Guia da Semana
Música
Por Lidia Capitani

Saiba quais são os melhores discos nacionais de 2020

Álbuns de Kiko Dinucci, Luedji Luna, Rico Dalasam, Djonga e Letrux estão na lista.

Letrux | Jup do Bairro (Fotos: Divulgação (via FSB Comunicação - assessoria de imprensa da Faculdade Descomplica) | Felipa Damasco e Cai Ramalho (via FT Estratégias))

Com 2020 chegando ao fim, já sabemos quais os discos que mais estiveram conosco. Aqueles que nos fizeram chorar, cantar, dançar e refletir. Neste ano, a música brasileira foi agraciada por ótimos lançamentos. Tivemos estreias de artistas que despontaram em 2020, além de músicos que ressurgiram após algum tempo parado.

Pensando nisso, o Guia da Semana selecionou os 10 melhores discos nacionais de 2020. Confira:


► "BOM MESMO É ESTAR DEBAIXO D’ÁGUA", LUEDJI LUNA

‘Bom Mesmo É Estar Debaixo D’água’ é o segundo disco da cantora baiana Luedji Luna. Ela aprofunda suas músicas que havia iniciado no trabalho anterior, ‘Um Corpo no Mundo (2017)’, com melodias minimalistas e muito sentimentalismo. As canções apresentam pequenas inserções tribais, que se inserem no imaginário da celebração da negritude.


► "DOLORES DALA GUARDIÃO DO ALÍVIO", RICO DALASAM

Após três anos, Rico Dalasam retorna em 2020 com o lançamento “Dolores Dala Guardião do Alívio”, talvez uma de suas obras mais sensíveis. No disco, ele traz toda a sua dor, sensibilidade, alívio e reflexões íntimas em suas letras. É um álbum de memórias que retrata o turbilhão de emoções que o artista passou nos últimos anos.


► "RASTILHO", KIKO DINUCCI

“Rastilho” é o segundo disco da carreira solo de Kiko Dinucci. Aqui, vemos um compositor diferente, que utiliza do violão solitário e vozes ecoadas que dão um toque psicodélico e se afastam da concretude e urbanismo do álbum anterior. Inclusive, em “Rastilho” há referências ao sertanejo e ao árido sertão nordestino.


► "CORPO SEM JUÍZO", JUP DO BAIRRO

Jup do Bairro é uma artista paulista que estreia seu disco de estúdio em 2020, chamado “Corpo sem juízo”. Ela versa sobre política, romances, delírios e medos numa mistura de gêneros. Jup do Bairro flerta com o pop, R&B e rock, e possui participações especiais de nomes como Rico Dalasam, Linn da Quebrada e BadSista.


► "HISTÓRIAS DA MINHA ÁREA", DJONGA

O rapper mineiro Djonga não para. Em 2020 ele trouxe seu quarto disco, “Histórias da minha área”. Como o nome do álbum indica, ele traz histórias de sua trajetória, de forma a orgulhar-se de suas origens e reforçar sua identidade. Sem dúvidas, Djonga é um dos artistas mais impressionantes da nova safra do hip hop nacional.

► "LETRUX AOS PRANTOS", LETRUX

A carioca retorna com seu segundo disco em 2020, intitulado “Letrux aos prantos”. Ele é o sucessor de “Noites de Climão”, que elevou a artista ao hype musical. Seu eletropop traz letras sobre amores, dores, suor e prazer.


► "INTEIRO METADE", FELIPE PUPERI

“Inteiro metade” é o primeiro disco do projeto “Tagua Tagua”, de Felipe Puperi. Ele atravessa nossos ouvidos com composições coloridas, guitarras que lembram os anos 70, metais e linhas de baixo que embalam o ouvinte. Trata-se de um disco criativo, com toques românticos e íntimos nas letras do gaúcho.


► "40º.40", SD9

Capaz de ser um dos trabalhos mais criativos do ano, o disco “40º.40” traz um lirismo minimalista que sintetiza o grime brasileiro. Tal gênero assemelha-se ao hip hop, porém, possui componentes mais eletrônicos. SD9 retrata o Rio de Janeiro em sua dualidade, uma cidade tropical, bonita e prazerosa, mas que muitos sofrem pela realidade dura.


► "OLORUM", MATEUS ALELUIA

Em seu terceiro disco solo, Mateus Aleluia traz um disco repleto de suplícias num ano conturbado. Integrante da banda Os Tincoãs, o músico traz elementos do candomblé, com alusões aos orixás e cânticos. Ele traz músicas com forte percussão, ritmos diferentes e pesquisas sobre a sonoridade africana.


► "DO MEU CORAÇÃO NU", ZÉ MANOEL

De um modo profundamente sentimental e dolorido, Zé Manoel entrega seu último disco, “Do meu coração nu”, para que os ouvintes reflitam e sintam suas dores. Ele versa muito sobre o racismo e a brutalidade policial contra o povo negro, enquanto suas melodias são carregadas por um tom agridoce.


Por Lidia Capitani

Atualizado em 21 Dez 2020.

Mais notícias

Lista: saiba quais são os discos mais aguardados de 2021

Música

10 discos de David Bowie para ouvir o quanto antes

Música

7 discos lançados em dezembro de 2020 para ouvir o quanto antes

Música

Saiba quais foram os artistas mais ouvidos em 2020

Música

10 melhores discos internacionais de 2020

Música

10 discos de Natal para ouvir nas festas de fim de ano

Música
Guia da Semana Premium
Nosso conteúdo na melhor forma!

Aproveite o Guia da Semana de forma mais rápida, sem banners ou publicidade digital!