Guia da Semana

“Entre Nós”: suspense nacional explora universo de escritores e críticos

Filme com Carolina Dieckmann e Caio Blat tenta escapar de clichês, mas não oferece surpresas

O cinema nacional vem vivendo uma espécie de renascimento nos últimos anos, arriscando-se (finalmente) fora do óbvio lucrativo de comédias novelescas e dramas policiais. Não que estes não continuem se proliferando e dominando as bilheterias, mas existe, hoje, espaço maior para outras discussões. Uma delas é a de Paulo Morelli, sobre autoria e ética, no suspense “Entre Nós” que estreia esta semana nos cinemas.

O filme conta a história de sete amigos, aspirantes a escritores ou críticos literários nos seus 20 anos, que se encontram numa casa de campo para beber, paquerar e enterrar suas memórias na terra. Durante um fim de semana sabático, cada um escreve uma carta para si mesmo, que será aberta dez anos depois. Ao final da viagem, porém, uma tragédia acontece.

O estranhamento de ver um grupo de atores adultos agindo como adolescentes tardios (numa versão oitentista de Woodstock) dura pouco e, logo, somos transportados no tempo para a mesma casa, uma década depois. Os ânimos estão menos exaltados e pouco se fala sobre “o acidente”.

Um dos personagens em especial (Caio Blat) parece querer evitar o assunto, por razões bastante óbvias para o espectador, mas obscuras para seus colegas. Enquanto o momento da abertura das cartas se aproxima, a situação vai ficando insuportável – tanto para o portador do segredo quanto para os outros amigos (Carolina Dieckmann, Paulo Vilhena, Maria Ribeiro, Júlio Andrade e Martha Nowill), por razões que envolvem antigas paixões e sonhos falidos.

“A primeira frase do livro deve ser a mais impactante”, discursa um dos protagonistas entre os primeiros dez minutos de filme. Curiosa afirmação, já que o roteirista do longa escolheu “É foda” como sua frase de abertura. Coisas de quem quer chocar a todo o custo, inseguro quanto à capacidade do público de captar sutilezas.

É a vontade de se fazer compreendido a qualquer custo que enfraquece os conflitos, bastante ricos a princípio. Entendemos que os personagens estão sofrendo, estão confusos quanto ao que é certo e errado, estão arrependidos. Mas não sobra espaço para a dúvida e o suspense se reduz a uma espera pelo momento da revelação – ou não. Nada inesperado acontece para que o público se surpreenda, e o resultado é uma reflexão de mão única. Instigante, mas previsível.

Assista se você:

- Quer ver um filme nacional diferente
- Gosta de literatura e se identifica com personagens escritores
- Procura um suspense sem violência ou sustos

Não assista se você:

- Procura uma comédia para relaxar
- Não gosta de suspense ou drama
- Quer ver um filme com viradas surpreendentes

Atualizado em 29 Mar 2014.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

“O Poderoso Chefinho”: animação adorável sobre um bebê “adulto” estreia em março (e vai conquistar seu coração)

Filme explora a relação entre um menino de 7 anos e seu novo irmãozinho

Final do Super Bowl será transmitida ao vivo nos cinemas

Evento acontece no dia 5 de fevereiro e terá show de Lady Gaga no intervalo

Kim Kardashian e Kendall Jenner estão confirmadas no remake de "Onze Homens e Um Segredo"

Filme de 2001 ganhará adaptação com elenco 100% feminino

Emma Watson recusou papel de Cinderela antes de "A Bela e a Fera"

"Simplesmente senti que a personagem ressoou muto mais comigo", explicou a atriz

Críticos brasileiros elegem "Aquarius" e "Elle" como os melhores filmes de 2016

Abraccine também escolheu "Estado Itinerante" na categoria curta-metragem

"Minha Mãe é uma Peça 2" é o terceiro filme nacional mais assistido desde 2002

Comédia estrelada por Paulo Gustavo estreou em dezembro e segue em cartaz