Guia da Semana

“O Silêncio do Céu”: Carolina Dieckman estrela drama intenso sobre violência e vingança

Novo filme de Marco Dutra estreia no dia 22 de setembro nos cinemas

Não bastava atuar numa língua estrangeira. Carolina Dieckman, sempre atraída por desafios, também precisou abrir seu novo filme – o excelente “O Silêncio do Céu”, de Marco Dutra – com a cena mais pesada que uma mulher poderia interpretar. Sim, essa mesma.

“O Silêncio do Céu”, que estreia no dia 22 de setembro nos cinemas, conta a história de uma mulher que é violentada dentro de sua casa por dois homens. Seu marido (interpretado por Leonardo Sbaraglia) testemunha o crime, mas se esconde e fica paralisado, sem conseguir agir. Depois, incomodado pelo silêncio da esposa e com sua própria covardia, decide ir atrás dos criminosos em busca de vingança e redenção.

Dutra ficou conhecido por explorar um terror extremamente autoral com um quê de fantasia em “Quando Eu Era Vivo” e “Trabalhar Cansa”, mas, aqui, ele deixa de lado a linguagem experimental e mostra ao público uma obra mais linear, madura e extremamente intensa. O roteiro, desta vez, não é seu: “O Silêncio do Céu” é baseado no livro “Era El Cielo”, do argentino Sergio Bizzio, com adaptação de Lucía Puenzo e Caetano Gotardo.

Também são argentinos alguns dos atores principais, como Sbaraglia e Chino Darín (filho de Ricardo Darín), que interpreta um dos estupradores. O restante do elenco é majoritariamente uruguaio e a língua predominante é o espanhol – inclusive falado por Dieckman, que vive uma brasileira morando em Montevidéu, onde o filme foi rodado.

A diferença de nacionalidade não é gratuita: além da violência, o filme trabalha o tema do diálogo (ou da falta dele) no relacionamento. Enterrados em seus medos, Diana (Dieckman) e Mário (Sbaraglia) inventam personagens bem resolvidos para apresentarem um ao outro, guardando suas inseguranças para si e sabotando o casamento pouco a pouco com silêncios e mentiras bem-intencionadas. Em meio à tragédia, essas “personas” ganham ainda mais força, como se fosse possível lidar com a situação sem jamais encará-la de frente.

“O Silêncio do Céu” contrasta esse silêncio conjugal com generosas narrações em off, alternando as perspectivas para explorar uma espécie de diálogo de cada personagem consigo mesmo – tudo o que eles não dizem um ao outro, é narrado sem filtros ao espectador. A tragédia, portanto, não se limita ao que ocorre nos primeiros minutos de filme, mas se expande de dentro para fora até tornar-se irreparável. 

Relembre os melhores filmes de 2016... Até agora!

Relembre os melhores lançamentos do ano nos cinemas

10 Filmes que estão mudando a cara do cinema brasileiro

Conheça um pouco da geração atual do cinema nacional e surpreenda-se com a variedade de temas e gêneros

Atualizado em 13 Set 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres