira (acabando com seu sono prolongado na manhã seguinte); as filas de sexta à noite talvez fiquem menos quilométricas, e quarta-feira agora será dia de pré-estreias.

Isso, pelo menos, é o que esperam as distribuidoras. Mas, cá entre nós, quem organiza sua vida com base no calendário de estreias? Para a grande maioria das pessoas, o “dia de cinema” continuará sendo aquele que for mais conveniente de acordo com sua própria vida. Pode ser que caia numa quinta-feira... Pode ser que não. A verdade é que não há mais rotina coletiva numa cidade como São Paulo. Todo dia pode ser sexta-feira.

 

Atualizado em 10 Mar 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano