Guia da Semana

“Velozes e Furiosos 7” é uma grande homenagem a Paul Walker e ao espírito da série

Filme combina exageros de ação com momentos de sensibilidade e melancolia

Quando “Velozes e Furiosos 7” chegar aos cinemas, nesta quinta-feira, prepare-se para ver marmanjos derramando lágrimas e prometendo amor eterno à saga que já completa quase quinze anos. Como explicar tanta lealdade a uma franquia apoiada em carros, tiros e explosões? O segredo, provavelmente, tem nome e sobrenome: Vin Diesel.

O ator que interpreta Dominic Toretto desde 2001 (e que só não participou do segundo filme) representa, dentro e fora do personagem, tudo o que os fãs mais admiram na série – que, por incrível que pareça, não são exatamente os carros. Por baixo de uma camada grossa de entretenimento banhado a testosterona, há um modelo de masculinidade sensível, personificada num protagonista que trata sua equipe como “família”, respeita a esposa e joga limpo até na hora de brigar.

Por trás das câmeras, Diesel não é tão diferente de Toretto: o ator não teve vergonha de chorar em público após a morte do amigo e companheiro de cena, Paul Walker (em 2013), e aproveitou a produção do filme para mobilizar uma das homenagens mais bonitas que o cinema já viu.

James Wan, o novo diretor da série (mais conhecido por seus trabalhos com horror), pode ter dado uma mãozinha nessa missão: se as cenas finais foram claramente idealizadas por Diesel, o restante do filme é obra do cineasta malasiano, que faz deste episódio, facilmente, o mais grandioso da franquia até agora.

“Velozes 7” é mais tudo: mais veloz, mais barulhento, mais melancólico e muito, mas muito mais absurdo. Pense em carros saltando de pára-quedas. Pense em Jason Statham vencendo uma luta no braço contra Dwayne Johnson. Pois é... Se esse é seu tipo de filme, vá fundo!

O longa aposta tão pesado em ação que temos a sensação de estar vendo um misto de “Os Mercenários” e “Transformers”, com a força bruta e o coração mole do primeiro (talvez Diesel e Stallone tenham mais em comum do que parecem) e os efeitos especiais estilo “o céu é o limite” do segundo. Entre os novos valentões, entram para o elenco Ronda Rousey, Kurt Russell e Nathalie Emmanuel (de Game of Thrones).

Com um enredo um pouco mais coerente que alguns filmes anteriores, o longa funciona como uma grande despedida a Walker. O vilão, desta vez, é Deckard Shaw (Statham), irmão do criminoso derrotado no filme anterior que aparece buscando vingança. Para proteger os amigos, Brian O’Conner (Walker) se une a Toretto numa última missão – jurando se dedicar exclusivamente à família quando tudo terminar.

Essa ideia de que a esposa e os filhos estão acima de tudo paira sobre a ação, deixando para os fãs uma mensagem bem clara: carros e tiros são apenas entretenimento; a família é a aventura da vida real. E é por esse tipo de postura, honesta e despretensiosa, que a franquia não acabará por aqui.

Atualizado em 2 Abr 2015.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Após polêmica, Bernardo Bertolucci desmente estupro em "Último Tango em Paris"

Diretor julgou repercussão como um "mal-entendido ridículo"

"Guardiões da Galáxia Vol. 2" tem o trailer mais assistido da história da Marvel

Continuação do longa de 2014 chega aos cinemas em abril de 2017

"Sully - O Herói do Rio Hudson" ganha nova data de estreia no Brasil

Filme em que Tom Hanks evita acidente aéreo teve lançamento adiado após tragédia com Chapecoense

Apresentador Jimmy Kimmel comandará o Oscar 2017

Notícia foi confirmada pela revista Variety

Assista à nova prévia de "Tamo Junto", comédia estrelada por Sophie Charlotte

Longa apresenta humor repleto de referências da cultura pop

Bertolucci revela que houve estupro em cena de "Último Tango em Paris" e revolta Hollywood

"Queria sua reação como garota, não como atriz", disse o diretor