Guia da Semana

“Uma Lição de Vida” mostra jornada de um idoso rumo à alfabetização

Filme se passa no Quênia e é baseado numa história real

Em 2003, o governo queniano anunciou que a educação seria livre para todos. Kimani Ng'ang'a Maruge, de 84 anos, acreditou naquele discurso e foi bater à porta da professora Jane Obinchu, numa escola primária.

A história parece fabricada para a tela grande, mas aconteceu de verdade e até rendeu um recorde no Guinness. Depois, inevitavelmente virou filme: “Uma Lição de Vida” estreia em agosto no Brasil, com um atraso de quatro anos, e tem tudo para agradar ao gosto brasileiro.

Para quem está acostumado a conviver com a EJA (educação de jovens e adultos) universidades abertas à terceira idade, alfabetização de adultos e outros cursos semelhantes, as barreiras de preconceito enfrentadas por Maruge (Oliver Litondo) soam anacrônicas. Mas é preciso lembrar que estamos numa cidade pobre e rural no Quênia, onde a escola tem uma única sala de aula, preparada para 50 alunos, e já recebe mais de 200. Além disso, ela não tem água encanada ou luz elétrica. É como se estivéssemos no mais profundo sertão nordestino.

Naomie Harris, que também trabalhou com o diretor Justin Chadwick em “Mandela – O Caminho Para a Liberdade”, assume o papel da professora. Sua personagem é um pouco caricata, perdendo alguns pontos em relação a outros clássicos do cinema de educação (como “Mentes Perigosas” ou “Entre os Muros da Escola”), mas isso acaba evidenciando outra vocação do filme: o drama histórico.

Maruge, esse sim, é um personagem completo: quando jovem, ele lutara junto a um grupo extremista pela independência do país. Por conta disso, fora preso e torturado (em cenas que lembram tanto “12 Anos de Escravidão” quanto “Django Livre”) antes de cair na miséria e no esquecimento.

Ressentido, ele tem convicção de que o governo, bem como o povo que hoje vive em relativa paz, tem com ele uma dívida eterna – e, apesar disso, tudo o que pede é a educação. Soma-se à cicatriz colonial outra ainda mais profunda, causada por desavenças milenares entre tribos da região.

“Uma Lição de Vida” peca pelo nome genérico (foi chamado de “O Estudante” em alguns países) e passa perto de uma abordagem igualmente frágil do tema da educação, mas ganha brilho ao dar atenção a uma comunidade tão singular. A cidadezinha e sua escola afastada simbolizam tantas outras, marcadas pela miséria, pela humilhação e pelo preconceito – mas que nem por isso deixam-se perder o orgulho. Podemos vê-lo nos olhos leitores de Maruge.

Assista se você:

  • Gosta de histórias de superação
  • Gosta de filmes sobre educação
  • Gosta de filmes sobre partes esquecidas da História

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes previsíveis
  • Não gosta de filmes sobre educação
  • Não gosta de filmes baseados em histórias reais

Atualizado em 15 Ago 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Festival gratuito de cinema francês pode ser visto em qualquer lugar

7ª edição do MyFrenchFilmFestival acontece entre 13 de janeiro e 13 de fevereiro

Sesc Santana exibe óperas europeias na tela de cinema

“A Flauta Mágica” e “Aida” têm exibições em janeiro

10 Filmes sul-coreanos que você precisa conhecer

Filmes como “A Criada” e “Invasão Zumbi” são exemplos do crescimento do cinema comercial no país

Michael Fassbender fala sobre a adaptação de “Assassin’s Creed” para os cinemas

Filme estreia no Brasil no dia 12 de janeiro

Natalie Portman encarna a Sra. Kennedy no pesado e surpreendente “Jackie”

Filme reconta o assassinato do presidente americano sob o ponto de vista da primeira-dama

Andrew Garfield fala sobre selinho em Ryan Reynolds no Globo de Ouro - e repete a dose em apresentador!

Ao falar sobre o assunto, Garfield beijou Stephen Colbert