Guia da Semana
TV
Por Guilherme Schiff

5 motivos para assistir à série Homeland

A série aborda o conflito entre os Estados Unidos e o Oriente Médio de maneira extremamente eficaz.

Homeland estreou em 2011 e já está na 5ª temporada (Divulgação)

Homeland é uma das séries americanas mais conceituadas e premiadas dos Estados Unidos. Desenvolvida por Howard Gordon e Alex Gansa, é baseada no seriado israelense 'Hatufim'. Para os fãs de filmes de ação e espionagem, a série, cuja primeira temporada estreou em 2011, é um prato cheio.

A trama gira em torno do sargento americano Nicholas Brody, um fuzileiro de guerra que é encontrado no Iraque após oito anos desaparecido. Ele volta para os Estados Unidos como herói e passa por um difícil processo de readaptação social. O problema é que a oficial de representações da CIA, Carrie Mathison, passa a acreditar que Brody foi convertido para o islamismo pelo líder da Al-Qaeda, Abu Nazir.

Guia da Semana listou 5 motivos para você assistir à série Homeland e viciar nela. Confira:

1- SEM PATRIOTISMO EXAGERADO

Um aspecto diferente do normal em séries americanas é que Homeland não fica "puxando o saco" dos Estados Unidos, seja na política, polícia ou na própria CIA. O patriotismo exagerado pode deixar filmes e séries mais chatos, mas Homeland faz justamente ao contrário: muitas vezes a trama questiona a posição americana na guerra, deixando até mesmo os espectadores em dúvida de quem seriam os reais terroristas.

2- ÓTIMOS ATORES

Como em toda boa série, os atores precisam ser bons. Os de Homeland são excelentes. Carrie Mathison (Claire Danes) convence demais com sua bipolaridade e emoções exageradas, enquanto Nicholas Brody (Damian Lewis) é sinistro. Ele realmente passa a imagem das sequelas mentais de ser um prisioneiro de guerra por oito anos. Os dois têm uma forte química. Há outros atores que também fazem muito bem os seus papéis, como o "pai" de Carrie na CIA, Saul Berenson (Mandy Patinkin), e a esposa de Brody, Jessica (Morena Baccarin).

3- A GUERRA

A guerra entre os Estados Unidos e o Oriente Médio é muito bem representada na série. Para quem gosta do assunto, os detalhes são ricos e é muito bacana de ver como os dois lados pensam e concretizam seus ideais. Dá para aprender bastante sobre a cultura árabe nesse aspecto e se aprofundar mais nesse conflito todo, que é um dos principais assuntos mundiais.

4- TRAMA CATIVANTE

Apenas a sinopse da história já é o suficiente para fazer o espectador gostar da série. A maneira como os diretores Howard Gordon e Alex Gansa trabalharam a trama deixou o seriado melhor ainda. Diferente de outros, a história não fica "óbvia", ela vai quebrando qualquer linha de pensamento lógico ao longo do tempo. As histórias paralelas da trama também são muito boas, de maneira que o espectador não se prenda apenas na história principal.

5- REALIDADE

Claro que a obra é uma ficção, mas a série apresenta muitos fatos que se aproximam da realidade. Observar a maneira que a CIA, o FBI e o governo americano trabalham e se expõe, sem contar toda a linha de raciocínio para decifrar algum crime, é impressionante. 


Por Guilherme Schiff

Atualizado em 21 Out 2015.

Mais notícias

MasterChef Brasil: cozinheiros vão preparar receita em prato não convencional neste domingo (19)

TV

Shows da Virada Cultural 2019 serão transmitidos ao vivo pela internet; saiba mais!

TV

“MasterChef": gastronomia mineira é o próximo desafio dos cozinheiros; saiba mais!

TV

Troféu Imprensa 2019 é neste domingo (28); saiba tudo!

TV

Conheça a trama da novela "A Dona do Pedaço", que estreia hoje (20) na Rede Globo

TV

MasterChef Brasil do dia 21 de abril tem prova com pimentas do mundo todo; saiba mais!

TV