Guia da Semana

Crítica: “Filho de Saul” explora a busca desesperada por sentido numa vida condenada à morte

Longa húngaro é favorito ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Esteja avisado: “Filho de Saul” é um filme pesado. Ao final da sessão, você não estará se sentindo bem e não terá certeza se gostou ou não do que viu. Mas é essa mesmo a ideia: o drama húngaro (em co-produção com outros quatro países) propõe uma visão nova sobre o Holocausto, focando nos efeitos psicológicos do horror sobre um tipo específico de prisioneiro: aquele que, em troca de alguns meses a mais de vida, é obrigado a trabalhar, na chacina contra o próprio povo.

Saul Ausländer (Géza Röhrig) é o protagonista, um judeu preso num campo de concentração nazista que, no momento em que o conhecemos, está orientando um grupo de novos detentos para o vestiário. Lá, ouvimos alguém dizer a eles que se lembrem dos cabides onde guardaram suas roupas, mas sabemos que eles nunca mais as vestirão. Saul também sabe e, após o banho de gás, entra na câmara para retirar os corpos e fazer a limpeza do local. Ele e seus colegas têm consciência de que sua vez chegará em breve.

Dois elementos incomodam muito em “Filho de Saul”, mas são essenciais para a narrativa. O primeiro é a câmera, que acompanha o protagonista o tempo todo num close exagerado, sobre seu ombro, como se fôssemos condenados a uma liberdade tão limitada quanto a sua. O segundo é o próprio Saul: com uma expressão vazia, ele anda de um lado ao outro como uma máquina, ou um zumbi, seguindo ordens sem erguer os olhos nem pronunciar uma palavra.

É um mero relance de expressão que passa por seu rosto quando ele vê o menino. Um sobrevivente, em meio a todos os mortos – não por muito tempo, já que o médico chega logo para asfixiá-lo e pedir sua autópsia. Será esse o filho de Saul? Algumas passagens do filme colocarão o parentesco em dúvida, mas o fato é que o protagonista encontra, no menino, um motivo para viver.

O garoto está morto, não há dúvida, mas Saul decide dar a ele um enterro decente e, para isso, precisa sequestrar o corpo, encontrar um rabino e cavar uma cova longe dos olhos dos guardas. O interessante é que sua jornada pessoal acontece paralelamente a um plano de rebelião dos detentos, que exigem sua participação. Escolherá ele os vivos ou os mortos? A escolha é mais complexa do que isso: de um lado, está a luta por sobrevivência, mesmo que desumana; do outro, o ritual pela transcendência da vida, mesmo que curta.

“Filho de Saul” levou o Grande Prêmio do Júri no Festival de Cannes e foi vencedor do Globo de Ouro de Melhor Filme Estrangeiro, o que faz dele o favorito para o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro. O longa, dirigido pelo estreante László Nemes, estreia no Brasil no dia 4 de fevereiro.     

Atualizado em 25 Jan 2016.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Dossiê da 41ª Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2017)

Acompanhe diariamente a avaliação dos filmes vistos pela nossa redação na 41ª Mostra

Estreias da semana: “A Guerra dos Sexos”, “Doentes de Amor” e mais 6 filmes

Drama com Robert Pattinson também é destaque nesta quinta-feira

'Jogos Mortais – Jigsaw' ganha prévias com cenas inéditas; confira!

Oitavo filme da franquia chega ao Brasil no dia 30 de novembro

Além da Morte: assista à entrevista com o elenco

Remake de “Linha Mortal” estreia nesta quinta, 19

20 filmes imperdíveis da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo 2017

Saiba por onde começar na hora de escolher os filmes que você verá na 41ª Mostra

“Detroit em rebelião”, “Logan Lucky” e mais 7 filmes estreiam nesta quinta-feira (12)

Novo longa de Kathryn Bigelow é destaque para o feriado