Guia da Semana

4 bons motivos explicam porque seu filho deve crescer com um bicho de estimação

Maior concentração e interação social, fortalecimento do sistema imunológico e outros benefícios para a criança

Esqueça aquele velho mito que diz que crianças não devem conviver com um bichinho em casa. Hoje em dia, estudos já apontam muitas afinidades entre os pequenos e os pets. Pesquisadores da Finlândia concluíram, por exemplo, que crianças com menos de um ano que convivem com cães e gatos apresentam menos problemas de infecções. Além da vantagem para a saúde da criança, os bichinhos têm o poder de unir as pessoas. Vamos conhecer um pouco mais sobre os benefícios dessa amizade? 

Aposte no novo amigo

Image and video hosting by TinyPic

Se você está na dúvida se compra/adota ou não um animal de estimação para o seu filho, aposte que este novo membro na família será muito mais que apenas uma diversão para a criança. O bichinho ajuda no desenvolvimento emocional e afetivo dos pequenos, além de dar noção de responsabilidade. Pesquisadores afirmam que o convívio com animais de estimação pode deixar as crianças mais tranquilas e até mais obedientes. A criança se torna mais responsável e generosa, já que desenvolve afeto pelo animal de estimação.

Outras duas boas características apresentadas é uma personalidade mais autônoma e maior autoestima. Crianças que têm déficit de atenção passam a ter maiores níveis de concentração e interação social, uma vez que criam rotinas com os animais. Todas essas características influenciam nos contatos sociais da criança fora de casa. O convívio com o pet pode influenciar na maneira que se relaciona com os amigos na escola. A criança que tem um pet em casa é mais justa e menos egoísta. Ela aprende a não se comportar de uma maneira individualista e a dividir brinquedos e comida.

Outra boa dica que inflencia no comportamento da criança, é o ritual de levarem juntos o bichinho para passear. Esses passeios ao ar livre desenvolvem uma nova consciência da criança em relação ao meio ambiente, além de deixá-los mais próximos e fazer que ela se sinta protetora do animal.  

O convívio com o animal exemplifica alguns sentimentos que a criança precisará lidar no futuro e com seres humanos. Como os bichinhos têm uma vida mais curta que a nossa, a criança pode aprender a lidar com isso desde o nascimento até a morte do animal, compreendendo que este é o ciclo natural. 

Risco mínimo de doenças

Image and video hosting by TinyPic

Quando estão vacinados e em dia com o o tratamento contra vermes, o risco de transmissão de doenças é mínimo. 

Cães e gatos não aumentam o risco de alergias. Pelo contrário, de acordo com pediatras, fortalece o sistema imunológico, já que o contato com os micro-organismos do animal estimula o sistema de defesa da criança e faz com que ele fique mais fortalecido. Mas, se a criança já é alérgica, não deve ficar abraçando e beijando o pet. Se o seu filho já tem alergia, ele pode conviver com o animal, desde que sigam algumas orientações. Mantenha a casa e o animal limpos, principalmente se ele for criado em apartamento. Sempre consulte o pediatra ou o veterinário em caso de dúvidas. 

Fique de olho

Image and video hosting by TinyPic

Crianças pequenas, de até 4 anos, podem ver o animal como um bichinho de pelúcia e podem machucá-lo sem intenção, causando danos físicos para o pet e para o seu filho. Por isso, é altamente indicado que um adulto esteja por perto. O gato pode arranhar e o cachorro morder. Não é de propósito, mas o seu filho pode apertar a orelha do animal por curiosidade e irritá-lo. Ou jogá-lo para cima como se fosse um de seus brinquedos. Mostre que isso não é legal, fazendo carinho no pet.

Para evitar que inimizades aconteçam, ensine a criança como lidar com o animal. Mostre que o pet merece respeito e carinho. Dê a ela uma função, como colocar comida nos potinhos do cachorro ou ajudar na escovação dos pelos do gatinho. Façam as funções juntos, para que ela entenda o companheirismo entre vocês e não sinta ciúmes. 

Animais e bebês

Image and video hosting by TinyPic

Diferente do que se imagina, bebês e animais podem ser amigos do peito!  Se a criança chegou depois do bichinho, tenha calma no processo de aproximação dos dois. Vá devagar, até que eles se acostumem com a presença um do outro. As mamães evitam que os recém-nascidos fiquem no mesmo ambiente dos pets, mas isso não deve ser um problema. De acordo com especialistas, bebês com menos de 1 ano que convivem com animais de estimação, estão menos aptos a desenvolver dermatites, pois as proteínas que ajudam a regular o sistema imunológico aumentam muito nessas crianças.

Outra grande vantagem, é que um bebê que brinca com os bichanos desenvolve a coordenação motora mais rápido. Na dúvida, consulte o veterinário ou o pediatra sobre os cuidados necessários que devem ser adotados. Se o bebê vai chegar depois do bichinho, impeça a entrada do animal no quarto do bebê, assim ele não associará a restrição de circulação pela casa à chegada do novo membro da família. Outra dica é permitir que o animal se aproxime aos poucos do bebê, preferencialmente depois do quarto mês de vida. Deixe o pet cheirar os pés e as mãos da criança. Depois dos seis meses de idade, incentive a criança a chegar perto do animal e ensine-a a dar petiscos e a se divertirem com os brinquedos. 

Para não gerar ciúmes em alguma das partes, inclua o animal nas brincadeiras com o bebê. Mostre que todos têm atenção e a amizade entre os dois vai se fortalecer cada vez mais! 

Ensine para a criança alguns cuidados básicos antes de levar o pet para casa: 

  • Sempre higienizar as mãos depois do contato com o animal;
  • Respeitar o espaço do bichinho quando ele estiver dormindo;
  • Entender que cada um tem o seu espaço. O quarto da criança e a caminha do pet no cantinho que ele vive;
  • Deixe claro os limites de cada um para evitar que acidentes aconteçam;
  • Repreenda o pet caso ele esteja brincando de maneira violenta;
  • Mantenha a casa limpa. Principalmente o espaço onde os dois brincam.

Aposte nessa amizade verdadeira que pode durar anos. A parceria entre a criança e o bichinho pode render ótimos frutos. Com cuidado e muito carinho, a família vai ficar ainda mais unida! 

Ainda tem dúvidas? Deixe um comentário!

Atualizado em 15 Nov 2015.

Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

4 receitas de Panetone saudável para quem está de dieta

Quem disse que quem está de dieta não pode saborear um delicioso Panetone?

5 motivos para você pensar antes de aderir a uma dieta low-carb

O Guia da Semana conversou com a nutricionista Mariana Nacarato, da Equilibrium

7 receitas de biscoitos saudáveis para fazer em casa

18 receitas saudáveis e refrescantes para saborear no verão

Tem receita de bolo gelado, sorvete, smoothie e até de tartar!

12 exercícios ao ar livre para emagrecer e ainda curtir o verão

Que tal se exercitar e curtir um lindo pôr do sol ao mesmo tempo?

De água à manteiga de coco: conheça 6 maneiras de usar a fruta a favor da saúde

A fruta é rica em vitaminas, minerais e compostos que ajudam na prevenção de doenças