Guia da Semana

Maiores fracassos de bilheterias de todos os tempos

Conheça as superproduções que não se deram muito bem nos cinemas

Nem sempre ter um orçamento alto é uma garantia de sucesso nas telonas. A prova disso é que, enquanto algumas superproduções comemoram a grande arrecadação nas bilheterias, outras sofrem com dívidas milionárias.

Mesmo sendo grandes apostas, alguns filmes não conseguem cativar o público nos cinemas. O Guia da Semana preparou para você uma lista com os maiores fracassos de bilheteria de todos os tempos. Vale lembrar que alguns valores podem não corresponder à diferença entre o lucro e os gastos devido à correção no valor do dinheiro, impulsionada pela inflação dos custos e preço dos ingressos. Confira: 

As informações são do Box Office Mojo.

O 13º Guerreiro (1999)


O filme, que conta a história de um poeta que se apaixona pela mulher de outro homem, teve a maior perda do cinema de todos os tempos. Com um orçamento de cerca de US$ 160 milhões, “O 13º Guerreiro” arrecadou apenas US$ 62 milhões nos cinemas. Ou seja, com correção monetária, estima-se que a produção ficou devendo mais de US$ 180 milhões.

47 Ronin (2013)


O filme norte-americano “47 Ronin”, que conta a história de um grupo de samurais do Japão que vingam o assassinato do seu mestre, ocupa a segunda posição na lista de maiores perdas. Com uma superprodução de US$ 175 milhões, estima-se que o filme tenha perdido US$ 150 milhões.

Ilha da Garganta Cortada (1995)


Listado como a maior perda dos cinemas pelo Guinness World Records, “Ilha da Garganta Cortada” é o típico filme “caça ao tesouro”. Com um orçamento de US$ 98 milhões, o filme registrou uma perda de quase US$ 140 milhões (com correção monetária).

Marte Precisa de Mães (2011)


Única da lista, a animação “Marte Precisa de Mães” conta as aventuras de um menino em busca da mãe que foi raptada por marcianos. Mesmo estando em cartaz em mais de 3 mil salas no mundo todo, o filme, que teve uma produção de US$ 150 milhões, registrou uma perda estimada em US$ 136 milhões, com apenas US$ 38 milhões arrecadados.

Final Fantasy (2001)


O filme “Final Fantasy” se passa em pleno ano de 2065, quando um meteoro atingiu o planeta e lançou ao longo de toda a superfície terrestre milhões de aliens, que têm por objetivo extinguir toda a vida do planeta. O longa de ficção-científica teve uma superprodução de US$ 137 milhões, mas arrecadou somente US$ 85 milhões. Com o ajuste da inflação, estima-se que o filme tenha perdido US$ 136 milhões.

Pluto Nash (2001)


Mesmo com um roteiro bastante ruim, o filme “Pluto Nash” acabou custando bem caro graças aos seus efeitos especiais. A produção do filme custou US$ 100 milhões, contra apenas US$ 7 milhões arrecadados, gerando uma dívida de mais de US$ 125 milhões.

O Cavaleiro Solitário (2013)


Com um prejuízo estimado de até US$ 120 milhões, “O Cavaleiro Solitário” pode se tornar o segundo maior fracasso da Disney, atrás apenas de “John Carter”. Após consumir um orçamento de US$ 250 milhões, além dos US$ 175 milhões investidos em marketing, o filme, que conta as memórias de Tonto (Johnny Depp) dos primeiros esforços para subjugar as ações imorais dos corruptos e trazer a justiça no Velho Oeste americano, arrecadou US$ 260 milhões nos cinemas. 

Atualizado em 10 Jul 2014.

Por Renata Fernandes
Compartilhe

Comentários

Outras notícias recomendadas

17 filmes para assistir no NOW durante o feriado de Carnaval

De terror a animação, confira filmes que vão te entreter nesse feriado

Logan: "filme definitivo" do Wolverine chega aos cinemas

Longa marca a despedida de Hugh Jackman do personagem que viveu por 17 anos

Um Limite Entre Nós: filme indicado ao Oscar chega ao Brasil em cima da hora

Longa traz Denzel Washington e Viola Davis em atuações singulares

13 filmes indicados ao Oscar que você pode assistir em casa agora mesmo

Do premiado “A Chegada” ao emocionante “Fogo no Mar”, veja quais são os filmes do Oscar para assistir no NOW

Confira os melhores momentos da passagem de Hugh Jackman pelo Brasil

“Silêncio”: 3 motivos para ver o novo filme de Scorsese (e 3 para pensar duas vezes)

Longa traz Andrew Garfield e Adam Driver como padres jesuítas