Guia da Semana

10 espaços culturais alternativos para frequentar em SP

Diferentes opções para quem gosta de programas nada tradicionais.

A cidade de São Paulo é recheada de espaços culturais. Sejam galerias, museus ou casas especializadas em literatura ou na disseminação do saber, as opções são muitas e, sem dúvidas, para todos os gostos. 

Entretanto, também existem lugares incríveis para aqueles que gostam dos locais diferentes, mais alternativos e com uma programação mais cult.

Pensando nisso, o Guia da Semana lista 10 espaços culturais alternativos que você deveria visitar em São Paulo. Confira: 

Mirante 9 de Julho

De abandonado e esquecido a redescoberto, transformado e inesquecível, o Mirante 9 de Julho tornou-se um local único para quem ama arte, música e cultura. Mais que um monumento histórico reocupado, é também espaço cultural, cafeteria e restaurante, um ponto de encontro para turistas, moradores, trabalhadores e curiosos da região mais efervescente da cidade.
Hoje, com diferentes atrativos e um clima deliciosamente cult e alternativo, o Mirante é aberto para todos. É praça para se encontrar, mesa para trabalhar, tela para assistir, comida para experimentar, festa para celebrar.

CASA LEVI'S

O espaço funciona de 17 de março a 10 de abril e conta com uma programação cultural e gastronômica recheada de música, exposições, artes visuais e cardápios únicos, montados por uma turma que se destaca na gastronomia atual. O melhor de tudo? A entrada é gratuita.
A Casa funciona de quinta a domingo, com trocas semanais de exposições fotográficas e do cardápio. Já o quesito musical tem um espaço especial dentro do projeto: nas quintas acontecem shows de blues/jazz, nas sextas o melhor do indie rock e nos sábados e domingos sessões para toda a família, com as festas mais badaladas, shows, live painting e sessões de cineminha. Nos fins de semana, até mesmo os pets são bem vindos na casa.

CASA da XICLET

Em meio às tradicionais galerias da cidade, a Casa da Xiclet funciona como um espaço coletivo e independente, abrigando exposições, shows, projeções de filmes, oficinas e cursos.

MATILHA CULTURAL

Nascido a partir de uma produtora de filmes, a Olldog, o coletivo Matilha Cultural é um espaço no coração de São Paulo que possui uma agenda recheada de atividades culturais. A programação conta com exposições de arte, exibições de filmes, workshops e até uma feira de adoção de animais que rola todos os domingos.

Galeria Choque Cultural

A galeria Choque Cultural surgiu em 2003 com a proposta de trazer o público jovem e novos artistas para o mundo das artes. Já apresentou obras de mais de 200 artistas brasileiros e alguns de outros países.

Centro Cultural B_arco

É um espaço de pesquisa, reflexão, troca e criação de arte e cultura que há oito anos investe, potencializa e fomenta debates entre público, artistas e agentes culturais. A equipe de professores é formada por criadores, escritores, filósofos e artistas de relevância no cenário nacional e internacional, que, em parceria com o b_arco, elaboram cursos como projetos autorais desse artista-professor visando o desenvolvimento pessoal do aluno.

Epicentro Cultural

O Epicentro Cultural é um espaço de criação e circulação de artes visuais, música e atividades culturais. A casa promove apresentações de música autoral, exposições de arte, atividades educativas e outros eventos multilinguagem, incluindo performance e uma mostra mensal de audiovisual disparado em tempo real. Atualmente o espaço abriga um estúdio profissional de gravação que também funciona como palco, um selo, uma galeria de arte, um atelier aberto para desenvolvimento de propostas artísticas e oficinas, uma sala de pesquisa em linguagens eletrônicas e área externa para eventos, encontros e atividades abertas ao público.

Mundo Pensante

O Mundo desperta nas pessoas a curiosidade e a busca pelo conhecimento e pela cultura, contribuindo para o desenvolvimento da identidade cultural da cidade de São Paulo. Investe seus recursos na difusão da arte através de eventos, design e integração entre grupos musicais, coletivos de festas e artistas visuais.

Centro Cultural Rio Verde

Concebido para ser um espaço de experimentação artística, com infraestrutura para produção de shows, eventos, ensaios, reuniões, o Centro Cultural Rio Verde está na Vila Madalena desde 2009.
A programação abriga produções regulares, com festas com samba, ritmos latino, reggae e dub. O centro também aluga o espaço para ensaios, reuniões e eventos corporativos e abriga um charmoso coreto para apresentações ao ar livre, jardim, uma biblioteca, um bar com mesinhas na varanda, sala multiuso para aulas de dança e ensaios de teatro e um estúdio para ensaios e gravações com capacidade para 100 pessoas.

Casa do Saber

A Casa do Saber é um centro de debates e disseminação do conhecimento em São Paulo, que oferece acesso à cultura de forma clara e envolvente, porém rigorosa e fiel às obras dos criadores.
Em um ambiente extra-acadêmico, a Casa do Saber oferece cursos livres, palestras e oficinas de estudo nas áreas de artes plásticas, ciências sociais, cinema, filosofia, história, música e psicologia, reunindo renomados professores e conferencistas.

Atualizado em 24 Mar 2016.

Por Nathália Tourais
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Obras do MASP agora podem ser vistas em plataforma on-line gratuita

Museu integra a partir de hoje o acervo do Google Arts & Culture

Museu do Café, em Santos, inaugura exposição gratuita sobre propaganda da bebida

A partir de 28 de dezembro, os visitantes poderão conhecer as estratégias das marcas de café de 1900 a 1959

Especial férias: MASP abre ao público em todas as segundas-feiras de Janeiro

Programação de férias disponibiliza cinco dias a mais para visitar o Museu

5 motivos para assistir ao documentário "O começo da vida" na Netflix

O filme mostra a importância dos primeiros anos de vida sob a ótica dos quatro cantos do mundo

5 hotéis ao redor do mundo que são verdadeiras obras de arte

Confira locais com acomodações incríveis, mas que têm obras como protagonistas

Evolução dos emojis ganha instalação no Museu de Arte Moderna de NY

Os primeiros emoctions, criados em 1999, também entram para a coleção MoMA