Guia da Semana

“Kong – A Ilha da Caveira” coloca King Kong de volta ao panteão dos grandes monstros do cinema

Filme com Tom Hiddleston e Brie Larson chega aos cinemas nesta quinta-feira

Será que tudo o que é clássico precisa ser intocável? Os puristas que me perdoem, mas “Kong: A Ilha da Caveira” prova muito bem que não. Sem deixar de lado as referências devidas, a megaprodução do ainda desconhecido Jordan Vogt-Roberts (“Os Reis do Verão”) se arrisca a transformar a história e fazer de Kong não um monstro frágil e incompreendido, mas um rei de fato.

Ironicamente, o título “King” desaparece aqui, para dar mais ênfase ao reino – a tão misteriosa Ilha da Caveira, que, pela primeira vez, deixa de ser localizada no oceano Índico para se estabelecer nas águas turbulentas do Pacífico. A novidade não é mero capricho: ambientado nos anos 70, imediatamente ao fim da Guerra do Vietnã, o filme costura o contexto da Guerra Fria com a Segunda Guerra Mundial promovendo um encontro entre EUA e Japão no território neutro de Kong, bem como um encontro entre passado e presente (ou passado e passado, para os espectadores) que coloca todos esses conflitos em perspectiva.

Tudo, na verdade, começa com a guerra: Bill Randa (John Goodman), um cientista interessado em provar a existência de criaturas que vivem em “bolhas” sob a superfície, se aproveita da rivalidade com a Rússia para conseguir financiamento para uma expedição, alegando que “os EUA vão querer chegar primeiro a uma ilha inexplorada”. Juntam-se a ele um pequeno batalhão do exército americano (comandado, obviamente, por Samuel L. Jackson), uma fotógrafa (Brie Larson), uma dupla de cientistas (Corey Hawkins, de “Straight Outta Compton”, e a estrela chinesa Tian Jing) e um especialista em navegação (Tom Hiddleston).

É claro que Jackson será algo como o representante do Mal na equipe, tendo sido frustrado pela retirada dos EUA do Vietnã, enquanto o personagem de Hiddleston, James Conrad, faz as vezes de herói. O maniqueísmo, entretanto, não chega a criar raízes, já que o foco não são eles – é a ilha e seus monstros, muito mais poderosos do que um bando de formiguinhas humanas querendo invadir seu espaço.

 

Além disso, apesar de Conrad ter uma postura de liderança, a personagem de Larson, Mason Weaver, tem um protagonismo equivalente, jamais assumindo o papel da donzela em perigo que tornou “King Kong” tão popular nos anos 30. No lugar, Vogt-Roberts faz apenas uma referência sutil à relação entre ela e o gorila, deixando no passado a máxima de que “a bela matou a fera” para adotar algo mais próximo de “os humanos conheceram a fera”.

Essa também é outra grande (e corajosa) novidade do filme: o objetivo da expedição não é sequestrar ou matar Kong, mas sim levar provas de sua existência para que outras expedições sejam feitas e outros seres como ele sejam mapeados. O filme, em outras palavras, não sai da ilha, e esse é seu maior presente para os fãs. Finalmente podemos ver em detalhes a relação do Rei com as criaturas ao seu redor (o que inclui animais gigantes e um déja-vu sinistro de “Querida Encolhi as Crianças”), com a tribo nativa (agora mostrada como sábia e pacífica, e não mais como primitiva e violenta) e mesmo com os invasores, mas num contexto em que ele tem o controle.

Esse ponto de vista coloca Kong estrategicamente (para a Legendary, dona de títulos como “Godzilla” e “Círculo de Fogo”) como apenas uma criatura num contexto em que se assume que há muitas outras. Para os fãs, as consequências disso são óbvias – inclusive, a organização secreta Monarch, apresentada pela primeira vez em 2014 no “Godzilla” de Gareth Edwards, é citada. E, para quem se animou com a ideia, pode valer a pena esperar pela cena pós-créditos.

 

Tudo isso mostra como “Kong: A Ilha da Caveira” se posiciona em relação às origens – com reverência, mas também com consciência e ambição. Esse, porém, está longe de ser o maior trunfo do filme: na verdade, o que faz de “Kong” um sucesso é o fato de ele ser um filme divertido, atraente e assustadoramente bem feito.

A aventura está ali, os monstros estão ali desde o início, esbanjando monstruosidade, e há humor, ação e suspense nas doses certas. A fotografia se inspira em clássicos de guerra, como “Apocalypse Now”, e abusa de takes com pôr do sol, fogo e poeira. Kong, em si, é um escândalo: imenso como jamais se viu, coberto pelas texturas certas e com apenas o toque de humanidade necessário aos olhos. A trilha sonora e os cortes rápidos também ajudam a dar ritmo, lembrando em alguns momentos o tom de “Rua Cloverfield, 10” (que também tem John Goodman no elenco).

“Kong”, enfim, é um tiro certo nos corações dos fãs – seja para os amantes do personagem ou os devotos do cinema “de monstro”. Atualizado para um novo contexto e um novo público, o gorila mais icônico de Hollywood pode voltar a ocupar seu espaço de honra no imaginário do público, sem medo de parecer piegas, sexista ou infantil. Ele, agora, é um monstro de respeito.

15 Filmes imperdíveis que chegam aos cinemas em março de 2017

“A Bela e A Fera”, “Logan” e “Vigilante do Amanhã” estão entre as estreias do mês

Lançamentos de filmes em 2017

Confira o calendário completo de estreias de 2017

20 estreias de 2017 que vão despertar seu lado nerd

“Homem-Aranha” e “Star Wars: Ep. VIII” estão entre os principais lançamentos do ano

Atualizado em 9 Mar 2017.

Por Juliana Varella
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

Diretor de "Os Vingadores" comandará filme solo da Batgirl

Ainda não há previsão de estreia

Pixar divulga curta para apresentar personagem (fofo!) de sua nova animação

O cachorrinho Dante estará em "Viva - A Vida é uma Festa"

“It”: terror baseado em obra de Stephen King ganha trailer sinistro

Filme com ator de Stranger Things estreia em setembro nos cinemas

“A Vigilante do Amanhã – Ghost in the Shell”: tudo o que você precisa saber sobre o filme

Longa com Scarlett Johansson é um espetáculo visual e um remake fiel – mas as discussões filosóficas já não impressionam mais

Novo trailer de “Valerian e A Cidade dos Mil Planetas” mostra a exuberância de seu universo fantástico

Filme de Luc Besson chega aos cinemas no dia 10 de agosto

Infância de Pharrell Williams será retratada em musical de Hollywood

"Atlantis" terá produção da FOX e direção de Michael Mayer