Guia da Semana

Star Trek - Além da Escuridão dá novo fôlego à franquia

J.J.Abrams prova a que veio com o segundo filme da nova geração de Star Trek

O segundo filme da franquia Star Trek nas mãos de J.J. Abrams finalmente ganhou uma “aura” épica comparável à de sua prima não-tão-distante, a saga Star Wars. Com isso, o diretor finalmente eliminou qualquer desconfiança que se pudesse ter quanto ao próximo episódio da série de George Lucas, a ser dirigido por Abrams pela primeira vez a partir do ano que vem. Star Trek – Além da Escuridão chega aos cinemas no dia 14 de junho estabelecendo um nível alto para os próximos lançamentos de ficção científica: Círculo de Fogo que se cuide.

+ Saiba mais sobre o Dia da Toalha - o dia do orgulho nerd
+ Confira um roteiro com as melhores lojas geeks em São Paulo
+ Entenda os planos da Walt Disney para a saga Star Wars

Para os aficionados por salas especiais, a dica é não sentar muito à frente. Você pode levar alguns minutos para se acostumar à tela, prejudicando a primeira (e mais bonita) cena do filme: a perseguição de Kirk (Chris Pine) e Bones (Karl Urban) pelas matas vermelhas de um pequeno planeta, distraindo o povo primitivo enquanto Spock (Zachary Quinto) se arrisca num vulcão em erupção. A adrenalina inicial prepara bem os ânimos para o que vem por aí: Spock está entre a vida e a morte, mergulha no fogo e precisa fazer escolhas. Até onde ele conseguirá manter o controle?

De volta à Terra, após alguns sermões, Kirk é rebaixado e Spock, transferido. Mas o castigo não dura muito: em minutos, a sede dos arquivos da Frota Estelar é explodida e tem início a verdadeira missão. A Enterprise deverá caçar o fugitivo, que se esconde no território inimigo dos Klingon. Como essa, não faltam referências ao universo Star Trek.

Além da Escuridão, porém, evita a nostalgia e crava seu próprio espaço no vasto universo mítico da série, amarrando alguns nós e desatando outros. Assim, cumpre a tarefa de renovar o fôlego de uma história que já soma mais de 40 anos.

J. J. Abrams toma algumas liberdades ousadas: seu Spock, por exemplo, experimenta momentos de humanidade que levam o público ao delírio, mas por pouco não extrapolam os limites do personagem. É um equilíbrio tenso, mas bem sucedido, explorado também no vilão John Harrison (Benedict Cumberbatch), que transita entre a lógica e a emoção de uma forma mais perversa.

Como não poderia deixar de ser, as cenas de ação e destruição são memoráveis – especialmente a do salto de Kirk e John no espaço. Mas não é a tecnologia que faz do novo Star Trek um filme contemporâneo. São as influências cinematográficas que moldaram o diretor e que escorrem por todo o seu trabalho, o tempo todo: de Tron a Star Wars, de Indiana Jones a Robocop. Uma escola e tanto para o cinema de ficção.

 

Atualizado em 6 Jun 2013.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Logan” e “A Bela e A Fera” são os filmes mais vistos nos cinemas em 2017; confira os números

Veja o balanço completo das bilheterias mundiais em 2017

15 Filmes que dão uma aula sobre preconceito racial

Títulos como “Moonlight” e “Estrelas Além do Tempo” têm colocado o tema no centro das atenções

Marvel Studios divulga pôsteres incríveis de "Guardiões Galáxia Vol 2"

Filme estreia nos EUA em 27 de abril

10 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em abril

"Joaquim" e "Guardiões da Galáxia Vol. 2" estão entre os destaques do mês

Pennywise está assustador em nova foto de "It: Uma Obra-Prima do Medo"

Adaptação do livro de Stephen King estreia em setembro

Aquaman rouba a cena em novo teaser de "Liga da Justiça"; assista

Filme estreia no dia 16 de novembro