Guia da Semana

Praia do Futuro: não é fácil ser herói

Wagner Moura vive salva-vidas idolatrado pelo irmão em filme de Karim Aïnouz

Duas motos cortam a areia das dunas cearenses, lutando para dominar o ambiente desértico. A música quase ensurdece o espectador. Segundos depois, a tela é tomada pela água – não tão agressiva quanto esperamos do palco de uma tragédia, mas traiçoeira. É ali, na Praia do Futuro, que Donato perde um homem pela primeira vez.

Wagner Moura é o protagonista, um bombeiro que sustenta a mãe e o irmão mais novo, Ayrton (Savio Ramos, na versão mais jovem), trabalhando como salva-vidas em Fortaleza. “E se eu fosse levado por essa água?”, pergunta, só para ouvir a resposta idolátrica: “Você é o Aquaman, você pertence à água! Mas se precisasse, eu iria te salvar”.

Donato se envolve com o amigo da vítima, o alemão Konrad (Clemens Schick), e vê a oportunidade para fugir de uma realidade que não lhe oferece mais certezas. Em Berlim, apaixona-se de vez (de um jeito meio romântico, meio frio) e deixa tudo para trás. (Apaixona-se por outro homem, sim, mas isso é apenas um detalhe.)

Anos depois, Ayrton (Jesuíta Barbosa) é só raiva e rebeldia, mas cruza o oceano sozinho porque sabe que é sua missão. Ele prometera ser o herói de Donato, quando as águas o levassem para longe da praia.

A ideia do herói é central no drama: de figuras como Aquaman, Speed Racer e Motoqueiro Fantasma à canção Heroes, de David Bowie, que emoldura o quadro final (uma partida, como em outros filmes do diretor Karim Aïnouz).

Donato é frequentemente referenciado como o herói, inclusive num dos sub-títulos (são três: “O abraço do afogado”, “Um herói partido ao meio” e “Um fantasma que fala alemão”). Ele é um herói para os banhistas e para o irmão, mas não para si – na verdade, pouco vemos de heroico em suas ações, mais egoístas do que nobres. O que se vê, afinal, é que os três personagens se salvam mutuamente – Donato a Konrad, Konrad a Ayrton e Ayrton a Donato.

A relação entre Konrad e Donato espelha o abismo entre as culturas, entre o calor do Ceará e o frio úmido de Berlim. Os dois parecem distantes no diálogo, mas se entendem nos gestos mais simples. Uma curiosidade: Schick confessou que a barreira da língua dificultou sua expressão, o que transparece na tela (e torna tudo ainda mais verdadeiro). 

Praia do Futuro tem passo lento e trilha sonora contida, mas carrega mensagens poderosas sobre medo, coragem e escolhas. O filme, no fim, é uma história de amor, mas com aquele jeito masculino de expressar (ou não) certos sentimentos – seja entre os amantes, seja entre os irmãos.

Assista se você:

  • Gosta dos filmes de Karim Aïnouz
  • Quer ver Wagner Moura num papel polêmico

Não assista se você:

  • Não gosta de filmes lentos ou com pouca ação
  • Não gostou dos outros filmes de Karim Aïnouz 

 

Atualizado em 9 Mai 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

22 filmes para ver por até R$ 4 no Dia do Orgulho Nerd

"Batman: O Cavaleiro das Trevas" e "Harry Potter e as Relíquias da Morte" estão em cartaz por preços reduzidos

7 motivos para assistir ao novo “Piratas do Caribe – A Vingança de Salazar”

Quinto filme da série chega aos cinemas nesta quinta-feira, 25 de maio

Filme "Extraordinário", com Julia Roberts e Jacob Tremblay, ganha trailer emocionante

Longa inspirado no best-seller de R.J. Palacio estreia em novembro

20 Filmes que você vai querer ver nos cinemas em junho

"Mulher Maravilha", "A Múmia" e "Meu Malvado Favorito 3" estão entre os destaques do mês

Mostra itinerante exibe "Up - Altas Aventuras" e outros três filmes de graça em São Paulo

“Up – Altas Aventuras” e “O Sorriso de Monalisa” estão no cardápio do Cinemóvel Carrefour

Continuação de "Mamma Mia" é confirmada

Intitulado "Here We Go Again!", filme estreia em 2018