Guia da Semana

“A Cabana”: Octavia Spencer é Deus na adaptação do best-seller

Filme estreia no dia 6 de abril nos cinemas.

Se existe um motivo para ir aos cinemas conferir a adaptação do best-seller “A Cabana”, ele tem nome e sobrenome: Octavia Spencer. A atriz, que recentemente concorreu ao Oscar por “Estrelas Além do Tempo”, tem carisma suficiente para segurar uma produção que, salvo pelos primeiros minutos, tem dificuldade para ir além do discurso religioso de autoajuda.

Não que isso seja, em si, uma falha: o filme promete exatamente isso e seu público-alvo estará plenamente satisfeito com a adaptação. A armadilha está para quem não conhece a obra e, desavisado, é levado a acreditar que está assistindo a um suspense ou, pior, a um drama familiar onde as pessoas, de fato, irão lidar com a tragédia que lhes acomete como uma família: conversando, brigando, colidindo, sofrendo e aprendendo juntos. Mas esta é não é uma história sobre uma família que perde uma filha: é a história de um homem que perde sua fé (a família, e mesmo a menina desaparecida, são meros acessórios).

Tudo começa quando Mack (Sam Worthington) é criança e vê o pai agredindo a mãe. Anos depois, ele não consegue mais acreditar na bondade de Deus, mas é casado com uma cristã fervorosa e tem três filhos perfeitos. Então, durante uma viagem de férias, um filho se afoga e, enquanto o pai corre para socorrê-lo, a mais nova desaparece. Isso poderia se desenrolar para um thriller arrepiante, mas os detalhes da abdução da criança não importam para o roteiro (e nem, aparentemente, para a polícia).

O que acontece depois disso é que o pai se isola, a filha mais velha se retrai e a mãe segue cuidando de dois adolescentes sozinha como se nada tivesse acontecido. Cabe a Deus – ou Papa, como é apelidado carinhosamente –, na pele da própria Octavia Spencer cozinhando tortas e curtindo um som nos seus fones de ouvido (quem assistiu a “Matrix” se lembrará do Oráculo), oferecer ao homem incrédulo um final de semana agradável na mesma cabana onde sua filha fora assassinada. Um tanto mórbido, se me perguntarem... Mas por que não?

Ao lado de Spencer, habitam a cabana outras duas criaturas, interpretadas por Avraham Aviv Alush e Sumire Matsubara. Ele é um Jesus jovem e camarada; ela, a própria Criatividade, ou o Vento, ou o Sopro da Vida, e se apresenta como uma mulher oriental facilmente sensibilizada. É interessante que cada um tenha uma etnia e represente uma religião diferente, mas esse conceito não chega a ser desenvolvido. Note que Alice Braga faz uma participação especial (tenebrosa).

A Cabana” é um filme que funciona especificamente para o público religioso, mas mais como um sermão de domingo do que como bom cinema – esticado excessivamente por um roteiro de mais de duas horas, explicativo demais e pontuado por viradas óbvias demais. Para fãs do livro, vale o passeio, já que pode ser interessante ver as representações dos personagens na tela. Para todos os outros, talvez seja melhor ficar em casa.

10 destinos religiosos ao redor do mundo para conhecer

O turismo religioso, também chamado de peregrinação, movimenta milhões de pessoas por ano

Relembre 10 Filmes Polêmicos Sobre Religião

Entenda melhor o cristianismo e outras crenças por meio do cinema

7 filmes espíritas que você precisa assistir

Conheça 7 filmes que emocionam e ensinam um pouco sobre a doutrina espírita

Atualizado em 3 Abr 2017.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“Gostosas, Lindas e Sexies” – Sex and the City à brasileira chega aos cinemas com elenco plus-size

Filme estreia nesta quinta, 20 de abril

Será? Will Smith pode ser o Gênio no live-action de "Aladdin"

Segundo o Deadline, ator está em negociações com a Disney

5 Motivos para (ir correndo) ver “Guardiões da Galáxia Vol. 2”

Filme chega aos cinemas no dia 25 de abril e já tem ingressos à venda

“Paixão Obsessiva”: suspense trash com Katherine Heigl estreia nesta quinta

Heigl interpreta uma ex-mulher determinada a eliminar a atual

“Paterson” - Adam Driver é um poeta do cotidiano em novo filme de Jim Jarmusch

Filme conta a história de um motorista de ônibus que escreve poemas nas horas vagas

Cinemark exibe “...E O Vento Levou” na próxima terça-feira

“2001: Uma Odisseia no Espaço” e “O Mágico de Oz” serão os próximos clássicos na programação