Guia da Semana

“Sniper Americano” desvenda a mente de um soldado em guerra

Filme de Clint Eastwood com Bradley Cooper concorre a seis Oscars

De onde vem o impulso de guerra que leva homens formados, com esposas e filhos, a se alistarem voluntariamente num exército? Qual lado do ser humano justifica tamanha exposição à morte e ao assassinato - e qual lado, ainda mais mórbido, eleva esses homens ao posto de heróis? Essas são algumas das questões trabalhadas na base de sangue, poeira e uma atuação tensa de Bradley Cooper em “Sniper Americano, novo longa de Clint Eastwood que concorre a seis Oscars.

O filme conta a história de Chris Kyle (Cooper), considerado o soldado mais letal do exército americano na guerra do Iraque, com mais de 160 mortos no currículo. Além de mostrar a experiência do protagonista em campo, o diretor remete à fórmula de outro filme seu, “A Conquista da Honra”, e se volta sobre a vida particular do sniper, enfocando seus dilemas familiares, a decisão de voltar ao front e a dificuldade de manter a cabeça longe da guerra.

Se analisarmos o cinema de Eastwood,  de “Os Imperdoáveis” até “Sniper Americano”, algumas respostas preocupantes àquela primeira questão vêm à tona. Uma delas, que o impulso agressivo define a masculinidade de um homem (numa espécie de complexo de cowboy, às vezes literal). Outra, que o conceito de nação num país como os Estados Unidos pode se sobrepor ao de família e ao de humanidade.

No caso da primeira ideia, o filme não poderia ser mais didático: logo no início, vemos Chris Kyle (Cooper) e seu irmão mais novo envolvidos numa briga na escola. Para proteger o caçula, Kyle pula sobre o agressor e o ataca com socos, persistindo na violência mesmo depois de ter resolvido o problema. Seu pai aprova. Décadas depois, um veterano em recuperação pratica tiro ao alvo e, ao acertar, diz que finalmente recuperou seus colhões. O paralelo é nítido.

A guerra, aos olhos de Eastwood, é como uma briga de meninos. O "o irmão mais velho" quer proteger a família, mas não sabe como fazê-lo senão medindo a força física. Ou, no caso, o alcance dos rifles. Vence quem machucar mais o outro – mesmo que, no caminho, as duas partes se esqueçam do motivo pelo qual estavam brigando.

A segunda ideia é um pouco mais difícil de digerir para o público brasileiro - um povo que, via de regra, trocaria de país na primeira oportunidade, mas que, talvez por isso, tenha uma tolerância muito maior com culturas estrangeiras. Lá, no calor do pós-11 de setembro, qualquer ataque a um cidadão norte-americano passou a significar uma declaração de guerra.

Uma cena que explicita essa ansiedade coletiva por vingança é uma notícia que Kyle vê na TV, narrada da seguinte forma: “não sabemos o que ocasionou o ataque, mas alguém com certeza está contra os EUA”. É assim, sem saber por quê, que centenas de homens, jovens e adultos, obrigados ou voluntários, marcham rumo à morte (sua ou de um inimigo igualmente determinado), nas ruas empoeiradas do Iraque. E se iludem, acreditando que marcham em direção à glória.

Atualizado em 19 Fev 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Animação francesa “A Bailarina” é opção para as férias

Filme mostra uma menina que sonha em ser bailarina, mas, para isso, terá que aprender lições importantes de vida

Rita Repulsa, Zordon e Alpha 5 estão no novo trailer dos "Power Rangers"; assista

Remake da série dos anos 90 estreia em março

“xXx: Reativado” – terceiro filme da franquia estrelada por Vin Diesel estreia nesta quinta

Longa traz Nina Dobrev no elenco e tem participação de Neymar Jr.

“Não há nada que ela não possa fazer”, diz Ryan Gosling sobre Emma Stone em entrevista exclusiva

Atores trocaram elogios na pré-estreia de “La La Land” em Los Angeles

Confira o novo (e lindo) pôster de "A Bela e a Fera"

Novo live-action da Disney estreia no dia 17 de março

Pixar lança vídeo mostrando que os seus filmes estão realmente conectados; vem ver!

Brinquedos de "Toy Story" em "Monstros S.A." e outras conexões!