Guia da Semana

“Sniper Americano” desvenda a mente de um soldado em guerra

Filme de Clint Eastwood com Bradley Cooper concorre a seis Oscars

De onde vem o impulso de guerra que leva homens formados, com esposas e filhos, a se alistarem voluntariamente num exército? Qual lado do ser humano justifica tamanha exposição à morte e ao assassinato - e qual lado, ainda mais mórbido, eleva esses homens ao posto de heróis? Essas são algumas das questões trabalhadas na base de sangue, poeira e uma atuação tensa de Bradley Cooper em “Sniper Americano, novo longa de Clint Eastwood que concorre a seis Oscars.

O filme conta a história de Chris Kyle (Cooper), considerado o soldado mais letal do exército americano na guerra do Iraque, com mais de 160 mortos no currículo. Além de mostrar a experiência do protagonista em campo, o diretor remete à fórmula de outro filme seu, “A Conquista da Honra”, e se volta sobre a vida particular do sniper, enfocando seus dilemas familiares, a decisão de voltar ao front e a dificuldade de manter a cabeça longe da guerra.

Se analisarmos o cinema de Eastwood,  de “Os Imperdoáveis” até “Sniper Americano”, algumas respostas preocupantes àquela primeira questão vêm à tona. Uma delas, que o impulso agressivo define a masculinidade de um homem (numa espécie de complexo de cowboy, às vezes literal). Outra, que o conceito de nação num país como os Estados Unidos pode se sobrepor ao de família e ao de humanidade.

No caso da primeira ideia, o filme não poderia ser mais didático: logo no início, vemos Chris Kyle (Cooper) e seu irmão mais novo envolvidos numa briga na escola. Para proteger o caçula, Kyle pula sobre o agressor e o ataca com socos, persistindo na violência mesmo depois de ter resolvido o problema. Seu pai aprova. Décadas depois, um veterano em recuperação pratica tiro ao alvo e, ao acertar, diz que finalmente recuperou seus colhões. O paralelo é nítido.

A guerra, aos olhos de Eastwood, é como uma briga de meninos. O "o irmão mais velho" quer proteger a família, mas não sabe como fazê-lo senão medindo a força física. Ou, no caso, o alcance dos rifles. Vence quem machucar mais o outro – mesmo que, no caminho, as duas partes se esqueçam do motivo pelo qual estavam brigando.

A segunda ideia é um pouco mais difícil de digerir para o público brasileiro - um povo que, via de regra, trocaria de país na primeira oportunidade, mas que, talvez por isso, tenha uma tolerância muito maior com culturas estrangeiras. Lá, no calor do pós-11 de setembro, qualquer ataque a um cidadão norte-americano passou a significar uma declaração de guerra.

Uma cena que explicita essa ansiedade coletiva por vingança é uma notícia que Kyle vê na TV, narrada da seguinte forma: “não sabemos o que ocasionou o ataque, mas alguém com certeza está contra os EUA”. É assim, sem saber por quê, que centenas de homens, jovens e adultos, obrigados ou voluntários, marcham rumo à morte (sua ou de um inimigo igualmente determinado), nas ruas empoeiradas do Iraque. E se iludem, acreditando que marcham em direção à glória.

Atualizado em 19 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas

Playarte Splendor inaugura novo cardápio para ser degustado no cinema

Praticidade é o foco dos novos petiscos da Sala Vip

Cinema nacional tem crescimento expressivo em 2016

Filmes brasileiros atraíram 30,4 milhões de espectadores no último ano

"La La Land" ganha vídeo em versão 8-Bit e você precisa assistir!

Com 14 indicações, musical é a grande apostar do Oscar 2017

Filmes com mulheres protagonistas em Hollywood bate recorde em 2016

Estudo mostra que 29% dos filmes com maiores bilheterias foram estrelados por mulheres